Instagram bloqueia hashtags após denúncia de vendas de drogas

A rede social de compartilhamento de fotos Instagram tornou-se o local preferido de alguns traficantes para a venda de drogas. Pelo menos é o que diz a BBC do Reino Unido, que fez uma reportagem denunciando o esquema de venda de drogas pela rede social. VÁrios traficantes vendiam de forma anônima (perfis falsos) drogas que variam de maconha até sintéticas. As fotos das drogas tinham hashtags para os compradores encontrem mais fÁcil, e os números de celular permitiam a negociação via Whatsapp.

Acredita-se que a maioria desses traficantes são vendedores que perderam mercado com o fechamento do "Silk Road", o "eBay das drogas". Outras redes sociais como Facebook e Tumblr jÁ possuem como política própria banir conteúdos que possam ter relação com venda de substâncias proibidas. Mesmo assim, até comentÁrios do Youtube foram utilizados para oferta de drogas e remédios proibidos sem receita médica. 

Anúncio em comentÁrio do Youtube

- Continua após a publicidade -

O Instagram respondeu à denúncia feita pela BBC dizendo que as termos de uso do site são bem claros sobre o que pode ou não pode. Apesar disso, a empresa lembrou que a rede social não tem esse objetivo: "Pessoas não conseguem comprar coisas no Instagram, ele é apenas um lugar onde elas compartilham fotos e vídeos". 

  

Para tentar evitar o anúncio e comércio das substâncias, o Instagram baniu algumas hashtags utilizadas comumente por eles. Além disso, declarou através de um porta-voz que encoraja as pessoas a reportarem ações ilegais. Outras palavras com cunho sexual ou ofensivo foram banidas também nesta exclusão. 

Via Mobile Expert

- Continua após a publicidade -

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Assuntos
Tags
  • Redator: Leonardo Lorenzoni

    Leonardo Lorenzoni

    Apaixonado por videogames desde que jogou Yu-Gi-Oh Forbidden Memories no Playstation e StarCraft no PC, sofre por ter nascido tão tarde e perder tanta bagagem cultural. Correndo atrás do prejuízo, divide a vida de estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com os vícios em séries e filmes. Gosta do Batman e não gosta do Superman. Escreve notícias para o Adrenaline e tenta não chegar atrasado.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.