PC Gamer barato parte 2: Pentium vs Athlon, e GTX 750 vs R7 260X

Mês passado, o Subzero mandou esta coluna com sugestões para montar (ou fazer um upgrade em) seu PC para jogos, tudo abaixo dos R$ 1.000,00, mostrando pro pessoal que o papo de que é preciso "caminhões de dinheiro" para jogar em computadores é balela. O pessoal do PCPer fez esta semana uma série de benchmarks que vão ser muito interessantes para quem estÁ de olho neste segmento do "PC pra jogar que não arromba a carteira".

 Foto: PCPer 

A premissa dos benchmarks é a seguinte: um computador na casa dos 400 dólares (próximo do preço do Xbox One) com capacidade de encarar games em FullHD e mantendo uma média de quadros por segundo acima do 30. Com o sistema operacional, uma fonte de 430W, um HD de 1TB e 4GB de RAM, lÁ se foram US$ 239. O gabinete não entra na conta deles.

A segunda parte é que é a mais interessante: testaram plataformas Athlon, incluindo a nova AM1 com o G5350, FM2+ e também o H81 com o Pentium G3220. Nas placas de vídeo, as escolhidas foram os modelos GTX 750 e 750Ti, da Nvidia, e a R7 250 e 260X, da AMD.

Nós jÁ "brincamos" de jogar com a plataforma AM1 com placas de entrada, e também grÁficos integrados, como vocês podem ver nestes vídeos abaixo:


Componentes usados. Foto: PCPer 

- Continua após a publicidade -

No final das contas, a melhor relação performance por dólar ficou com a R7 260X seguida de perto pela GTX 750, em ambos os modelos com o processador Pentium G3220.


Se fizermos o cÁlculo do preço disto no Brasil, ficaria mais ou menos assim (fazendo uma busca bem por cima com o Buscapé):

Fonte (R$ 170) + memórias RAM (R$ 150) + HD 1TB (R$ 230) = R$ 550
Placa-mãe H81 (R$ 250) + Pentium G3220 (R$ 177) =  R$ 427
Nvidia GTX 750 ou AMD R7 260X (R$ 450)

Total = R$ 1.427

Sempre bom lembrar que ainda falta alguma coisas, se vocês estÁ começando um PC do zero, como o sistema operacional, tela, periféricos...

Minha conclusão sobre tudo: nenhum dos computadores é bom. Todos tem quedas de frames chegando abaixo dos 30fps, e estão rodando em FullHD, mas com tudo no LOW, o que não vai impressionar ninguém. Bem provÁvel que rodar em HD com configurações no intermediÁrio trouxesse grÁficos melhores e mais frames.

- Continua após a publicidade -

Com isto em mente, se fosse para escolher um destes sistemas, pensaria no seguinte: upgrades futuros. Placas de vídeo não tem mistério: os slots PCIExpress estão entre as tecnologias mais estÁveis, então não hÁ dificuldade nenhuma em trocar a GPU no futuro. O que complica são os processadores e placas-mãe, que trocam com maior frequência de formato.

O Atlhon 5350, neste critério, fica de fora de cara, pois ele jÁ é o topo de linha desta plataforma e não tem mais para onde ir. Logo, sobram os modelos baseados em FM2+ (Atlhon X2 e X4) e H81 (Pentium G3220). Ambos são bem mais interessante, jÁ que o FM2+ pode receber todas as APUs Kaveri e o H81 conseguirÁ lidar com qualquer outra CPU da quarta geração Core. E com certeza um A10 ou um Core i5 conseguirão melhorar muito estes computadores no futuro, pois sabemos que a GTX 750Ti, por exemplo, consegue bem mais do que apareceu nestes benchmarks, com um processador mais apropriado.

 

Fonte: PCPer

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Quem estava pior no primeiro vídeo?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.