Gartner: Venda de Chromebooks crescerá 27% este ano e chegará a 7.3 milhões de unidades

Enquanto as vendas de computadores, em geral, não tem agradado tanto a indústria por conta da estagnação, um nicho que vem se saindo bem é o dos Chromebooks. Com uma proposta mais simples e leve, utilizando principalmente recursos "na nuvem", estes aparelhos com sistema da Google tem um crescimento promissor para este ano, segundo previsões do Gartner.

De acordo com o instituto de pesquisa de mercado, as vendas destes notebooks apresentará um crescimento de 27% comparado ao mesmo período do ano passado, totalizando 7.3 milhões de unidades comercializadas. Apesar do crescimento, os Chromebooks ainda são uma pequena parte do mercado de computadores domésticos, sendo que de acordo com dados do IDC, foram vendidos 308 milhões de unidades no ano passado

A área educacional continua sendo o grande foco destes dispositivos, sendo que em torno de 72% das vendas são voltadas a este uso.  As vendas ainda estão massivamente localizadas na América do Norte, onde serão comercializados 6 milhões destes aparelhos, de acordo com as expectativas do Gartner. A Google já está "mirando" em novos mercados, com a criação de versões e planos do Chromebook voltados ao trabalho e às empresas.

Os Chromebooks vem equipados com o Chrome OS, sistema desenvolvido pela Google com foco no uso de serviços como Gmail, Docs e demais apps baseados na web. Por conta disso, eles costumam vir com pouco armazenamento interno - muitos de seus dados podem ser armazenados no Google Drive, serviço na nuvem do Google - e o principal atrativo destes aparelhos são seus preços competitivos, muitas vezes localizados abaixo dos R$ 1 mil no Brasil e entre 100 e 250 dólares, no exterior.

{fonte}Gartner|http://www.gartner.com/newsroom/id/3058517{/fonte} 

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.