Google lança petição para pedir internet livre e aberta

A Google lançou a campanha com a hashtag #Freeandopen para incentivar os usuÁrios a assinarem uma petição que pede aos governantes uma internet livre e aberta. De acordo com a companhia, a partir desta semana, os líderes dos países do mundo estão se reunindo, a portas fechadas, para discutir o futuro da rede e renegociar um tratado de comunicação estabelecido hÁ décadas. Alguns deles querem aumentar a censura e regular a web.

A petição, que também pede a inclusão de cidadãos comuns e empresas nas decisões relativas à rede, e não só a União Internacional de Telecomunicações, que estÁ reunindo os reguladores, pode ser assinada neste link.

Além de barrar determinados conteúdos, algumas propostas podem permitir até o corte no acesso à internet. O YouTube, Facebook e Skype também estão sendo ameaçados. Outras propostas exigem o pagamento de taxas para que essas redes possam alcançar pessoas de outros países. De acordo com a Google, isso pode limitar o acesso à informação, principalmente nos países emergentes.

- Continua após a publicidade -

"HÁ uma repressão crescente da liberdade na Internet. Quarenta e dois países filtram e censuram conteúdos. Apenas nos últimos dois anos, os governos aprovaram 19 novas leis que ameaçam a liberdade de expressão on-line", diz a Google no texto da campanha.

E no Brasil?

A Câmara dos Deputados tem colocado em pauta a discussão sobre a internet no país, mas nenhuma, até o momento, prevê a censura ou opressão à liberdade de expressão. A principal delas estÁ em torno do marco civil da internet, que estabelece os direitos e deveres do usuÁrio e provedores de serviço da web. A votação do projeto foi adiada cinco vezes por causa de um impasse em torno de dois pontos do texto, redigido pelo deputado Alessandro Molon, do PT do Rio de Janeiro.

O primeiro ponto seria o princípio de neutralidade da rede, que, de acordo com o relator, que busca o apoio dos líderes partidÁrios para votar o texto, pretende evitar privilégios no trÁfego de dados para empresas ligadas aos provedores.  O segundo trata da proibição do registro de dados dos usuÁrios por parte dos provedores de conexão. Isso evitaria a venda desses dados a empresas de marketing direcionado.

- Continua após a publicidade -

Enquanto o marco civil ainda permanece em discussão no plenÁrio, recentemente, a presidente Dilma sancionou a lei número 12737, conhecida como lei Carolina Dieckmann, que tipifica os crimes cibernéticos e define penas para quem invadir computador, roubar senhas, conteúdos, emails e derrubar sites. Outra lei sancionada foi a número 12735, chamada Lei Azeredo, que define crimes digitais como, por exemplo, o uso de celular ou outro dispositivo para fraudar sistemas e redes.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Assuntos
Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.