Apple Maps: o calcanhar de aquiles do iOS 6

Passado o primeiro dia pós disponibilização do iOS 6 pela Apple para seus usuÁrios, começam a pipocar na internet as primeiras impressões dos usuÁrios, jornalistas especializados e experts em geral (nessa hora todo mundo é expert). Entre críticas e elogios, o que salta aos olhos, em um primeiro momento, sem dúvida, é o novo serviço de mapas da Apple.

Desde que a Apple anunciou que abandonaria o Google Maps, meses atrÁs, a expectativa - e medo - por parte dos usuÁrios da maçã era grande. Como a Apple conseguiria em alguns meses substituir um serviço consagrado e que, apesar de alguns defeitos, é o principal serviço do gênero para dispositivos móveis disponível no mercado? A estratégia de abandonar os produtos e aplicativos da concorrência é justificÁvel, porém estratégia e timing a parte, os usuÁrios nunca deveriam ser sacrificados no processo, mas... agora não tem volta, o iOS 6 jÁ estÁ aí e o novo Apple Maps foi jogado aos leões.


O design do aplicativo segue o padrão Apple de qualidade. Cada detalhe impecÁvel

Navegando pelo aplicativo, à primeira vista, a interface e o design do app são bem bacanas. Traz a assinatura Apple, com um estilo bem minimalista e de fÁcil navegação pelas funções do aplicativo. Os mapas tendem a ser precisos e com ótima cobertura, afinal, a TomTom, parceira da Apple no serviço é, junto com a Garmin, um dos dois principais players do segmento, com mapas auditados e bastante completos ao redor do Mundo, incluindo aí o Brasil. Lembrando que a Apple não é a primeira empresa a optar pelos mapas da TomTom. A Nike também utiliza mapas da TomTom em seu Nike+ Sportwatch GPS: relógio GPS da empresa.


Rotas alternativas e opções de trânsito (ainda indisponível no Brasil). Mapas da TomTom

Infelizmente, para a Apple e seus usuÁrios, o que poderia ser um trunfo na teoria, começou mal para nós brasileiros que estamos em um dos últimos países lembrados pela Apple - desde sempre. Como jÁ anunciado e agora comprovado, vÁrias features interessantes e presentes no Google Maps não estarão presentes em um primeiro momento no Apple Maps. Navegação ponto a ponto? Esquece. TrÁfego em tempo real? Sonha! Serviço similar ao street view? No futuro, quem sabe. Comandos por voz? Sem Siri na língua portuguesa, sem comandos por voz. Visualização 3D e flyover? Funcionalidades muito bacanas e que darão impulso ao Apple Maps, mas que por enquanto só funcionam nos Estados Unidos.


Bela qualidade em 3D. Em destaque a Pyramid Transamerica, em San Francisco e o Empire State, em New York

A situação complicou de vez na hora do teste prÁtico. Testando o Apple Maps, verificamos que diversos pontos de interesse e estabelecimentos parecem não estar posicionados no mapa de forma correta, ao menos aqui em Florianópolis. Falta mostrar Shoppings no mapa, restaurantes estão tagueados na posição errada, diversos estabelecimentos faltando, alguns duplicados (endereço antigo e novo)... Enfim, em uma rÁpida olhada deu para perceber todos esses problemas, o que leva o usuÁrio a uma inevitÁvel comparação com o Google Maps - um serviço maduro e completo que faz muita falta no iOS 6, ao menos por enquanto.

- Continua após a publicidade -


O Apple Maps ignora um Shopping e possui vÁrios estabelecimentos mal posicionados no mapa. O Google Maps é mais preciso.

O grande problema de ter pontos mal posicionados é que eles te guiarão ao destino errado. Nesse caso, é preferível não ter certos pontos a tê-los fora de posição. No caso do Apple Maps, pelo que pude averiguar, os pontos de interesse estão com endereço correto, mas posicionados erroneamente no mapa, o que é ainda mais curioso.

Assuntos
Tags
  • Redator: Jacson Boeing

    Jacson Boeing

    Apaixonado por tecnologia, gadgets e pelo universo geek em geral, Jacson Boeing é sócio-fundador e Editor do Adrenaline, onde desenvolve um trabalho de bastidores, desenvolvendo parcerias e formas criativas de dominar o universo! Fora os sonhos ambiciosos, também ajuda no desenvolvimento de pautas e escreve esporadicamente sobre tecnologia, além de viajar para cobrir in-loco alguns eventos internacionais considerados importantes dentro da estratégia de expansão do Adrenaline.

Deve ter lançamentos como leve melhorias na mesma arquitetura

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.