5 coisas da franquia Arkham que quero ver em Batman: Arkham Knight e 5 coisas que é melhor ficarem de fora

Quem acompanha o site sabe como sou fã da franquia Arkham do Batman e como o lançamento que mais estou aguardando no ano está se aproximando! Mas nem por isso eu considero os jogos completamente perfeitos. Existem elementos de que gosto muito em cada título e outros, nem tanto. Aqui vai uma lista separando 5 de cada em relação à minhas expectativas com Batman: Arkham Knight.

5 coisas da franquia que QUERO de volta em Batman: Arkham Knight

1 - Bat-garra tripla

Lembra da bat-garra tripla? Esse gadget apareceu, infelizmente, apenas no primeiro game, o Batman: Arkham Asylum e se tornou na hora um dos meus preferidos! A possibilidade de puxar três inimigos ou desarmá-los de uma vez, ou mesmo arrancar aquelas malditas grades de dutos de ventilação bem mais rápido, eu adorava tudo nesse "brinquedo". Acho pouco provável, mas bem que eu gostaria de vê-lo voltar em Arkham Knight.

2 - Mortes relevantes

"Ah, mas que macabro!" Não, não sou nenhum sanguinário. Mas as mortes de personagens sempre são um problema em histórias de heróis. Em grande parte porque as grandes editoras nunca querem matar seus personagens principais para usá-los eternamente em novas histórias, mas isso acaba causando uma falta de profundidade. Parece que as coisas "não andam". E quando alguém morre, logo ressuscita.

 

- Continua após a publicidade -

A Rocksteady foi ousada o suficiente para matar alguns personagens ao longo da franquia e essas mortes foram impactantes e indispensáveis para a história. Uma conclusão épica para a história não só pede, mas exige um acontecimento tão determinante e irreversível como a morte de algum personagem para marcar profundamente Arkham Knight na memória e no coração de seus jogadores. 

3 - Charadas

Além dos pequenos troféus do Charada distribuídos por aí, que muitas vezes pedem a solução de um pequeno quebra-cabeça para sua obtenção, os dois primeiros Arkham contavam também com charadas oficiais. Pequenas dicas que exigiam do jogador encontrar o cenário do qual elas estavam falando e apertar o botão no ângulo certo, para mostrar que as resolveu. Elas adicionam um colecionável muito interessante ao game, que não depende apenas de andar pra lá e pra cá, mas de pensar também, além de serem muito imersivas, afinal, o que é o Charada sem fazer charadas?

Esses enigmas não estavam no primo feio Arkham Origins e espero que a Rocksteady não siga o exemplo e os abandone para o terceiro game do Batman de sua autoria. 

4 - Investigações melhores

Vamos deixar algo bem claro: não acho Arkham Origins um game ruim. O título só está muito aquém dos outros Arkham, desenvolvidos pela sua criadora original, a Rocksteady. Mas nem podemos culpar a Warner Montréal, desenvolvedora de Origins, porque o jogo "caiu no colo" dela como exigência da produtora e o estúdio nitidamente fez o melhor que pôde no tempo que tinha.

- Continua após a publicidade -

Até por isso, o jogo tem seus méritos e um deles é o cuidado maior com as investigações. Em Arkham Origins, o jogador precisa analisar as cenas do crime como em nenhum game da franquia e eu acharia ótimo que a Rocksteady seguisse a dica e incorporasse isso em Arkham Knight. Mas de maneira ainda mais interessante e profunda, exigindo realmente um raciocínio do jogador para encarnar "o melhor detetive do mundo". 

5 - Mr. Freeze

Victor Fries é um dos personagens que mais gosto dentro do universo de Batman e achei excelente a participação dele em Arkham City. Até o momento não vimos nada sobre uma possível aparição do Sr. Frio no terceiro título da franquia, mas a desenvolvedora já informou que ainda não revelou todos os vilões que estarão presentes no game.

Por isso, espero que Mr. Freeze ainda dê as caras no título. De preferência seguindo o estilo do personagem, de fora da trama maluca do Espantalho, mas de certa forma envolvido com a história. Seria muito bom ver sua "versão oitava geração" no game. 

5 coisas da franquia que NÃO QUERO de volta em Batman: Arkham Knight

1 -  As luvas de choque

As luvas de choque foram introduzidas em Arkham Origins e dão ao Batman uma vantagem um tanto quanto "desleal" nas lutas. Elas são carregadas na base da porrada e, uma vez ativadas, permitem bater em qualquer inimigo, sem os cuidados necessários para as suas variantes.

O problema com as luvas de choque e o motivo de eu achar que elas não precisam voltar é que elas tiram o desafio tático de prestar atenção em quem você vai bater durante o combate. Sem elas, o Batman não pode avançar normalmente em um bandido usando escudo e esse tipo de variação valoriza ainda mais a experiência das lutas na franquia Arkham. É por isso que esse gadget, pra mim, não é bem-vindo em Arkham Knight. 

2 -  Plantas mágicas

A Hera Venenosa passou um tempo na estufa desde sua participação em Arkham Asylum, mas agora vai colocar as folhinhas de fora e fazer um retorno no novo game da franquia. Considero isso excelente, mas espero que ela venha sem aqueles brotos enormes de flor que lançam esporos teleguiados contra o jogador.

Eles não fazem o menor sentido, são contra-imersivos e, no geral, um incômodo irritante. Às vezes você nem repara que tem essas flores no cenário em que acabou de entrar e já começa a ser bombardeado pelos famigerados esporos. Fiquei feliz de não encontrá-los em Arkham City e espero continuar assim. 

3 -  Missões desinteressantes

Como todo jogo em mundo aberto, o Batman sofre com algumas missões extras que não são muito legais, um tanto quanto desprovidas de história e que só estão ali para acrescentar algumas horas de jogo. Isso é especialmente visível em Arkham Origins, principalmente na hora de recolher os fugitivos da prisão Blackgate.

A missão só é liberada no final do jogo, quando o personagem já está completamente "overpowered" e o jogador já cansou de fazer pudim dos bandidos, e pede para que você viaje pela cidade recolhendo os fugitivos. Não há desafio nenhum em encontrá-los, nem em abatê-los, além de não acrescentar nada à história. Simplesmente dispensável. 

4 - Treinamento RA

Acrescentado em Arkham City e repetido em Origins, o treinamento de realidade aumentada (Treinamento RA) é uma espécie de missão extra que propõe trajetos para o jogador conseguir provar sua proeza planando, realizando mergulhos ou até usando o arpéu.

Esses "treinamentos" muitas vezes liberam upgrades, mas, sinceramente, por que raios o Batman está treinando a essa altura do campeonato? O que ele quer provar pra quem? Ele precisa mostrar pro Alfred que sabe planar bem antes de receber seu arpéu avançado? É sem graça e contra-imersivo. Poderia, talvez, ser substituído por trajetos de desafio, fora da campanha... Mas no meio do jogo é um tédio. 

5 - O Coringa 

O Yin para o Yang, o anti-Batman, o eterno nêmesis. O Coringa é, indiscutivelmente o vilão perfeito para o Batman. Resumindo, eles foram feitos um para o outro. Ele sempre leva o herói ao seu limite, principalmente o psicológico, testando sua paciência e sua capacidade de não matar. E a Rocksteady soube explorar o personagem e seu relacionamento com o Homem-Morcego com elegância e maestria.

AVISO: SPOILERS A SEGUIR

Soube. Acabou. A participação do Coringa na franquia já é inesquecível e mesmo sem estar presente em Arkham Knight, sua influência é determinante para costurar a história dos três games. Por isso eu acho que o terceiro título só tem a ganhar sem um retorno bizarro e mal explicado do palhaço príncipe do crime.

O Coringa morreu e mesmo em sua morte ele vai ser uma influência e, de certa forma, um tormento para o Homem-Morcego. Já vimos o estrago que o vilão consegue vivo, estou ansioso para ver o que ele consegue morto. Sem falar que agora é a chance de fazer os outros vilões da coleção mais incrível que um herói já teve brilharem também. Rocksteady, por favor, não me decepcione!

Tags
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

A Activision acertou ao colocar músicas do Charlie Brown Jr. no Tony Hawk's 1+2

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.