Corte australiana ordena provedores de internet a entregarem dados de suspeitos de pirataria

Uma corte australiana ordenou que um número de provedores de internet do país entregasse dados pessoais de usuários suspeitos de piratearem um filme. No que parece abrir um precedente muito perigoso, uma empresa estadunidense convenceu a corte federal da Austrália a compelir os servidores de rede para entregar os nomes associados à 4.726 endereços de IP únicos que compartilhavam o filme Dallas Buyers' Club através do BitTorrent.

A empresa, Dallas Buyers Club LLC, pediu aos provedores locais pelas informações mas as companhias negaram sob alegações de defesa da privacidade de seus clientes. Agora que um juiz deu permissão à empresa estadunidense para obter os dados, seus advogados terão que provar que ocorreu a quebra dos direitos autorais do filme.

A Austrália é geralmente vistas como um forte vetor de pirataria, graças à datas atrasadas de lançamento e conteúdos relativamente mais caros em comparações ao resto do mundo. Essas falhas das empresas na hora de adaptar seu conteúdo para um mercado local levou inúmeros usuários a piratear filmes, música e software. Além disso, as políticas de censura, altamente restritivas, levam alguns conteúdos a serem censurados, como por exemplo o jogo Hotline Miami 2.

Ao invés de enfrentar tais dinâmicas problemáticas e colher os frutos – como a Noruega, que acabou com a pirataria de música no país com os streamings – as empresas parecem preferir processar indivíduos que preferem não gastar seu dinheiro e tempo em cortes judiciais, mas resolver de maneira rápida. E graças a este precedente, que ainda pode ser permitido pelos provedores virtuais, esse tipo de conduta pode se tornar ainda mais comum.

{via}Neowin|http://www.neowin.net/news/aussie-court-orders-isps-to-hand-over-personal-data-of-users-suspected-of-piracy{/via}

Tags
  • Redator: Gabriel Daros

    Gabriel Daros

    Redator da Adrenaline que teve contato com hardwares desde quando viu seu pai montar um tal "PC gamer" aos oito anos de idade. Escreve notícias sobre internet, tecnologia e jogos, cujo primeiro contato foi com um SNES aos sete anos. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desde 2013.

Qual você acha melhor?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.