Senhas hackeadas de contas do Uber estão sendo vendidas por US$1 na dark net

Com apenas um dólar, é possível comprar uma senha roubada para uma conta no Uber, ganhando passeios gratuitos pela cidade. Vendedores em sites da dark net, como o AlphaBay, que comercializa produtos ilegais como drogas e mercadorias falsificadas, está oferecendo logins e senhas da rede por apenas US$1, segundo a Motherboard. Outras informações que vêm com a compra são dados do cartão de crédito e número de telefone.

A Motherboard conseguiu verificar que algumas contas ainda estavam sendo utilizadas por membros do Uber e que, em um caso, uma senha previamente hackeada da Amazon também poderia ser usada numa conta do aplicativo, já que as senhas eram as mesmas. Embora um vendedor, nomeado "Courvoisier" alegou ter "milhares" de contas hackeadas para vender, o Uber informou que nenhum ataque foi realizado. A empresa alega ter investigado o problema, e "não encontrou evidência de brecha" em seus sistemas.

"Tentativas de acesso fraudulento ou venda de contas é ilegal, e nós notificamos as autoridades sobre esse problema. Essa é uma boa oportunidade para lembrar as pessoas de usarem usuários e senhas seguros e únicos, além de evitar reutilizar as mesmas credenciais em múltiplas páginas e serviços."

Equipe do app Uber em entrevista para o Mashable

Isso reforça o fato de que os hackers provavelmente adquiriram as credenciais de uma conta roubada (talvez de um hacking anterior) e então foram capazes de logar na conta do usuário do Uber utilizando a mesma senha. Em maio de 2014, a empresa sofreu uma brecha de segurança que afetou milhares de motoristas do serviço. A empresa alega que a invasão anterior não está conectada de forma alguma com a informação atual disponível online.

- Continua após a publicidade -

{via}Mashable|http://mashable.com/2015/03/29/hacked-uber-passwords-selling/{/via}

Tags
  • Redator: Gabriel Daros

    Gabriel Daros

    Redator da Adrenaline que teve contato com hardwares desde quando viu seu pai montar um tal "PC gamer" aos oito anos de idade. Escreve notícias sobre internet, tecnologia e jogos, cujo primeiro contato foi com um SNES aos sete anos. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desde 2013.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.