Metade dos smartphones Android possui vulnerabilidades

Segundo um estudo desenvolvido pela Duo Security, o número de malwares para a plataforma Android aumentou 41 vezes ao longo do ano. Agravando este quadro, o estudo indica também que metade dos smartphones com o sistema da Google necessitam de patchs de segurança, para corrigir vulnerabilidades.

O instituto de pesquisa, financiado pela DARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa Americana), realizou a pesquisa através do app X-Ray, chegando a este resultado através da amostragem de 20 mil smartphones que baixaram a aplicação. Não, o X-Ray que falamos não é daqueles aplicativos bobos para "enganar os amigos" que seu celular consegue fazer exames de raio X na hora.

Segundo o Duo Security, a falha não é da Google, e sim dos fabricantes: muitos param de trazer atualizações do sistema, ou sequer patchs, para manterem seus consumidores protegidos de novos malwares. "Estes números são assustadores, e exemplificam o quanto é importante atualizações constantes e como a indústrias - operadoras, fabricantes, etc - tem feito isto de forma inadequada até o momento", explica Jon Oberheide, CTO da DUO Security.

- Continua após a publicidade -

Mas a Google também não fica isenta de responsabilidade. Uma das principais vulnerabilidades exploradas é a instalação de aplicativos "não desejados", que instalam frameworks agressivos de publicidade e representam mais da metade dos malwares existentes hoje. Entre os mais relevantes estÁ o "PJApps", que utilizava o app "Black Market", um mercado de aplicativos paralelo para Android, para se instalar no smartphone. "Por muito tempo, o Black Market estava disponível no Google Play, mostrando que a Google precisa melhorar sua política de controle de aplicativos maliciosos", conta Oberheide.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Deve ter lançamentos como leve melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.