Sonhos e pesadelos gamers nas telonas

Quadros, frames e outras nerdices

César Massaki Teshima Soto

Assistindo agora ao antigo Top 10 que fizemos sobre os melhores jogos baseados em filmes (na verdade, EU não fiz, porque não trabalhava aqui ainda. E podem ter certeza, se eu tivesse aqui, JAMAIS aconteceria a HERESIA do jogo de "True Lies" não ter entrado na lista), tive a ideia de inaugurar esse espaço falando um pouco sobre o inverso, ou seja, sobre os filmes baseados em games. Não vou me limitar a discutir quais são exatamente os melhores ou piores, afinal, este não é um Top 10 (jÁ que o próximo teoricamente serÁ "Os maiores fails do mundo da tecnologia", acho que um dos itens deveria ser "o tempo exageradamente ridículo que leva para fazermos um Top 10". Baita fail), mas tentar dar um panorama mais geral sobre o gênero.

E dizer que um filme com esse elenco ia ser TÃO ruim... Dennis Hopper como lagarto? Faz sentido

A verdade é que adaptações de games para as telonas não têm uma fama muito boa. Afinal, como confiar nos executivos de Hollywood se eles nos proporcionaram coisas como Super Mario Bros. (1993) e Alone in the Dark (2005)? (Tudo bem, eu sei que apelei com Alone in the Dark. QUALQUER COISA feita pelo Uwe Boll não deveria nem ser mencionada, mas eu tinha que dar o exemplo. Provavelmente um dia farei um post só sobre esse alemão maluco e suas estripulias, como a vez em que ele desafiou seus críticos a uma luta de boxe que REALMENTE ACONTECEU)

Uwe Boll não merece seu respeito, mas arranca de você na porrada

Adaptar um game para um longa metragem não é simples. Primeiro porque deve se escolher uma história que mereça e possa ser contada em duas horas, fazendo sentido e que entretenha. Segundo porque o filme não mantém a interatividade do produto original, responsÁvel pela maior parte de seu sucesso. Finalmente, porque uma produção deve agradar tanto aqueles gamers ferrenhos quanto ao público casual, que nunca teve um Super Nintendo na vida - afinal, é bem caro fazer um filme, por isso é importante atingir o maior público possível para garantir o retorno financeiro (SPOILER: eles estão nessa pra ganhar dinheiro. Arte não tem nada a ver com isso).

Sabe o que agrada a todo mundo? Milla Jovovich. E Ali Larter. Matando zumbis. Molhadas

Estúdios se arriscam em adaptações por acreditarem que franquias jÁ estabelecidas, com uma base de fãs jÁ formada, é uma aposta mais segura, e por isso muitas vezes botam os pés pelas mãos. Além daqueles exemplos anteriores, mais recentemente tivemos pérolas como Max Payne (2008), Street Fighter: a Lenda de Chun-Li (2009) e Prince of Persia (2010), isso sem falar na qualidade discutível dos dois Tomb Raider e da franquia Resident Evil que, apesar de terem obtido certo sucesso comercial, causaram revolta naqueles que curtem os games.

Shang Tsung quer a sua alma

Mesmo assim, devemos nos manter confiantes. As adaptações são algo inevitÁvel nos mundos atuais, e ficar reclamando não adianta de nada. O jeito é fechar os olhos e entregar na mão de Deus. Levar um game pro cinema é algo mais difícil do que o caminho contrÁrio, mas às vezes encontramos algo aproveitÁvel. Mortal Kombat (1995) foi um sucesso relativo de crítica e devemos admitir que, apesar de não fazer muito sentido, é um filme bem divertido (eu ouvi alguém dizer "soco no saco do Goro"?). Algumas vezes, damos ainda mais sorte e nos deparamos com algo que é tão ruim que fica muito bom, como Street Fighter (1994). Ou alguém aí tem coragem pra dizer que um filme com Raúl Julia como Bison é bom/ruim?

Bison E Gomez. Fale alguma coisa, Raúl Julia te desafia

Mas essa é só minha opinião de estagiÁrio. Pra vocês, quais as melhores e piores versões pras telonas de games? Que comece a discussão nos comentÁrios! FIGHT!

Assuntos
Tags
  • Redator: César Massaki Teshima Soto

    César Massaki Teshima Soto

    Graduando de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou um Mega Drive aos 5 anos, mas nunca conseguiu fazer final em Sonic 2. Navegava pelas salas de bate papo nos tempos da internet discada e até hoje procura o disquete perdido com seu jogo salvo do América-MG no Elifoot 98.

O que você prefere?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.