À meia-noite... os games amaldiçoam você!

Apague as luzes, feche as portas e as janelas e segure-se para não virar para trÁs. Você pode estar sendo observado! É hora de ver que aqueles jogos da Nintendo cheios de cores e personagens fofos nem sempre são tão bonitinhos assim.



Existe uma história sobre um dos títulos da franquia "Pokémon" para o GameBoy clÁssico. Quem foi viciado no jogo deve se lembrar de Lavender Town das versões Red/Blue, a cidade onde você encontra os pokémons fantasmas. Esse cenÁrio tem uma musiquinha inesquecível, capaz de martelar nos nossos ouvidos por horas e horas...

Pois saiba que essa música continha, em algumas versões japonesas do cartucho, frequências inaudíveis para os adultos, mas que induziam comportamentos estranhos em certa crianças, levando vÁrias delas a cometer suicídio na década de 90.


Sinistro? Bastante. Mas é essa mesmo a intenção. Histórias como essa e outras que vamos contar aqui fazem parte da cultura da Internet e são conhecidas como "Creepypastas". De acordo com o Creepypasta Wiki, são "histórias curtas postadas na Internet criadas para amedrontar e chocar o leitor". Ou seja, são obras de ficção, fruto da criatividade da galera conectada. O mais interessante delas é que, muitas vezes, surgem do nada em fóruns, o que aumenta a sensação de veracidade do conto. É sério, antes de serem desvendadas, muita gente chega a acreditar em algumas delas!

É o caso da história de "Pokémon Terror Black", um cartucho hackeado da versão Red. Acompanhe:


Em setembro de 2010, outra história mexeu com os pesadelos de muita gente: a do cartucho amaldiçoado de "The Legend of Zelda: Majora's Mask", do Nintendo 64. Um usuÁrio conhecido como Jadusable havia supostamente comprado o jogo de um senhor idoso que vendia toda sorte de quinquilharias. O que Jadusable não esperava é que Ben, um menino morto, havia deixado uma mensagem no decorrer do jogo.

Para provar isso, o usuÁrio postou uma série de vídeos mostrando acontecimentos muito estranhos no jogo.

A estÁtua que aparece não deveria aparecer nessa parte do jogo, muito menos seguindo-o.
"That won't do any good" – Isso não vai fazer bem.
"You've met with a terrible fate, haven't you?" – Você encontrou um destino terrível, não?
Depois disso, Matt desligou o jogo e, assustado, tentou dormir.




Como se essa lua medonha prestes a cair em cima da gente o tempo todo não deixasse o game sinistro o suficiente...


Quem diria que até o fofíssimo Mario poderia ter seu lado obscuro?  Um cartucho de "Super Mario 64", também para Nintendo 64, adquirido pela Internet parecia trazer uma premonição horrível sobre seu comprador.

Voltei para o castelo. Mario, caiu fora da pintura. A imagem mudou de Lethal Lava Land à imagem de Luigi enforcado. A sala era diferente desta vez. Era agora um pequeno corredor. Toads com caras inexpressivas e túnica branca alinhados no corredor. Havia outra pintura na extremidade oposta que me deixou completamente assustado. Era uma foto da minha família. Não era uma foto do tempo que Super Mario 64 foi lançado. Era uma foto muito, muito recente.



- Continua após a publicidade -


Ficou curioso? As histórias completas você encontra nos links abaixo. E muitas outras histórias você encontra na Wikia das Creepypastas (em inglês). Mas tome cuidado com o lugar onde você costuma comprar seus jogos de segunda-mão. Nunca se sabe quando um inofensivo personagem fofinho pode decidir amaldiçoar você.

http://www.nerdeando.com.br/nerdear/games/creepypasta-nerdeando-o-cartucho-assombrado/

http://zeldawars.com/2012/05/03/creepypasta-2-super-mario-64-o-cartucho-maldito/
http://tecnotradubr.blogspot.com.br/2011/12/o-sindrome-de-lavender-town-pokemon.html

Assuntos
Tags
  • Redator: Risa Lemos Stoider

    Risa Lemos Stoider

    Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e gamemaníaca desde os 4 anos de idade. Já experimentou consoles de várias gerações e atualmente mantém uma ainda modesta coleção. Aliando a prática jornalística com a paixão pela tecnologia e os games, colabora com a Adrenaline publicando notícias e artigos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.