Forças Armadas dos EUA usam mais de 1 milhão de peças falsificadas

Pensa que é só nas ruas por aí, que pessoas conhecidas (ou não) usam gadgets falsificados made in China? Claro que não. Os "xing-lings" chegaram às Forças Armadas dos Estados Unidos.  São equipamentos como rÁdios, GPS e aparelhos de visão noturna que, se sofrerem com a falha de uma única parte, acabam colocando a vida dos soldados em risco.

A descoberta estÁ em um relatório da Comissão das Forças Armadas do Senado americano, divulgado nesta segunda-feira (21/05), fruto de uma investigação de um ano e dois meses. Foram identificados mais de um milhão de componentes falsificados em aeronaves militares do país, das quais 70% vieram da China. Outros fornecedores incluem o Reino Unido e o CanadÁ.

Entre os casos descobertos, helicópteros com equipamentos de visão noturna falsificados


Um dos equipamentos com peças falsificadas feitas na China é o helicóptero da marinha SH-60B usado para caçar submarinos inimigos. Neste caso, os componentes falsos comprometiam seu sistema de visão noturna. "Nosso relatório descreve como esse fluxo de peças falsificadas, predominantemente da China, ameaça a segurança nacional, a segurança de nossos soldados e os empregos americanos",  afirmou à CNN o senador Carl Levin, presidente da Comissão.

Os senadores criticam a fragilidade da cadeia de suprimentos dos EUA, que deveria identificar suspeitas de peças falsificadas, e também o fracasso chinês em conter o seu grande mercado de produtos falsos, que são exportados para o mundo inteiro. 

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

Qual o seu palpite para os preços dos consoles da próximo geração?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.