Por infringir direitos autorais, Grooveshark pode ter que indenizar gravadoras em até US$736 milhões

O site Grooveshark está indo a tribunal hoje em Nova Iorque para enfrentar as acusações de infringimento de direitos autorais e de distribuição das gravadoras. A acusação vem após o juiz do caso declararque a violação do serviço foi intencional e, portanto, aumenta a probabilidade da empresa ser forçada a pagar o dano máximo por faixa – US$ 150 mil por música. O caso envolve 4,907 arquivos, e pode resultar em uma indenização de até US$ 736 milhões.

O Grooveshark tem sido uma maneira popular de ouvir música nos anos recentes, ainda mais por ser gratuito e sem anúncios. A empresa também foi pioneira no streaming de música antes de outros serviços como Spotify e Rdio. O problema, no entanto, foi que a empresa operava fora da lei, oferecendo músicas sem o consentimento das gravadoras, tentando conseguir autorização após os arquivos estarem presentes no site.

Em e-mails obtidos do Grooveshark, o presidente da empresa apoia aos usuários enviarem suas músicas para ajudar a manter o serviço no ar. Embora o caso tenha foco em quase 5 mil faixas, os empregados podem ter colocado aproximadamente 150 mil arquivos nos servidores. As gravadoras alegam que, ao tentar retirar estes arquivos do ar, os empregados da companhia recolocavam as músicas no ar pouco tempo depois.

Se as gravadoras tiverem sucesso nesse caso, os danos financeiros serão altos o bastante para retirar o site do ar. As gravadoras provavelmente não esperam receber todo o dinheiro do caso, já que a empresa por trás do Grooveshark, Escape Media,  não possui milhões em sua conta bancária. O objetivo provável nesta circunstância é tirar o serviço de streaming do ar.

{via}ExtremeTech|http://www.extremetech.com/internet/204234-grooveshark-could-be-hit-with-up-to-736-million-in-copyright-infringement-damages{/via}

- Continua após a publicidade -

Assuntos
Tags
  • Redator: Gabriel Daros

    Gabriel Daros

    Redator da Adrenaline que teve contato com hardwares desde quando viu seu pai montar um tal "PC gamer" aos oito anos de idade. Escreve notícias sobre internet, tecnologia e jogos, cujo primeiro contato foi com um SNES aos sete anos. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desde 2013.

Qual você acha melhor?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.