Créditos: Divulgação/Zenimax Online
- Publicidade -

Jogamos High Isle, novo capítulo de The Elder Scrolls Online

O MMO nos leva a um local inédito da franquia, repleto de intrigas políticas, traições e novos conteúdos

O destino de Tamriel está novamente em jogo: com o trono Imperial vazio, três grandes facções lutam entre si no que ficou conhecida como a Three Banners War. O conflito parece longe de estar resolvido, causando grandes instabilidade política e econômica até mesmo para lugares distantes do palco central da guerra, como High Isle.

Nesse local conhecido por sua história e posição estratégica, o poderoso Lorde Bacaro Valorus usa de sua influência para organizar uma grande conferência secreta que tem como objetivo colocar um fim no impasse. No entanto, forças que operam nas sombras e têm interesses próprios trabalham não somente para que isso não aconteça, mas para que haja um aprofundamento dos conflitos.

É esse o cenário que encontramos ao dar os primeiros passos em High Isle, novo capítulo do MMO The Elder Scrolls Online da Bethesda. A convite da desenvolvedora, tivemos a oportunidade de conferir uma apresentação comandada pelo diretor criativo Rich Lambert e testar por conta própria as primeiras horas da expansão em um ambiente de testes.

High Isle traz um novo capítulo para Elder Scrolls Online

Além de representar a primeira vez que os jogadores de qualquer Elder Scrolls têm a oportunidade de visitar High Isle e seus territórios, o novo capítulo do jogo também marca uma nova fase do processo de desenvolvimento do MMO. Assim como outras empresas acostumadas a trabalhar em escritórios, a Zenimax Online fez nos últimos anos a transição para o Home Office com a chegada da pandemia do COVID-19.

The Elder Scrolls Online já possui centenas de milhares de missões

Segundo Lambert, a adaptação necessária se mostrou um pouco complicada em um primeiro momento, mas a equipe responsável pelo título já conseguiu reestabelecer seu ritmo de trabalho e rotinas de produção. Com isso, ele está confiante de que não somente o estúdio está conseguindo manter o ritmo de atualizações, mas também a alta qualidade deles — que já atraiu quase 21 milhões de jogadores ao redor do mundo.

O novo capítulo surge em um momento no qual The Elder Scrolls Online já possui centenas de milhares de missões, diversas linhas narrativas e modos para todo tipo de jogador. Assim, é refrescante ver que, dessa vez, a Zenimax Online decidiu trazer uma história mais focada na realidade e que consegue desenvolver conflitos políticos de maneira convincente.

Quando chegamos a High Isle, a grande conferência organizada por Lorde Bacaro está prestes a começar, mas já dá indícios de que não vai acontecer exatamente da maneira prevista. É um tanto estranho que, como um estranho nessa terra, você logo consiga a confiança das lideranças locais, mas logo esquecemos disso ao perceber o quanto a narrativa criada pelo estúdio consegue ser inteligente.

- Continua após a publicidade -

não há exatamente uma distinção muito clara entre o que é “o bem ou o mal”

Aqui, ao menos a princípio, não há exatamente uma distinção muito clara entre o que é “o bem ou o mal”. Enquanto a Ascendant Order — adversário que será encontrado de forma frequente — é sem dúvida quem está do “lado errado” da história, suas motivações não são exatamente incompreensíveis. Seus membros sem dúvida agem de maneira egoísta e querem lucrar com a continuidade da guerra, mas é possível compreender porque alguém acabaria concordando com eles.

No entanto, o mais interessante não é exatamente a caracterização dos adversários, mas sim a sensação de desconfiança que eles trazem para a história. Sabendo que todos os seus aliados são passíveis de corrupção, o jogador não consegue ter plena confiança em nenhum deles — o que abre espaço para algumas reviravoltas e desenvolvimentos de roteiro inesperados.

High Isle traz um ar de novidade a The Elder Scrolls Online

Durante o período de testes, não cheguei a esgotar todas as possibilidades narrativas da nova trama, mas o que pude jogar me deu vontade de continuar explorando tudo o que ela tinha a oferecer. A escolha por High Isle trouxe uma grande liberdade criativa para o jogo, que pode explorar possibilidades e criar personagens de maneira inédita.

Embora seja conhecida pelos fãs da série, a localidade anteriormente só era mencionada em um único mapa desenhado pela raça humanoide dos Redguards. Ao mesmo tempo em que a falta de livros contando histórias sobre o local impedia o uso de bases estabelecidas, a “tela em branco” oferecida ao time de criação possibilitou o desenvolvimento de cenários e narrativas que não precisavam se prender a concepções pré-estabelecidas.

Segundo Lambert, High Isle foi construída para ser uma reunião do “melhor de High Rock, região ao noroeste de Tamriel. “Esse é o ideal da arquitetura dos bretons. Pense nas lendas arturianas, castelos e campos de torneio, política, toda essa grandiosidade e pompa. É isso que ela é. É onde os ultra ricos e a nobreza vão para, essencialmente desfrutar as férias”, explicou o diretor criativo.

Apesar do novo cenário parecer pequeno frente ao mapa geral de Tamriel, os jogadores não devem se enganar. O diretor criativo do game garante que “nem todos os mapas são criados da mesma forma” e que a nova região é tão ampla e repleta de missões quanto qualquer outro capítulo lançado anteriormente pela desenvolvedora.

- Continua após a publicidade -

Uma experiência para todos

Conforme explica Rich Lambert, um dos objetivos da equipe responsável pelo jogo é que ele não se torne um peso para novos jogadores. Ao mesmo tempo em que há centenas de horas de conteúdos disponíveis para quem entrar agora em The Elder Scrolls Online, High Isle pode ser a primeira aventura vivida por eles.

Ao mesmo tempo em que isso traz vantagens — não é preciso superar uma barreira de entrada para conseguir jogar aquilo pelo que você pagou —, também fica a sensação de que o jogo demora a mostrar os motivos pelos quais possui diversos sistemas de progressão. Pode ser um pouco difícil escapar da sensação de que a força de seu personagem simplesmente não cresce, algo que só muda após conseguirmos desbloquear mais equipamentos e poderes das árvores de habilidade. 

No entanto, isso é compensado pela liberdade de exploração e pela sensação de que não é preciso “esperar” para ter acesso aos conteúdos mais legais do MMO. Durante o período de testes foi até difícil em certos momentos manter o foco na aventura principal: há tantas missões secundárias e atividades há fazer que é difícil saber o que priorizar.

não é preciso “esperar” para ter acesso aos conteúdos mais legais do MMO

Entre eles está o novo sistema “Tales of Tribute”, um novo jogo de cartas que tenta representar o tipo de atividade que os habitantes de Tamriel fariam para passar o tempo enquanto relaxam ou visitam as tavernas de seu mundo. A nova atividade traz aspectos PvP e PvE, com direito a novas conquistas associadas e uma coleção vasta de itens colecionáveis.

A intenção da Zenimax Online era criar uma atividade que parecesse estar no MMO desde seu lançamento, o que resultou em um jogo um tanto diferente. Em vez de criar um deck pronto e usá-lo para enfrentar adversários, os jogadores são forçados a misturar suas cartas com a dos oponentes e, a partir disso, construir durante a partida um exército capaz de sair vitorioso.

Além das regras fora do comum, o jogo ganha mais complexidade pelo fato de que cada um de seus decks se comporta de maneira distinta dos demais. Assim, é preciso levar em consideração as possíveis combinações que suas cartas podem ter com a dos oponentes e, a partir disso, tentar montar uma estratégia vencedora.

As regras podem parecer confusas — e realmente são, ao menos a princípio —, mas após algum tempo você começa a entendê-las e a fazer combinações inusitadas que garantem a vitória. Devido ao tempo limitado que tinha disponível, não me aprofundei muito nos Tales of Tribute no momento atual, mas consigo vê-los gerando uma comunidade ativa e competitiva pelas melhores posições em seus quadros de pontuação.

High Isle pode ser a melhor oportunidade de entrar no MMO

Embora The Elder Scrolls Online seja um dos MMOs mais acessíveis disponíveis atualmente, o lançamento de High Island pode se mostrar uma das melhores formas de entrar nele de cabeça. Oferecendo uma linha narrativa mais próxima do mundo real e um novo sistema de jogo de cartas, o Capítulo é criado de forma a permitir que jogadores novos se sintam rapidamente parte de seu universo e joguem “no mesmo nível” de sua comunidade veterana.

Até mesmo para quem pode ter deixado o jogo de lado no passado e está retornando agora há novidades empolgantes a conferir. Antes de High Isle, minha experiência anterior com o título havia sido com a expansão Summerset, e é interessante ver o quanto a Zenimax Online progrediu em matéria de narrativa e criação de cenários desde então — no PC, plataforma usada, o game até está rodando melhor, graças à implementação de tecnologias como o DLSS da NVIDIA e o FSR da AMD.

Prometendo mais de 30 horas em sua nova campanha, o novo capítulo de The Elder Scrolls Online chega ao PC, Mac e Stadia no dia 6 de junho deste ano. O lançamento também vai ganhar versões para Xbox One, Xbox Series X|S, PlayStation 4 e PlayStation 5, mas os donos dessas plataformas vão ter que esperar até o dia 21 do mesmo mês para conferir as novidades.
 

Fonte: Zenimax Online
Tags
  • Redator: Felipe Gugelmin

    Felipe Gugelmin

    Jornalista com 10 anos de experiência nas áreas de tecnologia e games, gosta de estar por dentro das últimas tendências e novidades. Dedica boa parte do tempo livre a jogar (representante da PC Master Race), mas também arranja um tempo para a vida social, leituras e dar passeiros com seu cachorro.

- Publicidade -

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.