Google torna opensource seu algoritmo que transforma imagens em verdadeiras "viagens no ácido"

Há duas semanas atrás, um engenheiro do Google mostrou a interpretação de fotos feita pelo "sistema neurológico" da empresa. Os resultados eram imagens psicodélicas e coloridas (como você pode ver acima). As imagens fizeram tanto sucesso na internet que a companhia resolveu abrir o código do projeto, chamado de DeepDream, para o público.

O anuncio foi feito pelos engenheiros Alexander Mordvintsev, Christopher Olah, e Mike Týka em uma postagem no blog do Google:

"Vimos um grande interesse e recebeu muitas perguntas de programadores e artistas, sobre os detalhes de como essas visualizações são feitas. Nós decidimos abrir o código que usamos para gerar estas imagens em um notebook IPython, então agora você pode fazer imagens inspiradas de redes neurais você mesmo!"


Os códigos estão disponíveis no site GitHub e qualquer pessoa pode utilizá-lo para criar novos programas e suas próprias imagens. Usando DeepLearning, o DeepDream identifica padrões nas imagens e trabalha em cima deles, acentuando seus contrastes ou combinando com outros já existentes. Esse processo é feito pelo algorítimo várias vezes, resultando em obras de arte psicodélicas e viagens muito loucas.

- Continua após a publicidade -



Os engenheiros do Google pediram para as pessoas compartilharem as imagens feitas com o algoritimo utilizando a hashtag #DeepDream, para aumentar o alcance da tecnologia.

#DeepDream

Posted by Dimiter Stanev on Wednesday, July 1, 2015

- Continua após a publicidade -

{via} Venture Beat|http://venturebeat.com/2015/07/01/google-open-sources-its-software-for-making-trippy-images-with-deep-learning/{/via}

Tags
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.