Lula reaparelha Forças Armadas de olho na transferência de tecnologia

Dick Vigarista

Usuário Registrado
Lula reaparelha Forças Armadas de olho na transferência de tecnologia

Por causa da Venezuela, Aeronáutica inicia o processo com a compra de 36 caças, no valor total de US$ 2,2 bi

Tânia Monteiro

O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, foi autorizado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva a tirar da gaveta em janeiro, finalmente, o projeto FX-2 e comprar 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB), ao custo de US$ 2,2 bilhões - o projeto original, o FX-1, planejado no governo Fernando Henrique Cardoso, previa uma compra mais modesta, de US$ 700 milhões. Dois fatores, conjugados, contribuíram para a decisão política do Planalto: a precariedade a que chegou a FAB, com 37% da frota de 719 aviões sem condições de voar, e o presidente da vizinha Venezuela, Hugo Chávez, que, nas palavras dos militares, está se “armando até os dentes”.

Os planos de reaparelhamento das Forças Armadas são extensivos à Marinha e ao Exército, mas com uma orientação inédita: o governo abandonou a idéia de fazer uma licitação nos moldes tradicionais, como se a compra de um caça supersônico fosse um material de consumo comum, uma compra do melhor produto pelo menor preço no supermercado da tecnologia disponível mundo afora. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, consolidou entre os militares e no Planalto o conceito de que as “compras iniciais” devem ser feitas de quem oferecer o melhor pacote de transferência de tecnologia. O objetivo é transformar essas “compras iniciais” em embrião de uma política industrial para o setor.

“Queremos um plano estratégico de defesa nacional que precisa estar vinculado ao desenvolvimento nacional, ligando a questão a toda a política industrial e à criação de um parque industrial de defesa”, disse Jobim, em audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, na quarta-feira. Não se trata mais, segundo ele, de uma “necessidade só das tropas”. E explicou: “É necessário ter uma perspectiva de criação de tecnologia nacional independente.”

QUINTA GERAÇÃO

No caso da Força Aérea, como o processo de avaliação tecnológica e decisão de compra é sempre e naturalmente muito demorado, a idéia é adquirir caças de quinta geração. Entre as novas opções postas sobre a mesa dos oficiais da Aeronáutica estão o Eurofighter Thypon (consórcio Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e Espanha), o anglo-sueco Gripen, o russo Sukhoi 35 e o francês Rafale. Mesmo sem ter recebido oferta, até o F-35 da Lockheed, o supercaça da nova geração das Forças Armadas dos Estados Unidos, está no menu da FAB.

Embora muitos oficiais brasileiros não escondam uma preferência pelo Sukhoi 35, a lógica aponta que os franceses da Dassault, fabricantes dos antigos Mirage e dos modernos Rafale, também estão na disputa. Eles têm tradição na política de transferência de tecnologia.

No caso dos russos, que venderam 24 caças Sukhoi 30 à Venezuela de Chávez, uma geração anterior à pleiteada pelo Brasil, há dúvidas sobre a garantia de assegurar as peças de reposição para as aeronaves.

“A França sempre foi a melhor parceira. Sobre a Rússia, a gente sabe das dificuldades e não sabe o que vai acontecer em dez anos para podermos garantir nossas peças de reposição. Os EUA, tradicionalmente, não transferem tecnologia”, analisou o deputado José Genoino (PT-SP), um interlocutor para assuntos de defesa no Congresso. Ele considera da maior importância o País construir um parque industrial de defesa. “Devemos buscar o menor preço com maior transferência de tecnologia”, opinou.

A meta do governo é sustentar a política industrial de defesa com duas alavancas: por meio de compras governamentais e com vendas aos países latino-americanos. As compras governamentais passam pela garantia da execução do plano de reaparelhamento das Forças Armadas, que Jobim voltou a defender na Câmara, na quarta.

De acordo com Jobim, para 2008 os militares já poderão contar com um investimento inicial em reequipamento da ordem de R$ 1,8 bilhão em seus orçamentos. Ele disse que esse valor pode ser acrescido de mais R$ 1 bilhão, fruto de crédito suplementar. O ministro disse que vai percorrer indústrias do setor em São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, por três dias. Informou ainda que o presidente Lula quer que ele inicie, em fevereiro, uma viagem por todos os países da América do Sul para trabalhar uma política de defesa regional.

VALORES E “RETÓRICA”

Pelos planos em reestudo nas três Forças, o reaparelhamento pode ter investimentos de R$ 15,71 bilhões. Seriam R$ 3,61 bilhões para a Marinha, em 10 anos - R$ 1 bilhão só para o programa nuclear, montante a ratear ao longo dos próximos 8 anos. Outros R$ 6,7 bilhões para o Exército, em até 14 anos, e mais R$ 5,4 bilhões para a Aeronáutica, em um período um pouco menor, de 6 anos, por causa do grau de demanda tecnológica da Força e da exigência imposta pelo sucateamento atual.

Os estudos que o ministro da Defesa citou na comissão da Câmara foram bem mais modestos (R$ 3,4 bilhões), porque ele se referiu apenas ao período do segundo mandato do presidente Lula, que termina em 2010. Jobim lembrou que o orçamento das Forças Armadas para o ano que vem já cresceu 50%, passando de R$ 6 bilhões (investimento e custeio) para R$ 9 bilhões. Haverá ainda uma suplementação de R$ 1 bilhão.
http://txt.estado.com.br/editorias/2007/11/04/pol-1.93.11.20071104.1.1.xml
 

Dick Vigarista

Usuário Registrado
Ainda assim é muito pouco e espero, de todo coração, que não seja tarde demais. Desmantelaram o País em 2 Governos do FHC, vamos ver o que acontece daqui para a frente.
Ué, por que não? China perdeu mais de 40 anos de sua história e falou que vai recuperar tudo em 5.

Eles já até tão mandando astronauta e fazendo aviões..
 

ViniciusAE

New Member
Registrado
Só queria saber contra quem a FAB vai usa esses caças...
 

Uatarrell

New Member
Registrado
Só queria saber contra quem a FAB vai usa esses caças...
Meu, a principio naum seria p se usar contra ninguem, pq se a intençao fosse fazer guerra, esses 3-5 ou 15 bilhoes seriam um miseria de dinheiro e ate p Venezuela a gente ia leva pau!

Axo valido melhorar e modernizar as nossas forças armadas, visto q ta muito feia a atual situaçao!

Ter as forças armadas fortes e bem equipadas, tbem serve p controlar o contrabando de armas, trafico de drogas e pq naum, fazer os paises fronteiriços pensarem 2 vezes antes de uma atitude hostil e beligerante contra nos!
 

NeoConker

Unregistered User
Registrado
Esperao que seja o EuroFighter Typoon ou Sukkoi 35

Essas Dassault, Rafele é fria pois são ultrapassados, melhor arriscar ficar sem peças do Sukkoi do que pega tranqueira

E sobre o F-35 nem em sonho, o EUA não permite que o caça TopGun seja compartilhado, vide F-22
 

bsl

Usuário Não Registrado
Registrado
Heh, nada que uma pequena disputa armamentista pelo poder politico na america do sul não faça
 
F

Flanker

Guest
Até que enfim , por que senao do jeito que a coisa estava a Venezuela iria acabar dando as cartas na America Latina

Com relaçao ao rafale , ele é muito moderno sim, tem tecnologias inovadoras como o cancelamento ativo
 

Nai

-
Registrado
Só queria saber contra quem a FAB vai usa esses caças...
Ainda bem que o Brasil não possui a maior área verde do mundo e o maior reservatório de água potável né.

Engraçado,algo me diz que daqui uns anos esses dois itens vão ser os principais motivos da WWIII.

Outra coisa,vocês não podem pensar em caça de guerra como iminência da coisa,pensem no lado político e humanitário.

Para quem não entendeu,as nossas forças armadas prestam serviços 24h por dia a nos,principalmente aos mais pobres,seja levando comida e remédios nas aeronaves já antigas até fazendo obras de infraestrutura.

Sem falar que nossa soberania está começando a se abalar,além do caso dos vizinhos digo internamente também,a união gasta quase 200mil reais formando um oficial combatente mas não têm verba para mante-lo,quem disse isso foi um deputado chamado Bolsonaro:



O interesse em ingressar no EB está diminuindo ano a ano,a Escola de Sargento das Armas tinham quase 120.000 candidatos para 1000 e poucas vagas uns anos atrás,hoje se chegar nos 25.000 é muito,isso por que não há mais carreira garantida,o salário é a metade do que pagam a civil e não há material,tanques antigos,armas antigas,falta munição,comida,provimento e um tanto de coisa.

O Flanker é da reserva,ele pode falar mais disso.
 

febo

New Member
Registrado
Existem decisões que são puramente políticas,e uma dessas decisões é a da reaparelhar as forças armadas.

Senão vejamos:

Os militares estão sem recursos até para aumento de salários a quase 10 anos, o que com a reeleição do Presidente Lula, para que se possa continuar tendo o apoio das Forças Armadas teria que ser feito algo.

Com relação ao reequipamento, não pensem que iremos dar um salto tecnológico para o futuro, pois a coisa não é bem assim.

Qdo da compra do porta aviões São Paulo, antigo Foch da França, houve uma proposta por parte dos Estados Unidos pela venda do USS Kitty Hawk, uma belonave anos luz a frente do NAe São Paulo.

Com relação ao programa FX, os lobes devem continuar, com a óbvia pressão por parte dos EUA, em vetar qualquer tipo de compra de aeronave capasz de fazer frente ao seu arsenal de defesa, até pela proximidade dos dois países.

A escolha mais correta seria realmente o Sukoi, não só pela a aeronave em si, mas por todo o pacote que foi proposto:
Construção do parque industrial de Gavião Peixoto, e toda a demanda de empregos gerados, seja no compo militar como no campo civil, tranferencia de toda a tecnologia embarcada, bem como a abertura dos códigos de software, possibilitanto o uso de armas nacionais, e principalmente o fator de logistica e de defesa propriamente dito, pois o Suhoi é o unico concorente do programa FX, capaz de evetivamente patrulhar nosso extenso espaço aéreo de forma eficaz, haja visto que ele pode cruzar nosso espaço aéreo sem reabastecimento e em potencia militar.

Portanto para quem acha que o Brasil vai ser uma potencia militar na America do Sul, ledo engano, iremos dar um passo ao futuro com certeza, mas nada que ainda nos livre das mãos fortes do Tio Sam.

Continuaremos ficando com os caças capazes sim produzidos na Europa, mas infinitamente distantes da nossa realidade de defesa, coisa que para ser suprida por esses caças, deveriamos telos em numero de pelo menos 180 aparelhos para equipar as nossas tres bases de defesa aérea: Santa Maria, Sta Cruz e Anápolis.
 
F

Flanker

Guest
Existem decisões que são puramente políticas,e uma dessas decisões é a da reaparelhar as forças armadas.

Senão vejamos:

Os militares estão sem recursos até para aumento de salários a quase 10 anos, o que com a reeleição do Presidente Lula, para que se possa continuar tendo o apoio das Forças Armadas teria que ser feito algo.

Com relação ao reequipamento, não pensem que iremos dar um salto tecnológico para o futuro, pois a coisa não é bem assim.

Qdo da compra do porta aviões São Paulo, antigo Foch da França, houve uma proposta por parte dos Estados Unidos pela venda do USS Kitty Hawk, uma belonave anos luz a frente do NAe São Paulo.

Com relação ao programa FX, os lobes devem continuar, com a óbvia pressão por parte dos EUA, em vetar qualquer tipo de compra de aeronave capasz de fazer frente ao seu arsenal de defesa, até pela proximidade dos dois países.

A escolha mais correta seria realmente o Sukoi, não só pela a aeronave em si, mas por todo o pacote que foi proposto:
Construção do parque industrial de Gavião Peixoto, e toda a demanda de empregos gerados, seja no compo militar como no campo civil, tranferencia de toda a tecnologia embarcada, bem como a abertura dos códigos de software, possibilitanto o uso de armas nacionais, e principalmente o fator de logistica e de defesa propriamente dito, pois o Suhoi é o unico concorente do programa FX, capaz de evetivamente patrulhar nosso extenso espaço aéreo de forma eficaz, haja visto que ele pode cruzar nosso espaço aéreo sem reabastecimento e em potencia militar.

Portanto para quem acha que o Brasil vai ser uma potencia militar na America do Sul, ledo engano, iremos dar um passo ao futuro com certeza, mas nada que ainda nos livre das mãos fortes do Tio Sam.

Continuaremos ficando com os caças capazes sim produzidos na Europa, mas infinitamente distantes da nossa realidade de defesa, coisa que para ser suprida por esses caças, deveriamos telos em numero de pelo menos 180 aparelhos para equipar as nossas tres bases de defesa aérea: Santa Maria, Sta Cruz e Anápolis.
Sinto discordar amigo, mas a sua opiniao sobre o atual contexto geo-politico da America do Sul esta um pouco velha

Os Americanos nao conseguiram deter as compras militares do Chile, da Venezuela e do Peru, porque fariam escandalo porque o Brasil vai se reequipar ? Um parceiro comercial. Vamos atacar os EUA?


O fator Chaves tem que ser levado em conta

Estes 36 aparelhos sao para o primeiro lote, o total pode chegar a estes 180/200 desejaveis, vai depender das propostas comerciais e industriais

O que o Brasil precisa ser é ser uma potencia politico/militar/economica regional, o que historicamente sempre foi, nao podemos perder a nossa hegemonia na regiao


Grande abraço
 
F

Flanker

Guest
Pelos valores oferecidos U$ 2,2 bi (valor prévio.. já que em contratos de defesa nada impede que vá a algo em torno de U$2,5 ou U$2,7 Bi)

Só se encaixa o Rafale que esse sim pode ser ventido na faixa de U$ 60 milhões a unidade = 2,16 (inclua nisso os armamentos, pós venda e custo adicionais e fácil chegamos a U$ 70 milhões por aeronave.
ou U$ 2,5 Bilhões uma cifra nada simbólica e perfeitamente dentro dos U$ 2,2 pré liberados.


Um su-35 sairia por volta de U$ 1,5 Bi 36 unidades, realmente ignoro qual o custo final, não ouso nem tentar, mas o lobbie russo certamente é inferior ao francês.

Uma compra de caças novos construidos no Brasil é para no minimo 6 anos até que a primeira unidade seja entregue, dessa forma é inexoravel que haja um "caça tampão" como aditivo no contrato.

Como os custos para padronização em um eventual caça russo são altos, é impensavel que os russos ofereçam uma duzia de su-27 de segunda mão para a FAB, assim teriamos os f-5, os A1, os m2000 e os su-27 operando. Se levar em conta que o m2000 pouco conversa com o restante da frota, um su-27 só completaria a salada mista.

Dessa forma a unica opção viável é adquirir mais 12 ou 24 m2000, não existe outra opção viável (financeira e politicamente).


E para fechar, há um outro argumento bastante "interessante"

Se a justificativa p/ o rearmamento é a ameaça venezuelana e ele por sua vez se arma com equipamentos russos, seria incoerente comprar os mesmos armamentos já que em uma eventual guerra iriamos querer que nosso fornecedor tenha dedicação total a nós, fato que a França poderia se dedicar integralmente as necessidades Brasileiras (afinal não tem nenhum outro operador de rafales), no caso Russo, eles iriam fornecer para o Chaves, para nós e para seus outros clientes pelo mundo, além de nos distanciarmos dos EUA se operarmos caças Russos.

Também estratégicamente um alinhamento com a França é vantajoso para nós.

Enfim, no momento que os Russos venderam os Su30 para a Venezuela eles perderam o Fx2, pois o Brasil teve que comprar os mirage 2000 e com isso não tem outra saida para a força aérea.
 

wmh

Work, buy, consume... die
Registrado
Não queremos guerra mas temos ter de condições de ao menos nos defender. Desejo que este seja o primeiro passo, de muitos outros, para a recuperação e solidificação das nossas Forças Armadas.

Sou apenas mais um civil e penso que os e as militares merecem ganhar bem e ter todo o equipamento e infra-estrutura necessárias para nos proteger. Afinal eles arriscam as vidas todos os dias para nos trazer e garantir liberdade.

Muito bom o vídeo onde o Deputado fala sobre a precariedade em que todos estamos envolvidos, desde as polícias até às forças armadas, isso é vergonhoso. Nosso país precisa se fortalecer novamente depois que os furacões FHC e Lula vem passando em nosso solo.

Espero que invistam muito mais e que o Brasil se alinhe, ainda mais, com a França.
 

bsl

Usuário Não Registrado
Registrado
Brasil tem acordo politico-militar com a França, provavelmente comprará os Rafales então.
 

Marco

Active Member
Registrado
Até ia comentar, mas o Flanker falou tudo.
Se o brasil comprar alguma coisa dos Russos, se torna contra EUA...
e francamente, é melhor ter apoio do tio sam contra a venezuela, do que ser um inimigo para ambos ;)
 

Nai

-
Registrado
Mais uma coisa para fortalecer o tratado de aliança militar entre Brasil e França.

O novo presidente francês,Sarkozy defendeu a entrada do Brasil no coneselho de segurança mundial ... criticando a liderança dos EUA.

Alguém viu ?

29/08/2007 - Sarkozy quer Brasil no Conselho de Segurança da ONU
Em seu primeiro grande discurso sobre política externa, o novo presidente da França, Nicolas Sarkozy, defendeu, na segunda-feira 27 de agosto, uma ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com a inclusão como membros permanentes de Alemanha, Brasil, Índia, Japão e um representante da África, e do Grupo dos Oito (EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Rússia), com a adesão de África do Sul, Brasil, China, Índia e México.

Para o pesquisador Philippe Moreau Defarges, o discurso de Sarkozy não teve "nada de sensacional. Há uma grande continuidade . Segue a linha de política externa da França desde o general Charles de Gaulle: a França deve se manter como potência mundial, buscar um engajamento europeu e um equilíbrio internacional, sobretudo na questão nuclear".

Na sua opinião, as principais diferenças em relação ao ex-presidente Jacques Chirac são "um engajamento europeu mais acentuado" e uma "tonalidade pró-americana". Sarkozy quer uma Europa que assuma a condição de superpotência, fala em aliança sem alinhamento com os Estados Unidos, e vê o dispositivo de defesa europeu como complementar e não concorrente da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

É um forte e decidido apoio à pretensão brasileira a um assento permanente no Conselho de Segurança. Sarkozy não tocou na questão mais sensível: os novos membros terão o poder de veto dos atuais cinco grandes (EUA, China, França, Reino Unido e Rússia)? Mas deixou claro que os líderes mundiais perderam tempo depois do fim da Guerra Fria para criar uma nova ordem internacional.

O presidente francês apontou três grandes desafios para este começou de século 21:
1. Evitar uma confrontação entre o Islã e o Ocidente como querem os jihadistas que sonham em recriar o Califado reunindo os muçulmanos da Nigéria à Indonésia, rejeitando qualquer abertura, toda modernidade e qualquer diversidade. "Se essas forças atingissem seu objetivo sinistro, este século seria ainda pior que o passado".

2. Como integrar na nova ordem global os gigantes emergentes, a China, a Índia e o Brasil? "Motores do crescimento mundial, eles são também fatores de graves desequilíbrios; gigantes de amanhã, querem ter seu status reconhecido mas ainda não estão prontos para respeitar as regras que são do interesse de todos", disse Sarkozy.

3. Como enfrentar as grandes ameaças globais, pela primeira vez identificadas cientificamente por esta geração, sejam as mudanças do clima, as novas pandemias ou a questão energética?
 
F

Flanker

Guest
Um país que não fede nem cheira na comunidade internacional rugindo?

A França é irrelevante, ja se foi o tempo deles, mas só eles nao sabem disso ( tipica arrogancia francesa, he,he,he)

Deve estar querendo nos agradar pois nao vendeu o Rafale nem para o Marrocos que sempre foi quintal da França

( hora de barganhar entao para conseguir um preço camarada)

Esse presidente da França ainda vai arranjar confusao , o cara é de extrema direita

Que venha o Rafale, é um bom aviao, o unico problema dele é ser frances :lol:

E tomara que todo o suporte dele seja feito aqui e que haja transferencia de tecnologia, quem lembra da epoca dos Mirage III na Fab ou em qualquer outro país sabe da naba que era o suporte dado pela Dassault

Para trocar um parafuso era uma saga, imaginem uma revisao na estrutura

Falam dos russos , mas os franceses tambem tem um pós-venda terrivel
 

Dimirs

New Member
Registrado
Esperao que seja o EuroFighter Typoon ou Sukkoi 35

Essas Dassault, Rafele é fria pois são ultrapassados, melhor arriscar ficar sem peças do Sukkoi do que pega tranqueira

E sobre o F-35 nem em sonho, o EUA não permite que o caça TopGun seja compartilhado, vide F-22
Caso o amigo Chavez comece a se fresquear, os EUA não se importariam em nos ceder qualquer tecnologia pra talvez enfrentar um dos seus inimigos.
 

San Andreas

New Member
Registrado
Desses, o unico de 5ª geração é o F-35 Lightning II que provavelmente não vai entrar na concorrencia. Como sempre ocorre no Brasil, a decisão será politica e deve ser escolhido o caça francês Rafale. FX-2 é uma concorrencia de cartas marcadas como o FX-1. O Eurofighter Typhoon, o Sukhoi 35 e o JAS Gripen só estão ai pra "encher linguiça"...



F-35 Lightning II - Substituto do F-16, F-18, A-10 e Harrier

http://www.adrenaline.com.br/forum/showthread.php?t=108110




O cockpit do F-35 terá uma única tela de LCD ao invés de varias como nos caças atuais.



 

San Andreas

New Member
Registrado




Aeronave -------- RCS (m²)

B-52 -------- 99,5
F-14 -------- 40-50
A-10 -------- 25
F-111 -------- 17
Tu-160 -------- 15
B-1A -------- 10
F-15 -------- 10
Tornado -------- 8
Su-27, Mig-23 -------- 6
Mig-21 -------- 4
Mirage 2000 -------- 3,3
Mig-29 -------- 3
F-16/F/A-18 -------- 1,2
Typhon, T-38 -------- 1
B-1B -------- 0,75-1,02
F/A-18E, Rafale -------- 0,75
ALCM -------- 0,25
Exocet,Harpoon -------- 0,1
Tomahawk -------- 0,05
SR-71 -------- 0,014
Pássaro em vôo -------- 0,010
F-22A -------- 0,0065
F-35 JSF -------- 0,005
F-117A -------- 0,003
B-2 -------- 0,0014
ACM -------- 0,001
 

Nai

-
Registrado
O F-35 vai operar mais como CAS e bombardeiro né ? Até Shipstriker ele vai carregar.

Pois pelo que vi ali a única novidade em superioridade aérea é o AIM-132,pelo visto tentaram juntar tudo em um só.

Não achei os gauges de back up dele,então se der um problema elétrico,o piloto vai ter que navegar cego ?

Concordo com o Flanker agora,é um F-16 metido a besta.
 
F

Flanker

Guest
Reparem na ilustraçao acimam, apenas 2 AIM-120 no compartimento interno e mais um ou 2 nas asas

Eu ja li algumas criticas ao F-35, tao falando que ele não seria um bom interceptador.

Se comparado com o desempenho dos outros concorrentes é alegado que a velocidade maxima do modelo americano é significativamente menor que a dos outros aviões de combate.

O que se diz é que o F-35 poderia ser bom para superioridade aérea, mas para iniciar do zero uma interceptação,ele seria um pouco lerdo
Mesmo com a configuraçao limpa

E que não podemos deixar de ter caças com velocidade acima de 2000km/h carregados e bem armados como Inteceptadores.

A nossa Geografia não nos da essa regalia !
 

Usuários que estão vendo esse Tópico (Users: 0, Guests: 1)

Topo