Tell Me Why é um Life is Strange feito sob medida para o Xbox Game Pass

Novo projeto da Dontnod está disponível no PC e Xbox One; confira nossas impressões

A desenvolvedora francesa Dontnod é conhecida no mercado de jogos narrativos por duas características: fazer games com temas sociais delicados, como é o caso de Life is Strange 2, e lançar seus produtos de forma “parcelada”. A mais recente obra da produtora feita nesses moldes é Tell Me Why, projeto realizado em parceria com a Microsoft que chegou ao PC e Xbox One recentemente, inclusive na assinatura Xbox Game Pass.

A Xbox Brasil nos enviou o jogo com acesso antecipado e, durante nossos momentos iniciais com o game, já deu para perceber que a parceria entre Microsoft e Dontnod vai além da simples publicação do game e pode significar um futuro promissor para as produções focadas na narrativa. Confira abaixo nossas impressões de Tell Me Why.

Lançamento em episódios que funciona

Apresentado em novembro de 2019, Tell Me Why acompanha a história de dois gêmeos que passaram por um evento traumático na infância e, 10 anos depois, retornam para a casa onde tudo aconteceu, na cidade fictícia de Delos Crossing, interior do Alaska. O título é dividido em três partes e o primeiro episódio estreou em 27 de agosto. 

Diferente dos projetos anteriores da Dontnod, Tell Me Why não vai demorar meses para ter seu desfecho revelado: os dois próximos episódios tem lançamento marcado para 3 e 10 de setembro. Ou seja, o jogo da Dontnod foi propositalmente parcelado em duas semanas. O método de lançamento marca um grande avanço em relação ao jogo anterior da desenvolvedora francesa, Life is Strange 2. Com cinco episódios, a história dos irmãos Sean e Daniel Diaz demorou mais de um ano para ser completa. 

A Dontnod contou com apoio da Square Enix para fazer Life is Strange 2 e a divisão da história em capítulos ajudou na parte de desenvolvimento, já que deu mais tempo para polimentos e correções de bugs. Porém, a grande janela entre episódios acabou prejudicando a cadência da narrativa. É como maratonar uma série da Netflix, ficar ansioso pela temporada seguinte e só receber a continuação meses depois, quando o enredo já desapareceu de sua mente. 

O lançamento controlado de Tell Me Why contorna esse problema e ainda tira proveito de outra vantagem do lançamento episódico: as expectativas. Assim como nos jogos de Life is Strange, os capítulos acabam em momentos que geram antecipação pelo resto da história. Para quem é fã dos jogos da Dontnod, os sete dias não são uma espera longa e garantem tempo suficiente para jogar e debater os acontecimentos do episódio com outros jogadores.


Cena do primeiro episódio de Tell Me Why

- Continua após a publicidade -

O lançamento em parcelas também pode ser visto como uma estratégia da Microsoft de fisgar mais usuários para o Xbox Game Pass. Quem quiser acompanhar Tell Me Why enquanto os episódios estão saindo precisa manter a assinatura do serviço ativa por três semanas. Como o Game Pass funciona por mensalidade e o jogo não é tão longo, isso pode influenciar os novos assinantes a testarem outros títulos presentes no catálogo da plataforma.

Assim como Life is Strange, Tell Me Why é um jogo que consegue quebrar a "bolha gamer" e alcançar jogadores casuais ou que não possuem muita familiaridade com a mídia. Nesse sentido, o projeto pode ser uma isca funcional e também um teste que pode resultar em mais jogos episódicos feitos sob medida para a assinatura da Microsoft. O formato do game e seu lançamento segmentado combinam com o Game Pass e fazem ainda mais sentido quando vemos que o serviço chegará em breve para celulares Android, o que garantirá mais alcance para o jogo.

Life is Strange 3?

Além de mostrar evoluções no método de lançamento da Dontnod, Tell Me Why também vai agradar os fãs de longa data da desenvolvedora, já que é praticamente um Life is Strange 3. O jogo vai além da temática social e também conta com uma estrutura de gameplay e narrativa que lembram os títulos da empresa francesa feitos em parceria com a Square Enix.


O jogador incorpora os gêmeros Alyson e Tyler Ronan, que possuem uma ligação muito forte 

Sem entrar em muitos detalhes na história para evitar spoilers (e também porque ainda não posso falar de tudo que acontece), Tell Me Why gira em torno da relação de duas pessoas com uma forte ligação e com um "poder", que funciona como ferramenta de narrativa e também jogabilidade. Além disso, a história pega conceitos que deram certo nos primeiros dois Life is Strange e os aplica em um novo cenário de jogo.

Os protagonistas de Tell Me Why, Tyler e Alyson, possuem uma ligação fraternal muito forte, assim como Sean e Daniel de Life is Strange 2. A história também se escora na separação dos gêmeos, que foram afastados por uma tragédia e só agora conseguiram voltar a ter um contato próximo, tal qual Max e Chloe no primeiro Life is Strange.

Apesar de reciclar alguns pontos básicos de suas narrativas anteriores, a Dontnod consegue trazer frescor para o enredo de Tell Me Why. Além de contar com escolhas que influenciam na história, o dom dos gêmeos Ronan traz novas mecânicas interessantes para o gameplay. Boa parte da jogabilidade gira em torno das memórias dos protagonistas, que nem sempre estão certas e abrem portas para viradas na história. A desenvolvedora também adicionou pitadas de investigação na jogabilidade, o que combina com o clima de suspense e descobertas do jogo.


Tell Me Why se passa em Delos Crossing, cidade fictícia no Alaska, Estados Unidos

- Continua após a publicidade -

Por fim, a narrativa de Tell Me Why possui um clima mais "adulto" que os jogos de Life is Strange, visto que os personagens são mais velhos, mas vem embalada com flashbacks que garantem momentos de inocência para a narrativa. Com isso, o jogo possui um equilíbrio que não deixa a história tão pesada, mesmo com a abordagem de temas e situações delicadas. A empresa também não decepciona na abordagem da transexualidade e traz o tema de maneira aberta e sem sensacionalismo.

Bonito, mas curto

Na parte técnica, Tell me Why possui uma direção de arte que dá mais ênfase para os gráficos, o que garante ambientes e personagens com um visual mais realista que os projetos anteriores da série. Porém, a Dontnod não investiu tanto em certas texturas e algumas partes do cenário acabam mostrando discrepâncias na qualidade. Graças a isso, certos objetos ficam perceptivelmente mal renderizados mesmo com o jogo no Ultra.

Os três episódios de Tell Me Why também são consideravelmente curtos em relação aos outros jogos narrativos da Dontnod. Enquanto o jogo conta com coletáveis e o fator replay graças às escolhas, algumas mecânicas do gameplay chegam a ganhar pouco espaço em cada capítulo por causa da história concisa. 

Considerando que a Dontnod não é tão grande, possivelmente a companhia resolveu direcionar mais foco no visual e acabou diminuindo a narrativa e jogabilidade. Apesar da redução no tamanho, a história de Tell Me Why ainda consegue prender com seus mistérios e são poucos momentos que puxam o jogador para fora do game. Seguindo um histórico que vem desde o primeiro Life is Strange, o ponto que mais quebra a imersão são as expressões faciais e sincronia labial das falas, que ainda são pontos que precisam evoluir nos projetos da desenvolvedora francesa.

Vale a pena?

Tell Me Why é uma pedida certa para quem é fã da franquia Life is Strange e pode ser um bom jogo para quem curte histórias de mistério e com escolhas. A ênfase nos gráficos garante uma experiência visual interessante e que vem acompanhada de uma narrativa curta, mas que engaja o jogador com a ligação de seus protagonistas.

Após a chegada conturbada de Life is Strange 2, parece que a companhia francesa finalmente encontrou uma fórmula que tira proveito máximo do lançamento segmentado. A divisão de Tell Me Why em capítulos também combina com o Xbox Game Pass e, dependendo da recepção do jogo, pode ser apenas o primeiro passo para mais parcerias entre Microsoft e Dontnod.

Disponível no PC e Xbox One, Tell Me Why pode ser comprado por valores na casa dos R$ 170. Considerando o trabalho feito pela Dontnod, o jogo até vale o preço cheio, mas é possível explorar tudo que o título tem para oferecer usando um mês de Xbox Game Pass com tranquilidade. Logo, para quem não é usuário, é altamente recomendado pagar apenas R$ 1 no primeiro mês do serviço para conhecer a história dos gêmeos Ronan e, de quebra, ter acesso para mais de 100 outros jogos no catálogo da plataforma.

  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.