Dispositivo permite a cegos transformarem som em visão

Pesquisadores israelenses estão desenvolvendo um dispositivo que permite a deficientes visuais transformarem o "som da paisagem" em visão. O estudo liderado pelo Dr. Amir Amedi, da Universidade Hebraica de Jerusalém, consiste na utilização do conceito do som que invade o córtex visual do paciente. O conceito foi descoberto hÁ 20 anos pelo pesquisador holandês Peter Meijer, que criou um algoritmo para traduzir a posição e a aparência de um objeto em diferentes sons. O sistema funciona com pessoas que perderam a visão por causa de um acidente ou lesão e, também, com aqueles que possuem a cegueira de forma congênita, ou seja, desde o nascimento.

Após um breve treinamento, os usuÁrios aprendem a interpretar a "paisagem sonora" de objetos, pessoas e cenÁrios, podendo localizar facilmente onde cada coisa estÁ, ver seu formato e posição, e até mesmo ler as palavras escritas em um livro.


O projeto é parcialmente inspirado na viseira utilizada pelo personagem Jordy LaForge, em Star Trek: The Next Generation

- Continua após a publicidade -

Segundo o Dr. Amedi, a visão trabalha com duas vias paralelas. A primeira é a responsÁvel pela identificação do objeto, mostrando sua cor e o seu formato, e a segunda indica a localização, coordenando os dados visuais com a função motora da pessoa.

Analisando o funcionamento de um dispositivo criado por Peter Meijer, no qual o pesquisador aplicou o algoritmo que traduz a posição e a aparência em som, Dr. Amedi descobriu que as duas vias continuam funcionando mesmo quando a pessoa não possui a visão normal. O que prova isso é a ativação dessas características do cérebro quando os cegos estão lendo um texto em Braile.

A partir dessas conclusões, a equipe de pesquisadores desenvolveu um sistema complementar que estimula as funções visuais através do som captado. Abaixo, você confere um vídeo demonstrativo do projeto. As informações são do site Techtudo.

Assuntos
Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

Qual os planos para hardware esse ano?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.