Symbian, nos encontramos novamente

JÁ fazia um tempo que eu não cruzava com o sistema Symbian. Quando larguei o meu N95, nos idos de 2010, me despedi do sistema com ares de "tchau e até nunca mais". Na época, o sistema da Nokia começava a entrar em decadência, perdendo espaço rapidamente para o iOS e o Android, e a própria empresa finlandesa jÁ não insistia muito na plataforma e apostava suas fichas no MeeGo (isto deu "tão certo" que a empresa foi parar no nosso Top 10: Maiores fails tecnológicos).


Estamos falando do Symbian, e a culpa é toda sua Pureview 808

Agora, dois anos depois, cai em minhas mãos o Nokia Pureview 808, para fazer a anÁlise aqui para o Adrenaline. Além da chance de conferir a excepcional câmera de 41MP, também ganhei a oportunidade de ver a quantas anda o Symbiam. O sistema, escrachado por usuÁrios de Android e iOS (quando não é ignorado completamente) continou recebendo atualizações e melhorias, afinal, a Nokia prometeu updates até 2016. Nos comentÁrios de diversas notícias, publicadas aqui no Adrenaline, ainda vemos defensores do sistema (geralmente felizes donos de N8s). Afinal, dÁ pra encarar o sistema ainda hoje?


O sistema ganhou uma bom tapa no visual, com vÁrias semelhanças com o Android


Minha primeira impressão ao pegar o Symbian Belle é que, realmente, o sistema evoluiu muito (lembre que o último que utilizei estava equipado com Symbian S60 3rd edition, lÁ de 2006). Muito da interface agregou elementos que usuÁrios de Android estão acostumados, como widgets, uma status bar com botões para ativar e desativar recursos e seis "home screens". O sistema também tem suas características próprias, como multitarefa (que funciona muito bem, por sinal) aberto pressionando o botão do meio por alguns segundos, e um botão "slide" para destravar a tela, na lateral.


O multitarefa, widgets de e-mail e o relógio feioso que aparece quando o smartphone estÁ travado

- Continua após a publicidade -

Minha experiência com o sistema foi com um aparelho de boas especificações, o caso do Pureview 808, com 1.3GHz de processador e 512MB de RAM, e o sistema funcionou de forma Ágil, realizando o multitarefa de forma eficiente e dinâmica. O problema aqui é outro: os programas rodam bem, mas a maioria deles estão desatualizados, no comparativo com suas versões para Android e iOS, e outros possuem muito menos funcionalidades em sua versão Symbian (resultado da defasagem).

Um exemplo é o Facebook, que nem aplicativo oficial para Symbian tem. O Nokia Social resolve parte do problemas, mas entrega uma interface que parece ter sido desenhada hÁ dois anos, com ausências importantes como o recursos grupos, ou mesmo o menu à esquerda, implementado hÁ um bom tempo na rede social. Tudo estÁ perdido? Nem tanto, instalando o aplicativo gratuito Facebook Touch Free até que deu para dar uma resolvida na questão, mas com o porém dele não possuir muita integração com o próprio sistema, e também de que não é para todo serviço que encontramos soluções de terceiros.


A interface do Facebook no Nokia Social, o widget e o aplicativo alternativo

A cooperação com a Microsoft não trouxe frutos apenas na família Lumia. Um dos resultados interessantes da parceria são aplicativos como o Lync e o Office Mobile, que ganharam versão para o Symbian. Os aplicativos funcionam muito bem, e dão um "gÁs" na capacidade do aparelho em funcionar como instrumento de produtividade. Apesar destas adições, é visível o "sucateamento" do SO. Com muitos serviços importantes ausentes (cadê Evernote, por exemplo?), ou com funcionalidades desatualizadas. Ele consegue fazer as ações bÁsicas que esperamos em um smartphone, como acompanhar e-mails, redes sociais, navegar na internet e alguns aplicativos mas, em todas estas funções, usuÁrios de outros sistemas são capazes de reconhecer a falta de recursos avançados, sendo possível apenas "fazer o bÁsico". Para navegar confortavelmente na internet, por exemplo, a tela tem uma resolução muito baixa.


Estando bem barato dÁ pra ir. Mas bem barato mesmo, jÁ que tem Android quase que por "Déreal".

Respondendo a pergunta do começo: dÁ pra encarar o Symbian? DÁ. O sistema, em sua versão Belle, consegue entregar as funcionalidades bÁsicas, e no Pureview funcionou de forma fluída, mas é evidente que jÁ "falta fôlego" ao sistema, com poucas novidades e aplicativos. Os desenvolvedores jÁ viram a plataforma em chamas, e estão abandonando o barco. Além do mais, fica difícil ser feliz em um sistema operando em 360 x 640 de resolução de tela.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

Qual vai ser o melhor lançamento de game em julho de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.