Gerente de Produto da Asus Brasil responde às dúvidas sobre o notebook gamer G550JK

Anunciamos ontem, em primeira mão aqui no Adrenaline, o lançamento do notebook gamer da Asus ROG G550JK. O notebook é o primeiro modelo gamer fabricado no país pela empresa e busca se enquadrar na "MP do Bem" de desoneração fiscal, que só beneficia computadores com preço inferior a R$ 4 mil, e por conta disto chega ao mercado brasileiro custando R$3.999,00.

Alguns usuÁrios tiveram dúvidas sobre o aparelho e pediram por mais detalhes. O Gerente de Produto da Asus Brasil, Marcel Campos, responde abaixo aos principais questionamentos deixados na caixa de comentÁrios da notícia.

OlÁ,

Depois de ler o feedback do público no website Adrenaline, resolvi ajudar a responder as dúvidas mais comuns sobre o Notebook ASUS R.O.G G550JK e ao nosso mercado de Notebooks no Brasil;


1 – Mais detalhes do produto (dúvida por bynext, Join Venturi, sinfatus, Underwood)



O sistema de refrigeração é bem eficiente e desenvolvido pela própria ASUS. Ele é feito em duplicidade e é colocado separadamente nas extremidades do notebook para deixar um bem distante do outro para aumentar a eficiência de dissipação de calor, a liga é composta de Cobre que também ajuda a dissipar com mais eficiência o calor da mÁquina. Vale ressaltar que ambos os ventiladores funcionam independentemente, ativados somente quando realmente for necessÁrio.



2 – A Placa de vídeo e a dúvida entre GTX850 ou GTX860  (dúvida por aniklator, roughwinds, renan60, jpouza)

A princípio a placa deverÁ ser a Nvidia GTX850M com 2GB de memória dedicada da arquitetura Maxwell. Esta placa de vídeo, segundo a própria Nvidia entrega mais de 30% de aumento em performance se comparada a GTX760M que equipava equipamentos topo de linha em 2013. A GTX860 possui exatamente a mesma arquitetura presente na GTX850, porém possui algumas melhorias na spec que dão um ganho de desempenho entre 10% e 15% sobre a GTX850.

Neste momento estamos estudando a possibilidade de trazer a GTX860M no lugar da GTX850M, mas isto pode impactar no preço do produto e se passar dos R$ 4.000 irÁ inviabilizar a comercialização do produto pois por questões da MP do BEM que define que a desoneração de PIS/COFINS para notebooks vendidos no Brasil apenas se aplica se o preço ao consumidor for inferior a R$ 4.000. Ou seja, se trocarmos a placa de video o custo for, por exemplo, de R$ 4.000 para R$ 4.200, automaticamente com a adição dos impostos que não serão desonerados iremos para um patamar de R$ 4.600,00.

Como Gamer de carteirinha é lógico que eu prefiro uma GTX860M, mas se for para baixar R$ 600 (apenas um exemplo) no preço e viabilizar o produto no Brasil... 10% a 15% de diferença no desempenho podem ser desconsiderados para garantir a vinda do produto para nosso País.

3 – Colocar ou não um SSD ou SSHD? (dúvida por Axiooon, shirato takamoto, Sambs)

Pensamos bem antes de decidir abandonar o SSD. Realmente é importante e sabemos da grande diferença de desempenho, mas se você colocar um SSD o custo aumenta incrívelmente. O custo hoje no varejo de um SSD 128GB de uma boa marca gira na faixa de R$ 500 a R$ 600, enquanto um HDD de 750GB de boa marca custa no varejo algo em torno de R$ 250.

Na composição total de todos os itens do produto decidimos por deixar o SSD de fora pois ele pode receber um upgrade posteriormente se for de desejo do usuÁrio da mÁquina.

SSHD é o formato híbrido, é mais caro mas o fator predominante é que nenhum fabricante faz este tipo de HD no Brasil, apenas importa, isso impossibilita comprarmos a cota imposta pelo governo de nacionalização das partes e peças do notebook, com isto ficamos apenas com a opção de HDD ou SSD.

4 – Brasil "Paraíso dos EmpresÁrios Poderosos e Varejistas com Lucros exorbitantes" opa, não é bem assim. (dúvida por Axiooon, shirako takamoto, leopoliva)

Respeito a opinião de qualquer pessoa, porém é preciso ponderar quando dizemos algo assim.

Estamos vivendo em uma sociedade Capitalista, o Lucro é o fator predominante para incentivar qualquer investidor a decidir por um negócio novo ou não, expandir as operações para um novo país ou não. Ética vêm antes do lucro, mas sem lucro não existe empresa que sobrevive. Quantas empresas boas que não conseguem ser lucrativas jÁ morreram ou estão morrendo ou desistindo de determinados segmentos justamente por não serem mais lucrativas.

Por diversas vezes vendemos produtos que acreditavamos estar em um preço competitivo e trazemos para o Brasil, mas infelizmente não ganharam aderencia necessÁria e tivemos que vender a preço de banana com prejuízo para abrir caminho para novos produtos.

No mundo dos notebooks os riscos são altos, os lucros são baixos e tanto o Varejo como a Indústria busca encontrar produtos que são mais baratos, mais competitivos, melhor configurados e de acordo com a expectativa do consumidor, mas nem tudo é possível ao mesmo tempo e vamos evoluindo na medida que a tecnologia nos permite sem comprometer a qualidade do produto para ter um produto mais barato e vender indiscriminadamente.

O Varejo também se preocupa com qualidade, vivem nos questionando do índice de retorno, os custos ocultos que produtos de baixa qualidade causam na operação. A qualidade de um produto é proporcionalmente interligada ao custo final do mesmo, uma coisa não existe sem a outra.

Um consumidor consciente sabe que vale a pena pagar um pouco mais por um produto que vai durar mais ou dar uma usabilidade no dia-a-dia sem gerar problemas de compatibilidades ou travamentos.

E depois de tudo isso, quando parece jÁ não restar mais alternativas, resta ao consumidor simplesmente não comprar um produto pois ele não atende a expectativa dele, ou de preço ou de qualidade.

Temos os extremos no Brasil, consumidores que compram produtos caros demais, sejam notebooks, carros, geladeiras, TVs e também temos o consumidor na outra extremidade da cadeia que procura simplesmente o produto mais barato disponível sem se preoucupar com marca ou qualidade e com este comportamento acaba por sustentar no mercado marcas que não respeitam um nível de qualidade adequado e entregam para o consumidor sucata tecnológica em vez de produtos justos e confiÁveis ao consumidor brasileiro.

Não vejo paraíso para empresÁrios no Brasil, na verdade vejo um terreno bem difícil de atuar, com mão de obra especializada escassa, com baixa infraestrutura se comparado a outros mercados no mundo e com um sistema de taxas incrivelmente complexo e obscuro que acaba encarecendo qualquer produto em qualquer indústria.

No Brasil vejo empresÁrios corajosos, que enfrentam os mais adversos problemas, enfrentam riscos altos todos os dias e barreiras que em outros países simplesmente não existem.

EmpresÁrio no Brasil além de muito estudo, investimento e dedicação precisa também de uma dose de sorte acima da média pois nunca se sabe qual vai ser o dolar de amanhã, o preço da gasolina de amanhã, a taxa de juros de amanhã e se o transito na cidade ou na estrada vai expor as mercadorias dele a bandidos e quadrilhas organizadas que roubam a carga gerando prejuízos e aumentando ainda mais o famoso "Custo Brasil".

5 – Por que R$ 4.000? (duvida por shinobi.zero, Axiooon, shirako takamoto, leopoliva)

Como jÁ explicado anteriormente a MP do BEM restringe os produtos como notebooks ao teto de R$ 4.000 de preço ao consumidor para receberem o incentivo do PIS e COFINS. Tentamos trazer produtos para todas as faixas de preço possíveis.

Nossos produtos começam na faixa de preço sugerido ao consumidor na casa de R$ 1.299 como é o caso do nossos produtos X102BA e X451CA.

Quanto mais tecnologia, maior o desempenho empregado em componentes de alta performance como processadores e memórias RAM, materiais de maior qualidade e com texturas diferentes, tecnologias de dissipação de calor diferentes e mais eficientes, telas com maior qualidade de imagem e resolução, SSD e HDDs maiores acabam encarecendo os produtos e posicionando os produtos em diferentes níveis de aquisição.

Estas diferenças acabam por criar o mix de produtos de cada fabricante e por consequencia do Varejista, o que é saudÁvel ao meu ponto de vista pois existem diferentes necessidades para cada tipo de consumidor.

Não concebemos o G550JK para alcançar R$ 3.999, mas fizemos de tudo para ele ficar abaixo dos R$ 4.000 impostos pelo governo, inclusive diminuir nossa margem no produto consideravelmente.

Queremos trazer para o público Gamer no Brasil um produto da renomada família R.O.G e este é o primeiro produto no qual conseguimos fazer isto e temos orgulho por faze-lo e com certeza quem comprar um G550JK produzido no Brasil vai entender o custo benificio automaticamente pois a experiência serÁ sem igual pelo custo benificio apresentado quando se compara notebooks desta faixa de preço no Brasil.

6 – Desktop ou Notebook Gamer? (dúvida por negotorador)

Não vou me estender muito neste tema. Para nós é claro: existe o público que quer um Notebook Gamer e o Público que prefere o Desktop Gamer. Assim como tem o público que só joga em Consoles e aqueles que só jogam em Smartphones e Tablets. É mais uma questão de gosto por cada plataforma do que na verdade uma discussão do que é melhor.

7 – O tamanho do Público Gamer. (dúvida de sacuraba)

Realmente em termos de números estatísticos o Brasil ainda deve muito no universo Gamer, porém o Brasil é um dos poucos países que ainda enfrentam crescimento no mercado de Games, existem diversos motivos para isto acontecer por aqui, mas o que importa é que depois de estudarmos tudo que jÁ existia coube a ASUS Brasil decidir por apostar ou não neste segmento.

O momento chegou e nós decidimos por apostar, temos o DNA Gamer em nossa empresa, não podemos deixar de incentivar e buscar nos posicionar neste importante segmento de mercado.

8 -  Teclado ABNT, Espessura, USB pintada de preto  e Tela Touch. (duvida por crfrisao, Kaesar)

Tela touch hoje só existe se for em superfícies que refletem a luz, este não é o fator predominante procurado por um Gamer, que prefere telas anti-glare (anti-reflexiva) pois não atrapalha nenhum detalhe da imagem no jogo, por isso não colocamos tela touch que também iria encarecer o produto.

Espessura, este produto tem apenas 2.7cm de altura na parte mais grossa, muitos notebooks no Brasil tem mais de 3cm de altura. Como colocamos processador e GPU de alto desempenho existe hoje um limite fisico de espaço para não torrar os componentes nem a mão do usuÁrio. Produtos mais finos tendem a ter menos performance justamente pelo ponto que acabei de colocar.

A foto é do produto com teclado internacional, todos os nossos produtos comercializados no Brasil possuem teclado ABNT sem exceção.

As 03 portas USB do produto serão no padrão USB 3.0, mesmo com as portas pintadas de preto. Na verdade optamos por manter um visual mais sóbrio nas laterais e não distoar colocando diversas cores em portas como o caso do USB.

9 – Design e Desenvolvimento ASUS. (dúvida por Join Venturi)

Não usamos design ou engenharia de ODMs como Clevo, Compal, Foxconn entre outros. Por vezes desenvolvemos algumas pequenas partes em parceria com eles, mas nunca o projeto todo.

Prezamos pelo diferencia da nossa tecnologia, qualidade e inovação, quem busca isto para se diferenciar no mercado não pode depender de designs seja de barebone (carcaça) ou de engenharia de placas mãe de terceiros, é preciso fazer do zero e fazer diferente, esta é nossa filosofia e nosso slogan "IN SEARCH OF INCREDIBLE" reflete bem nosso direcionamento com empresa de tecnologia.

10 – HD adicional. (dúvida por Felipe Fiuza)

Possui apenas um espaço para HD. NA versão de 17 polegadas da série R.O.G existe o espaço para 02 HDs. Pode-se comprar adaptadores que são colocados no lugar do DVD e passam a funcionar como outro HD, mas não posso assegurar que eles funcionaram com nossos produtos nem com outros produtos de outras marcas pois não homologamos este tipo de acessório.

Gostaria de poder responder tudo de todos, mas acredito que jÁ explicamos diversos pontos que fazem com que cada um agora gere sua própria opinião sobre o produto e nosso mercado de Notebooks no Brasil.

Abraços a todos.


Marcel Campos

Assuntos
Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

O que você prefere?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.