Mercado brasileiro de smartphones não está mais "blindado" e começa a ser afetado pela crise

A IDC (International Data Corporation) revisou novamente suas previsões para o mercado brasileiro de smartphones e mostrou que o setor de dispositivos móveis finalmente começou a ser afetado pela crise econômica em que o país se encontra. A companhia, que antes estimou a venda de 63,5 milhões de aparelhos até o final de 2015, já havia corrigido o número para 58 milhões e agora, em nova revisão, o reduziu para 54,5 milhões. Isso representa uma queda de 1% em relação às vendas do ano passado.

O mês de abril foi o primeiro a causar a revisão das estimativas da IDC, quando apresentou uma diminuição de 1% das vendas em relação ao mesmo mês em 2014. Mas foi em maio que o comércio sentiu sua maior queda, com uma venda 16% menor em relação ao mesmo período do ano passado.

A crise econômica e a alta do dólar são os culpados já previstos para essa redução. Esses dois fatores resultaram num aumento de aproximadamente R$ 200 no preço dos aparelhos e isso associado ao clima de pessimismo econômico que atualmente vivemos causou uma contração no mercado mobile brasileiro.

- Continua após a publicidade -

"Essa revisão é um indicador de que realmente a economia no país não vive o seu melhor momento (...) Os smartphones não estão mais blindados em relação ao momento econômico que atravessa no Brasil (sic)." 

Leonardo Munin, analista do IDC

Assuntos
Tags
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

Deve ter lançamentos como leve melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.