TeamViewer 7 agora transfere remotamente arquivos entre PC e Android

A TeamViewer, especializada em controle remoto e software de apresentação online, anuncia uma atualização do aplicativo TeamViewer 7 para Android. Com ela, os usuÁrios podem transferir arquivos e pastas de seus dispositivos móveis Android para qualquer computador Windows, Mac ou Linux, e vice-versa.

Quando os usuÁrios precisam acessar arquivos importantes relacionados ao trabalho, por exemplo, podem agora usar o seu dispositivo Android onde quer que estejam e transferir esses arquivos para o seu dispositivo móvel.

O TeamViewer permite o acesso remoto a um computador por meio de uma conexão segura feita via dispositivos Android. Uma aplicação possível desse recurso é quando surge a necessidade de dar suporte aos amigos e familiares com problemas em seus computadores, ou quando hÁ necessidade de acessar o computador pessoal ou do escritório no meio de uma viagem.

O novo aplicativo oferece também a capacidade não apenas de visualizar os arquivos, mas transferi-los de um dispositivo para outro. Todos os documentos importantes relacionados ao trabalho ficam disponíveis, independentemente da localização do usuÁrio.

"Estamos muito animados com o anúncio da nova versão do nosso aplicativo Android TeamViewer para Controle Remoto", disse Holger Felgner, Gerente Geral da TeamViewer. "Nós entendemos que o acesso a arquivos importantes, de qualquer lugar, é extremamente importante para os nossos clientes. Agora, com a nova versão do aplicativo, os usuÁrios do Android serão capazes de transferir arquivos para seus smartphones ou tablets, permitindo que fiquem conectados às suas fotos, músicas, vídeos e documentos mais importantes."

Para usuÁrios privados, o aplicativo é grÁtis e pode ser baixado diretamente no Google Play. UsuÁrios corporativos que desejam utilizar o app em ambiente empresarial precisam adquirir uma licença que tem um preço base de R$1.079.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.