Nova vulnerabilidade no Java permite instalação silenciosa de cavalo-de-troia

Os especialistas da ESET alertam para uma grave vulnerabilidade que afeta o Java 7 e é usada por cibercriminosos para espalhar malware. De acordo com as anÁlises da companhia, os primeiros indícios apontam que a brecha permite a execução de um código malicioso sem que o usuÁrio perceba, como é o caso de um cavalo-de-troia identificado pela empresa como "Win32/Poison.NHM".

Ainda conforme a ESET, por enquanto sabe-se que os navegadores vulnerÁveis ao ataque são o Mozilla Firefox para Ubuntu Linux 10.04, Windows XP, Vista e 7; o Internet Explorer no Windows XP, Vista e 7, e o Chrome somente no Windows XP.

"As vulnerabilidades em Java têm virado algo cada vez mais comum. E o grande risco é que essa tecnologia roda hoje em múltiplos sistemas operacionais e programas, o que potencializa as ações de cibercriminosos que exploram esse tipo de vulnerabilidade", pontua Camillo Di Jorge, Country Manager da ESET Brasil.

Até que a Oracle realize as atualizações no Java 7, o que estÁ programado inicialmente para 16 de outubro, a ESET recomenda desativar o Java do navegador de internet para prevenir qualquer risco de ataque.

Como desativar o Java 7
No Mozilla Firefox, basta acessar o botão Firefox –> Complementos –> Plugins. Ali, desabilite qualquer plugin relacionado ao Java. No Chrome, é preciso escrever na barra de endereços chrome://plugins.

Os usuÁrios de Internet Explorer devem ir em Painel de Controle –> Java –> Aba Java e, então, desativar qualquer versão da plataforma. Segundo informações da US-CERT, em alguns sistemas pode ser necessÁrio modificar as chaves de registro do Windows.

A ESET ainda recomenda desativar o plugin no Safari. Para isso, basta entrar em Preferências –> Segurança e desativar a opção "Ativar Java". 

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.