Baixa autonomia no smartphone? Culpe os apps grátis com propagandas

Se você é mais um dos usuÁrios que vivem reclamando sobre a curta duração da bateria do smartphone, saiba de uma coisa: pagar pelos seus aplicativos pode ajudar. Isso porque até 75% da energia utilizada pelas versões gratuitas são gastos na exibição de anúncios e na busca pela localização do usuÁrio.

A descoberta é do cientista da computação Abhinav Pathak, junto de seus colegas na Universidade de Purdue, em Indiana, nos Estados Unidos. Eles desenvolveram um software para analisar o consumo de energia pelos aplicativos e testaram em diversos apps populares, como o NYTimes e os games "Angry Birds" e "Free Chess".

De acordo com a NewScientist, na experiência os pesquisadores observaram que apenas algo entre 10% e 30% da energia são gastos para oferecer as funções bÁsicas dos aplicativos. No game "Angry Birds", por exemplo, apenas 20% são responsÁveis por exibir e rodar o jogo, enquanto 45% da energia são gastos para procurar a localização do usuÁrio via GPS e, então, baixar e exibir anúncios localizados.

Para Pathak, o gasto excessivo é causado por problemas nos códigos fornecidos por terceiros que os programadores utilizam para gerar lucros a partir de aplicativos grÁtis. O pesquisador vai apresentar os resultados do estudo na conferência Eurosys, que ocorre no próximo mês em Berna, na Suíça.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Adrenaline para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.