Impressões da DEMO DE RESIDENT EVIL 3 - Nemesis volta mais ameaçador do que nunca!

Uma generosa demonstração do próximo game da Capcom mostra o que podemos esperar
Por João Gabriel Nogueira 20/03/2020 14:36 | atualizado 20/03/2020 14:36 Comentários Reportar erro

A Capcom disponibilizou ontem uma generosa demonstração para o remake de Resident Evil 3, que será lançado para PC, PS4 e Xbox One no dia 3 de abril. A demo pode ser baixada gratuitamente nas três plataformas (pela Steam no PC) e tem pouco menos de uma hora de conteúdo, podendo ter mais que isso dependendo é claro do seu ritmo de jogo. Vou comentar nessa coluna sobre o que achei desse pedaço do game!

1 - O retorno de Valentine

Jill Valentine, além de ser badass até no nome, é um dos personagens mais icônicos de toda a franquia. Para muitos jogadores, incluindo o autor que vos fala, foi no papel de Jill que nos aventuramos pela primeira vez no universo de Resident Evil e ter seu retorno na maravilhosa RE Engine é incrível.

A qualidade dos gráficos e realismo das animações trazem uma nova camada de profundidade à sua forte personalidade, mas não foi só uma repaginada no visual que a moça preparou para seu retorno. Jill agora é capaz do "dibre", ou "finta", como o jogo traduz.  E essa habilidade vai ser muito importante nos combates com Nemesis, como vou explicar depois.

Além disso não há tanta diferença em relação ao RE 2 no gameplay com Jill, então quem jogou o remake anterior vai se sentir em casa. Uma outra diferença que acontece nos equipamentos, e não nas habilidades, é que a faca não poderá ser mais usada para escapar do agarrão dos zumbis, mas em compensação ela não "gasta" mais. Então se prepare pra ficar cutucando vários defuntos no chão.

2 - Nemesis faz justiça ao nome

- Continua após a publicidade -

Apesar da saudade que eu sei que muitos jogadores tinham da Jill, o primeiro crush de muita gente, é o Nemesis que saiu mais na vantagem com as novas tecnologias do remake. O monstro não está mais preso a lutas que podem ser facilmente evitadas escolhendo uma opção na tela e também não é apenas um Mr. X com queimaduras de terceiro grau. O nosso arqui-rival vem com várias habilidades novas que vão infernizar muito mais a vida da heroína.

Esse foi um dos aspectos que mais gostei da demo porque todo bom remake é aquele que consegue entender as intenções dos criadores da versão original que foram limitadas na época pela tecnologia, e trazê-las de maneira melhor realizada com as técnicas atuais. Resident Evil 3 não levava Nemesis no nome à toa, e muito menos o monstro recebe esse nome pra nada. A ideia era trazer mesmo essa sensação de rivalidade, de um inimigo constante, implacável e ameaçador. O novo Nemesis consegue isso não apenas com seus novos truques, mas também não sendo mais uma luta opcional. Se você quiser fugir dele, tem que ser na marra.

3 - Ação com terror

Algo importante que a demo deixa claro é que Resident Evil 3 é um jogo de ação com terror, não o contrário. O suspense está todo ali e é bom estar preparado para uns bons sustos, mas este é um jogo de ação com certeza. O "dibre" da Jill é o melhor símbolo dessa diferença em relação ao game anterior. A finta não se mostra apenas útil, mas indispensável para enfrentar Nemesis e seu progresso no jogo vai depender de dominá-la. 

Um jogo mais focado em ação também vai significar mais tudo. Mais monstros e mais munição para lidar com eles. Isso pode não ser a experiência preferida de muitos jogadores, mas vale ressaltar que não é coisa só do remake. O game original no PSOne também já focava muito mais na ação do que seus antecessores, dando uma sensação de corrida contra o tempo que era até refletida no título original - Biohazard 3: Last Escape.

4 - Explorando uma demo bem completa

A demo de Resident Evil 3 realmente foi muito bem feita. Além de servir para sentir o ritmo da ação do jogo e mostrar as mudanças que fizeram em Jill e Nemesis, o pequeno pedaço do mapa que temos é até que generoso e tem bastante coisa pra explorar. Procurar itens e segredos é um dos temas centrais pra todo Resident Evil e dá pra perder um tempo bom fazendo isso nessa demo. Tem até um cofre pra descobrir o segredo e abrir e itens colecionáveis!

- Continua após a publicidade -

5 - De olho no balanceamento

Essa demo certamente serviu pra me empolgar mais com o jogo do que todos os trailers anteriores, mas também levantou preocupações - afinal, nada é perfeito.

Meus primeiros dois encontros com Nemesis foram um tanto humilhantes, só que depois eu peguei a "manha" da finta e virou um olé atrás do outro. Não dá pra dizer que o jogo chega a ficar fácil, é preciso ficar atento pra não errar o timing e às vezes tem mais monstros no cenário pra atrapalhar, mas é fácil imaginar que quanto mais horas jogadas, melhor no drible fica o jogador.

Então espero que em suas icônicas evoluções o Nemesis ganhe novas habilidades que ajudem a contornar isso. Talvez um golpe lento que não dê pra desviar e você tem que atirar no ponto fraco dele pra impedir em vez disso, ou coisas do tipo. A quantidade da presença do monstro também tem que ter sido muito bem planejada, porque se tiver pouco fica sem graça, e se tiver muito fica chato. A experiência final do game está nas mãos do nosso principal inimigo.

  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

É melhor ter o xCloud capado no iOS ou ficar sem o serviço nos iPhones?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.