Líder do WikiLeaks recorre contra extradição para a Suécia

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, apelou contra a decisão da Suprema Corte da Grã-Bretanha que, no final de maio, decidiu por sua extradição para a Suécia por causa de supostos crimes sexuais.

Os advogados de Assange alegam que alguns dos juízes tiraram sua conclusão com base em um ponto legal que ainda não havia sido discutido no tribunal, o que teria impedido a defesa de fazer uma contra-submissão.

Assange tinha até amanhã (13/06) para recorrer. "Não foi definido prazo para avaliar as evidências", informou uma porta-voz, conforme a Reuters. "Estamos esperando que isso seja feito imediatamente."

Promotores suecos querem questionar Assange sobre as acusações de estupro e agressão sexual feitas por duas ex-voluntÁrias do WikiLeaks na Suécia. Ele, por sua vez, nega e afirma que as relações foram consensuais. Ele ainda atribui as denúncias a interesses políticos. Assange luta contra a extradição desde sua prisão na Grã-Bretanha em dezembro de 2010.  

Mesmo se ele perder o recurso na Grã-Bretanha, a AustrÁlia pode levar seu caso ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em uma nova tentativa de evitar a extradição e estender o processo.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

O que você prefere?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.