Estados Unidos e Reino Unido simularão ciberguerra para aumentarem suas defesas

Um acordo bastante curioso selado nesta sexta-feira entre Barack Obama e o primeiro ministro britânico David Cameron preende melhorar as defesas contra criminosos virtuais dos países. As duas nações começarão a se atacar ciberneticamente em breve, para coletar informações e aumentarem suas defesas e formam uma equipe especial para cuidar de ataques online.

As simulações terão diversos alvos como o setor financeiro e de energia de cada país. Os ataques serão monitorados por equipes das agências inglesas GCHQ e MI5 e pelas americanas FBI e NSA, para que ninguém leve o negócio de hackear o país amiguinho a sério.

Segundo o The Wall Street Journal, a primeira simulação acontecerá este ano e envolverá o setor financeiro de cada país. Nos alvos estão incluídos os bancos de Wall Street e o Distrito Financeiro de Londres. Os próximos ataques terão como foco os transportes e empresas de energia.

O principal objetivo do jogo de Guerra entre os países é saber como cada um lida com determinados ataques e situações no mundo digital e descobrir os pontos fortes e fracos no combate aos cibercriminosos. Após os testes, as informações de defesa e experiências adquiridas durante a brincadeira serão compartilhadas pelas duas nações, que também pretendem formar turmas de ciber-agentes para combater invasões.

{via}The Wall Street Journal|http://blogs.wsj.com/digits/2015/01/16/u-s-and-u-k-to-conduct-joint-cyber-wargames/{/via} 

Tags
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.