F-Secure estima aumento de 614% de vírus para smartphones e tablets até o fim do ano

A empresa de segurança F-Secure estima um aumento de 614% no número de vírus para smartphones e tablets em 2014, se compararmos com o ano passado. O crescimento do número de informações armazenadas em smartphones e tablets, além do aumento da quantidade de transações financeiras feitas nestes aparelhos, faz deles alvos em potencial para hackers e pessoas mal intencionadas.

Outro dado levantado pelos especialistas da F-Secure é de que jÁ existem aproximadamente 900.000 exemplos de vírus e malwares circulando entre smartphones e tablets. São 1.200 famílias de malware para mobile, sendo que 50% afetam o sistema Symbian, 45% o sistema Android e 5% outros sistemas operacionais.

"Os vírus para smartphones e tablets são cada vez mais comuns. Como o Android superou a utilização do Windows, passou a ser o maior alvo dos hackers", explica Roni Katz, especialista em segurança da F-Secure.

E como muitos usuÁrios gostam de aproveitar a wi-fi gratuita oferecida por alguns estabelecimentos, acabam ignorando que essa conexão deixa o smartphone vulnerÁvel. Mesmo uma rede wi-fi confiÁvel, pode ser facilmente "hackeada" e as informações do aparelho acessadas, fotos e senhas bancÁrias roubadas, a câmera ligada remotamente e chamadas feitas sem o conhecimento do usuÁrio.

- Continua após a publicidade -

Neste caso, Roni explica que as mesmas dicas passadas para os usuÁrios de cyber cafés e computadores públicos são vÁlidas para quem utiliza tablets e smartphones em redes wi-fi gratuitas. São elas:

-Não entrar em sites com informações confidenciais, como bancos
-Não abrir anexos de e-mails suspeitos
-Verificar se o link de acesso ao site é real
-Não instalar aplicativos de lojas não oficiais
-Trocar periodicamente as senhas.

Mesmo tomando todas essas precauções, o vírus, uma vez instalado no dispositivo estÁ funcionando e alguns só transmitem os dados quando conectados à rede Wi-Fi. Para ajudar o usuÁrio, a F-Secure explica que possui algumas aplicações. O App Permissions, por exemplo, informa os aplicativos instalados no aparelho que comprometam a privacidade do usuÁrio ao acessar dados confidenciais. JÁ o Freedome consegue proteger o usuÁrio de uma conexão aberta à Internet, uma vez que criptografa todo o trÁfego de rede do dispositivo do usuÁrio, então mesmo que a conexão Wi-Fi seja insegura os dados estarão protegidos.

Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

É melhor ter o xCloud capado no iOS ou ficar sem o serviço nos iPhones?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.