BGS 2013: Roccat mostra novos periféricos gamers que chegam ao Brasil e o app Power-Grid

Durante a Brasil Game Show 2013, a Roccat exibiu os novos produtos que trarÁ ao mercado brasileiro nos próximos meses, o que incluem os novos teclados Ryos MK e o headset 5.1 surround Kave. Também conferimos um pouco sobre o aplicativo Power-Grid, que possibilita controlar o computador através de um smartphone Android ou iOS.

Markus Frey, diretor de marketing da Roccat, nos apresentou as novidades da marca para nosso país. "Somos uma empresa criada por gamers, então conhecemos as necessidades dos jogadores", explica Frey. "Nós centralizamos a criação de nossos produtos, sendo que todas as etapas do desenvolvimento do projeto e do design são feitos 'in house' [criado dentro da empresa]". Uma das exceções são os switches dos mouses. "Os japoneses são famosos por fabricar os switches mais eficientes e durÁveis do mundo, então incorporamos este componente deles em nossos produtos."

Recentemente analisamos o teclado Roccat ISKU FX e, entre os contras, destacamos que o teclado não é do tipo mecânico, algo que serÁ resolvido com o lançamento do Ryos MK. Além de usar esta tecnologia mais responsiva nas teclas, ele recebeu uma mudança no layout de suas teclas, um novo material para o longo apoio dos pulsos e, dependendo da versão, um sistema independente de iluminação para cada tecla.

- Continua após a publicidade -


O backlight irÁ trazer uma série de interações, sendo possível iluminar só um conjunto de teclas, criar um efeito baseado onde o usuÁrio pressiona ou até mudar as luzes de acordo com o jogo. "As teclas do F1 ao F12 podem ser iluminadas de acordo com o número de balas que você possui no pente de sua arma no game" exemplifica Frey. Outros softwares também poderão mudar a iluminação das teclas, com uma parte do teclado piscando quando alguém lhe envia uma mensagem no Team Speak, por exemplo. Como destacamos na review do ISKU, este tipo de recurso ainda estÁ bastante limitado em relação ao número de games que suportam "interagir com o teclado", mas isto deve mudar no futuro: "teremos novidades na CeBit, sobre isto", provocou o diretor de marketing da Roccat.

O Ryos MK serÁ vendido em três versões: a bÁsica, a MK Glow, que inclui a retroiluminação e a Pro, que além do sistema de luzes inclui também portas USB e entrada para fone nas laterais. Estes modelos devem chegar ao mercado brasileiro entre o fim deste ano e começo do próximo, com custo entre 500 e 900 reais de acordo com o modelo. Eles virão em dois layouts: o padrão "português de Portugal" e o "americano". "Não seria possível trazer estes produtos tão próximo do lançamento mundial se o adaptÁssemos para o formato brasileiro", justifica Frey.

Headste Kave
O Kave é um fone 5.1 surround com um conjunto drivers dedicados em cada fone para trazer a sensação de profundidade e direção de onde vem o Áudio. Sei que a viabilidade de um Áudio surround em um fone de ouvido é uma discussão infinita, e não vou colocar minha mão muito fundo neste vespeiro: o vídeo demonstrativo que pude conferir conseguiu um efeito bastante interessante. Não chega ao nível de um sistema com vÁrias caixas de som devidamente posicionadas, mas ainda assim foi possível identificar a direção de onde "vieram" os ruídos.


- Continua após a publicidade -

Assim como outros fones surround, a Roccat preferiu não correr o risco de depender do Áudio nos computadores, e integrou uma placa de Áudio surround no próprio fone, sendo que a conexão do Kave no PC é feita via cabo USB. Além de trazer a placa de Áudio, o controle possibilita aumentar o volume e equalizar o Áudio, e vem com outro extra: uma conexão bluetooth. Assim, o jogador pode conectar seu telefone ao Kave, e assim atender ligações sem tirar o fone de ouvido.

O fone não serÁ para qualquer bolso: seu custo estÁ estimado em mais ou menos R$ 1.000, e chega ao mercado brasileiro entre o final deste ano e começo do próximo.

Power-Grid
Outra novidade apresentada é o app Power-Grid, que torna o seu smartphone Android ou iOS em uma espécie de "controle-remoto" especializado em games. Ele possibilita criar telas customizÁveis para realizar comandos diversos no computador, e também usar pequenos blocos para auxiliar em games e... em outras coisas. "Este timer eu uso para controlar o tempo de respawn no League o Legends, e este aqui marca 15 minutos, que é o tempo que a pizza leva no forno", conta Frey, revelando seu gosto por LoL e por pizzas prontas.

 

Os gamers podem criar suas próprias telas, e compartilhar para outros usuÁrios. O aplicativo é gratuito, e tem um detalhe interessante: não é preciso ter nenhum hardware da Roccat para utilizÁ-lo. "No futuro, teremos interações mais complexas entre nossos periféricos e este software, mas mesmo sem nenhum produto Roccat você consegue usar o app sem dificuldades. Não tem porque encarecer nosso produtos colocando um display neles, se todos jÁ possuem um smartphone e que estÁ ali na mesa, logo ao lado", brinca Frey, em uma alusão "marota" aos concorrentes. A empresa, inclusive, jÁ vem desenvolvendo teclados com dock para iPhone.

Melhorias no software
Um ponto que criticamos na anÁlise do Roccat ISKU FX é a falta de um software centralizador eficiente para os periféricos da marca. Enquanto usÁvamos o teclado simultaneamente com o mouse Kone XTD, precisÁvamos de um software de configuração para cada periférico. "Estamos trabalhando em um software mais eficiente, mas precisamos de tempo. Temos uma grande variedade de periféricos jÁ presente no mercado, e precisamos atualizar seus drivers para que todos sejam compatíveis", explica Frey.

Esta evolução é necessÁria para fazer frente ao Synapse 2.0, software bastante eficiente da Razer que consegue unificar a configuração e ajustes de todos os periféricos da empresa, e também salvar estas modificações em um servidor na nuvem, sempre mantendo seus produtos com os ajustes que o usuÁrio prefere.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Qual vai ser o melhor game de setembro de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.