Créditos: Montagem: Adrenaline

Veja os preços dos hardwares aumentando em gráficos animados!

Venha sofrer com a gente de forma interativa
Por Diego Kerber 06/02/2021 14:22 | atualizado 06/02/2021 14:23 Comentários Reportar erro

Todo mundo sabe que o preço dos hardwares vem em uma escalada, resultado da pandemia que disparou o valor do dólar, acabou com os estoques e estrangulou a disponibilidade desses produtos. Como já demonstramos em um artigo, é bastante sensível esse processo em algumas máquinas que montávamos por aqui. 

E hoje, graças a uma parceira entre o Adrenaline e o Observatório da GPU, vai ser possível ver esse processo acontecendo de forma clara e bastante visual. Senhoras e senhores, nós transformamos o pandemônio dos preços da indústria do hardware em gráficos animados.

Para quem não acompanha, o Observatório da GPU é uma conta no Twitter que monitora diariamente os preços dos componentes, usando de referência os principais varejistas online. O trabalho é um misto de automatização por bots com verificação manual dos valores. O administrador da conta diz que não sabe quanto tempo leva diariamente para fazer esse processo manual de certificação dos dados obtidos automaticamente, e que prefere nem saber para não se "assustar com o potencial resultado".

Nessa metodologia é relevante destacarmos algumas escolhas. A primeira é que ela registra o produto mais barato com um determinado chip, mas existem exceções. Ficam de fora os modelos low profile, com projeto de referência em blower ou versões mini, que costumam ser mais baratas, porém, acabam sendo mais indicadas para situações específicas.

A outra parte é uma decisão nossa. Nos gráficos, quando as placas ficam indisponíveis, fica "congelado" o último valor que elas estavam sendo vendidas. Tentamos fazer uma variação em que placas "aparecem e desaparecem" de acordo com a disponibilidade, mas o gráfico fica excessivamente confuso de se acompanhar. Isso pode criar algumas distorções, como a RX 580 de 4GB, que termina muito barata no final do ano, no primeiro gráfico. O motivo é que ela desaparece do mercado nos primeiros meses, época em que as coisas tinham preços melhores, e nunca mais volta, ficando assim com um valor ainda barato comparado a escalada nos valores dos demais produtos.

 

 

E quanto do tempo os produtos ficaram indisponíveis? Calculamos a porcentagem de tempo em que não havia nenhum produto disponível para um determinado chip gráfico. Nesse gráfico usamos de referência a primeira vez que um produto apareceu disponível para compra, já que alguns modelos podem demorar bastante para estar disponíveis no Brasil após seu lançamento oficial no mercado. Nesse gráfico fica bastante evidente o desaparecimento da RX 580 de 4GB, que some dos registros do Observatório da GPU após fevereiro. Os lançamentos topo de linha do final do ano foram muito impactados pela indisponibilidade, algo visível nas RX 6800 (as barras vermelho claro) e a linha RTX 30 (barras laranja).

Outra análise dos dados foi a variação de preços. Considerando o menor e o maior valor registrado, os produtos de entrada foram alguns dos que mais sofreram, algo que fica visível pela presença de placas como a RX 5500 XT, GTX 1650 e, a campeã, RX 570 4GB nas maiores variações. Outro modelo que variou muito, agora entre os high-end, foi a RTX 2080 Ti. E é fácil entender o que aconteceu: a placa chegou a superar os 10 mil reais em alguns momentos, e teve seu preço "derrubado" com a chegada da RTX 3080.

- Continua após a publicidade -

Aqui vamos mudar um pouco a lógica. Ao invés de acompanhar as placas, vamos fixar segmentos de preço e ver o que é possível comprar. O primeiro gráfico deve ser ouvido com uma trilha adequada, como "The Sounds Of Silence". Nele mostramos as placas disponíveis para comprar até R$ 1.000. Percebam que agora nós deixamos que os produtos indisponíveis simplesmente desapareçam do gráfico. Assim, quando não houver um determinado componente, ou é porque está mais caro que a faixa de preço analisada, ou não há nenhum disponível para compra.

 

Fica muito evidente como o ano de 2020 foi MUITO difícil para quem gostaria de montar um computador de entrada. Em alguns momentos chegamos a não ter NENHUMA opção disponível. Quer dizer, elas existem: produtos mais antigos como a GeForce GTX 1050 Ti, ou de menos performance, como a Radeon RX 550, começaram a povoar essa faixa de valores. Porém, o modelo mais básico da linha Radeon monitorado pelo Observatório da GPU é a RX 570 4GB, o que faz sentido considerando o baixíssimo desempenho da RX 550. E a GTX 1050 e 1050 Ti, além de trazer pouco desempenho, são modelos já antigos, com mais de quatro anos desde seu lançamento.

O primeiro mês de 2021 foi uma espécie de "2020 Ti". O processo de aumento de preços continuou no primeiro mês do ano, resultado de outros fatores que já listamos em um artigo por aqui. E para fechar, uma pergunta: o que vocês gostariam de ver? Com a base de dados ampla do Observatório da GPU, as possibilidades de comparativos são enormes! Alguma coisa que gostariam de ver comparado? Algum tipo de gráfico que sugerem? Ou talvez seja o momento de avançar para outras áreas: talvez as estatísticas exibidas como nesse artigo, mas de outros componentes? Deixei as opiniões nos comentários!

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.