Empresa de energia e Intel constroem o maior supercomputador de pesquisa comercial do mundo

A gigante do ramo de energia, BP (British Petroleum), em parceira com a Intel, construiu o maior supercomputador voltado para pesquisa comercial do mundo. O anúncio feito no começo dessa semana revelou que a mÁquina de 2.2 petaflops localizada em Houston, EUA, foi equipada com 10.864 processadores Xeon, da Intel. O sistema servirÁ como um ponto central de processamento de dados geofísicos para auxilar cientistas a analisarem o solo terrestre.


Sede da BP em Houston

O supercomputador irÁ fornecer imagens detalhadas do subsolo, aumentando a velocidade de procura por novos recursos de energia. Com os resultados obtidos pelo sistema, a BP poderÁ extrair de maneira mais segura e eficiente o petróleo e gÁs natural, além de conseguir reproduzir imagens HD em 3D e a composição de rochas subterrâneas. 

- Continua após a publicidade -

"O investimento da BP neste novo centro de supercomputação destaca não só a natureza cada vez mais high-tech da indústria global de gÁs e petróleo de hoje e, ressalta a antiga crença da nossa empresa no papel vital que desempenha a tecnologia - e continuarÁ a desempenhar - na solução dos maiores desafios de energia do mundo", disse Jackie Mutschler, um dos diretores de tecnologia da BP.

A inovação estÁ em um dos três andares da sede americana de 110.000 m² da BP, localizada em Houston, Texas. Curiosamente, o primeiro supercomputador de pesquisa comercial que atingiu 1 petaflop de processamento foi desenvolvido pela BP. Porém, o sistema chegou ao seu limite de refrigeração, e a empresa teve que procurar outra alternativa para contar com a tecnologia. Em parceria com a Intel, a BP mais que dobrou o rendimento, chegando à 2,2 petaflops na supermÁquina que possui ainda memória total de 1000 TB e 23.5 petabytes de HD.

Assuntos
Tags
  • Redator: Leonardo Lorenzoni

    Leonardo Lorenzoni

    Apaixonado por videogames desde que jogou Yu-Gi-Oh Forbidden Memories no Playstation e StarCraft no PC, sofre por ter nascido tão tarde e perder tanta bagagem cultural. Correndo atrás do prejuízo, divide a vida de estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com os vícios em séries e filmes. Gosta do Batman e não gosta do Superman. Escreve notícias para o Adrenaline e tenta não chegar atrasado.

Escolha sua arma:

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.