Casa Branca considera projeto que obriga empresas a revelar que foram invadidas em até 30 dias

O presidente Barack Obama irá propor ao congresso americano novas medidas que obrigarão as empresas à informar se seus dados foram roubados, juntamente com a data do ataque. A medida obrigará as entidades privadas a transmitir tais informações ao público em um prazo máximo de trinta dias, juntamente com explicações de como as vítimas podem ser afetadas. Embora a lei se aplique apenas nos Estados Unidos, a medida é válida para proteger clientes do mundo todo.

Intitulado "Ato de Notificação e Proteção de Informação Pessoal", Obama apresentará o projeto à Comissão de Comércio Federal (FTC), responsável pela proteção do consumidor nos Estados Unidos. O ato tentará garantir que os clientes tenham maiores chances de se proteger, atualizando suas senhas e códigos bancários de segurança após tentativas de invasão, impedindo fraudes virtuais e aumentando a segurança virtual.

Segundo um documento da Casa Branca explicativo sobre o ato, "Como as ameaças à cibersegurança e à identidade virtual continuam a crescer, pesquisas recentes mostram que nove em cada dez americanos sentem que perderam controle de seus dados pessoais – e isso pode levar a uma interação menor com a tecnologia, menor inovação e também uma economia menos produtiva."

A iniciativa vem após uma enxurrada de preocupações virtuais com cibersegurança, incluindo a infiltração na Sony liderada pela Coreia do Norte, que resultou no cancelamento das sessões do filme A Entrevista. Entretanto, o problema vai muito mais além: para os gamers, a PSN já foi alvo do maior vazamento de dados quando seus servidores foram invadidos em 2011. A empresa foi altamente criticada por demorar a revelar essas informações, mesmo depois de seu público já ter ciência de que suas informações foram roubadas.

O governo de Obama espera pouca oposição à esta proposta, mesmo com um congresso dominado por políticos republicanos. Enquanto provavelmente haverão acusações de que o ato é "anti-comercial", o senado acredita que tais informações são vitais para os clientes, levando em consideração a invasão aos servidores da Sony em 2011 como justificativa para evitar que o caso se repita.

{via}GamesIndustry|http://www.gamesindustry.biz/articles/2015-01-12-whitehouse-considers-a-30-day-limit-for-disclosure-of-data-breaches{/via}

Tags
  • Redator: Gabriel Daros

    Gabriel Daros

    Redator da Adrenaline que teve contato com hardwares desde quando viu seu pai montar um tal "PC gamer" aos oito anos de idade. Escreve notícias sobre internet, tecnologia e jogos, cujo primeiro contato foi com um SNES aos sete anos. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desde 2013.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.