Violência nos games pode reduzir dores em até 65% dos jogadores, indica pesquisa

Um novo estudo realizado pela Universidade de Keele, no Reino Unido, descobriu que a exposição de jogadores a games violento pode reduzir a sensação de sentir dores em até 65% dos casos. 

Na pesquisa, 40 participantes jogaram games considerados violentos (não fica explícito qual é) e um outro jogo considerado não-violento (também não explícito), em sessões diferentes e, então, foram pedidos a mergulhar as mãos em Água supergelada após cada sessão.


SerÁ que os participantes estavam jogando "Manhunt"? Ninguém sabe...

Com isso, os participantes que jogaram os games violentos descobriram que conseguiram manter as mãos dentro do recipiente gélido por um período 65% maior que quando jogaram jogos não-violentos. 

- Continua após a publicidade -

"Nossos estudos provaram que jogar games aumenta as sensações de agressividade e tolerância a dores. Assumimos ainda que o ato de xingar também gera emoções similares e podem ajudar na redução de dores pela alteração do quadro emocional dos jogadores, numa resposta reflexiva dos seus organismos pelo aumento da pressão sanguínea", explicou Richard Stephens, o doutor responsÁvel pelas anÁlises.

Para quem considera importante ou não os resultados do estudo, pelo menos, agora, não é apenas mais um que insiste em focar nas consequências destrutivas dos jogos eletrônicos, como jÁ noticiamos alguns deles por aqui. Em alguns casos de maneira bastante drÁstica e apelativa, inclusive.

Assuntos
Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

Deve ter lançamentos como leve melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.