Primeiras impressões e entrevistas com designers de Diablo III: Reaper of Souls

Durante a BlizzCon, mais novidades sobre a nova expansão de Diablo III, Reaper of Souls, foram anunciadas. Além do próprio game, que estava à disposição, conversamos com Leonard Boyasky, designer de mundos e Jesse MecCree, designer de fases, que nos contaram alguns detalhes do novo jogo.

Mantendo a tradição dos kits de expansão de Diablo, Reaper of Souls aumenta o mundo de Diablo III com um novo ato e mais personagem. O Cruzado é uma classe que em diversos aspectos remota ao Cavaleiro presente em Diablo II, com golpes com relações com a cultura cristã medieval e, principalmente, o uso de auras para aumentar a eficiência de seus aliados ou efeitos prejudiciais aos inimigos.

"Os novos cenÁrios desta expansão começam com um visual gótico e urbano, tomado pelos minions do anjo Maltael", conta Jesse MecCree. Questionamos os designers do jogo sobre o visual mais próximo de World of Warcraft, deixando de lado o visual mais sinistro do primeiro jogo. "Não queremos simplesmente fazer uma continuação de Diablo II ou da série, neste novo jogo queremos ir além e explorar uma variedade bem maior de locais, inclusive alguns ambientes mais claros e abertos".

O game introduz melhorias no modo história, que agora ganhou mais dinamismo. "Eu sou roteirista, e passaria o dia inteiro lendo textos na tela", brinca Boyasky. "Mas não queríamos isto para Diablo. Por isto tornamos as caixas de diÁlogo o mais interativas possível, com a história se desenrolando à medida que ações aconteçam". Além disto, um novo modo foi apresentado: o Aventura. Nele todos os marco de sendas (waypoints, para os mais tradicionais) estão desbloqueados, e o jogador pode se deslocar de forma rÁpida para, entre outras atividades, caçar monstros com recompensas especiais, em determinados locais com cenÁrios gerados aleatoriamente.

- Continua após a publicidade -


Além do Cruzado, a Blizzard anunciou novos ataques para todos os personagens do game, que agora poderão ter seu nível elevado até o 70. "Todas as classes ganharão uma nova habilidade, dentro destes níveis adicionais", adianta MecCree. O desenvolvimento dos heróis do jogo também ficou mais complexo, com escolha de características que serão evoluídas nos níveis Excelso.

Outra adição de Reaper of Souls é, na verdade, um recurso que estÁ sendo cortado fora. A polêmica Casa de Leilões serÁ tirada da série, assim como jÁ aconteceu em sua versão para Playstation 3. "Nossa intenção era criar um ambiente seguro para que as pessoas trocassem e vendessem seus itens, e conseguiu isto. Mas, ao mesmo tempo, estava destruindo aquela sensação de 'encontrei um item incrível para meu personagem', depois de matar um monstro", explica MecCree.

Outras frustrações, em relação aos itens, também ganharão soluções na expansão. Agora os jogadores poderão Transmogrificar suas armas. "As vezes encontramos um item incrível, que traz tudo qu você quer mas tem uma aparência ruim. Com este recurso, você pode mexer na forma dos itens e evitar que você tenha que estragar aquele visual todo preto que você adorou, por exemplo" . A encantadora também resolve outro tipo de problema: "Eu sou um bÁrbaro, e aí encontro aquele ótimo capacete com ótimo dano, muito eficiente mas me dÁ... 10 pontos de inteligência. Isto não importa para minha classe", exemplifica Boyasky. Este novo NPC (personagem controlado pelo computador) presente na cidade serÁ capaz de alterar status de armas especiais, corrigindo estas situações.

- Continua após a publicidade -



Levantei a polêmica sobre Path of Exile, game que vem recebendo ótimas críticas e que se assemelha muito a Diablo II. SerÁ que as mudanças implementadas em Diablo III desagradaram? "Quando sentamos e começamos o desenvolvimento do novo Diablo, pensamos em formas de evoluir a franquia. Creio que hÁ pessoas que gostarão de uma proposta semelhante ao nosso game de 2001, mas hoje os jogos hoje são muito dinâmicos, não hÁ muita  paciência para ficar voltando para a cidade ou ficar lendo parÁgrafos de diÁlogos". defende Boyasky. "Mas, hoje hÁ tantos games com um estilo retrô iniciados no Kickstarter e conseguindo investimento. Pergunto-me se isto é mesmo só um nicho de mercado ou vamos ver um crescimento mais expressivo. De qualquer forma, fizemos Diablo III para ser um game inovador, não queríamos criar o Diablo 2.5".

Primeiras impressões
Jogamos a versão para PC de Reapers of Souls, naturalmente com o Cruzado, afinal é o personagem que estamos mais ansiosos para conhecer, jogando com todos os waypoints livres, e acionando o modo aventura. Realmente, este modo é bem legal para quem quer uma partida mais Ágil. Assim que abrimos o mapa com os possíveis locais para se deslocar, hÁ marcações com localidades em que hÁ missões, como caçar um monstro para buscar uma recompensa, e em questão de 10 minutos você caça e derruba um inimigo, com recompensas interessantes em dinheiro virtual e itens.

O personagem adicional é bastante interessante, com um gameplay que remete muito ao Paladino de Diablo II, com o uso de auras que trazem efeitos positivos para os aliados em seu raio de alcance, ou negativos para os inimigos. Os ataques seguem em uma mistura de "golpes santos" e ataques típicos de um cavaleiro.

Para mim, o maior impacto foi o drop de itens. "Estamos introduzindo o Loot 2.0. Agora ele é mais inteligente:  ele vê qual seu personagem, seu nível e de seus itens, e então faz com que os monstros 'derrubem' armas mais compatíveis com seu estÁgio, seja um pouco superior ou inferior", explica MecCree. O impacto, em nossas impressões, foi imediato: em 10 minutos, vi o primeiro item lendÁrio. Dois minutos depois, outro destes itens apareceu para o Jacson, que jogava ao meu lado. Definitivamente, a busca por itens vai ser mais gratificante.


Prepare-se para ver mais disto

Outro elemento ainda não pode ser muito explorado, devido a limitações da versão de apresentação que testamos: a comunidade. Diablo ganharÁ recursos sociais mais avançados, como a criação de guildas. Vamos precisar esperar para ver melhor o quanto isto enriquecerÁ a experiência do game mas, considerando que falamos da mesma criadora de World of Warcraft, um game com muita ênfase na comunidade e nas relações criadas entre seus jogadores, é de se esperar que esta novidade seja bem promissora.

Veredito: A Blizzard estÁ corrigindo alguns de seus erros em Diablo III, acabando com a venda de itens, melhorando a evolução dos personagens e a busca por itens, e introduzindo alguns recursos e modos interessantes. Acho que dÁ para dar mais uma chance para o jogo, e se as mudanças não resolveram suas birras com o novo game, o jeito é ir jogar Path of Exile.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Em jogos single-player como Resident Evil Village, você prefere:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.