Apple Music traz recomendações "humanas", conecta fãs com seus músicos e traz rádios online 24/7

Depois de muitos rumores, enfim a Apple anunciou seu serviço de streaming de músicas, o Apple Music. A plataforma de música incorpora os recursos do Beats, comprado há pouco mais de um ano, e busca "humanizar" o consumo de músicas, aproximando os fãs de seus músicos favoritos e trazendo sugestões baseadas em seus gostos, com auxílio de curadores.

Um dos focos do serviço é evitar o uso de apenas algoritmos na hora das recomendações. Um grupo de especialistas serão responsáveis por criar playlists e sugestões para os usuários, partindo dos artistas que a pessoa gosta e buscando canções e bandas com perfis semelhantes. Estas recomendações estarão baseadas em duas abas: a "Para você", aonde as músicas baseadas em seu histórico serão organizadas, e a "Novas", que busca trazer novidades ao usuário. 

Além da das sugestões, um formato bastante clássico também estará presente: rádios online 24 horas, 7 dias por semana, estarão disponíveis em diversas cidades.  O Beats 1 será uma rádio global, inicialmente sendo transmitinda de Los Angeles, Nova Iorque e Londres.

A parte da experiência com o Apple Music é o "Conectar", em que o usuário pode ter contato com publicações de seus artistas favoritos, com prévias da produção de suas futuras músicas e outras interações que tornam a pessoa mais próxima de seus músicos favoritos.

Por fim, a Apple implementou a interação da Siri com o sistema. Além de possibilitar pedidos mais triviais, como "toque a música X", a assistente por voz será capaz de realizar ações mais complexas como "toque as 8 músicas mais populares do mês", ou "toque o maior sucesso de 1982". 

- Continua após a publicidade -

O Apple Music chega no dia 30 de junho, disponível para iOS, Windows e Android. com custo de US$ 9,99 por mês, sendo que os primeiros três meses são gratuitos. Por US$ 14,99 é possível fazer uma conta familiar com até 6 pessoas.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.