Hacker conserta um dos piores games de todos os tempos

Imagine um jogo tão ruim, mas tão ruim, que chegou a causar uma tremenda crise na empresa responsÁvel. Esse é "E.T. the Extra-Terrestrial", lançado em dezembro de 1982 para Atari 2600 e um dos títulos no nosso top 10 dos piores games de todos os tempos. Pouco mais de 30 anos depois, alguém muito dedicado (e com algum tempo de sobra) conseguiu "consertar" o negócio.

O grande "vilão" nessa história foi o tempo existente para o desenvolvimento. A Atari conseguiu os direitos do filme no final de julho daquele mesmo ano e havia apenas cinco semanas para finalizar o projeto.

O resultado é um game cheio de bugs e com uma mecânica bem confusa. Conforme A PC World, porém, o jogo tem fãs, que argumentam que parte das complicações se resolveria se as pessoas lessem o manual do game. Segundo eles, "E.T." tem um quê de revolucionÁrio, com um mundo aberto e side quests (com as limitações da época, é claro). Toda essa complexidade deixou as pessoas confusas na época. 

 


Isso não resolve, no entanto, a estranha cor verde do E.T. (que, no filme, é marrom), o fato de ele cair inexplicavelmente em buracos a qualquer momento e a dificuldade absurda, jÁ que a cada passo do protagonista ele perde um bocado de energia. Um fã dedicado, o hacker David Richardson, decidiu melhorar o game. Ele contou com a ajuda do pessoal dos fóruns do Atari Age e usou um editor hexadecimal para ajustar manualmente alguns valores na ROM do jogo.

O resultado é um jogo mais balanceado e com menos bugs. Antes, o sistema de detecção de colisões era totalmente falho: se um único pixel de qualquer parte do corpo do E.T. fosse sobreposto a um pixel qualquer do poço, o alienígena cairia lÁ dentro, mesmo que seus pés estivessem firmemente plantados no solo. Richardson aprimorou isso e, agora, ninguém mais vai sofrer com quedas absurdas.

- Continua após a publicidade -


O E.T. estÁ pisando no chão, certo? mas na versão original, ele caía no buraco assim mesmo

 

Além disso, agora o personagem só perde energia quando corre, cai ou levita. Uma simples caminhada não é mais prejudicial à pontuação, como acontecia no jogo original. O E.T. ainda ganhou uma corzinha mais parecida com a que o personagem tem no filme.

O próprio desenvolvedor do game, Howard Scott Warshaw, aprova o resultado. "Ele trouxe muita integridade ao projeto, e acho que fez um bom trabalho", diz o programador original, que assegurou à PCWorld que se a Atari lhe tivesse dado mais tempo em 1982, teria feito essas mudanças por conta própria.

Quem quiser conferir o "novo E.T.", pode baixar a a ROM no site do projeto e rodÁ-la em qualquer emulador de Atari 2600. 

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.