Créditos: Montagem | Adrenaline

HDMI 2.1 - conexão permitirá jogar a [email protected] ou [email protected] no PC, PS5 e XBox Series X

Conexão traz baixo input lag e tecnologias que proporcionam ótima experiência de games em TVs
Por Saori Almeida, Jacson Boeing 15/08/2020 13:58 | atualizado 15/08/2020 16:36 Comentários Reportar erro

A nova geração de consoles está chegando e PlayStation 5 e Xbox Series X já são o sonho de consumo de muita gente, assim como as novas placas de vídeo da NVIDIA da série GeForce RTX 3000 e as Big Navi da AMD. O lançamento de novos videogames sempre impulsiona outros segmentos e as TVs 8K começam a ganhar força, dando ênfase para a conexão HDMI 2.1, que traz novas tecnologias para liberar todo o potencial desses novos dispositivos.

O HDMI Forum anunciou as especificações do HDMI versão 2.1 há algum bom tempo - especificamente, novembro de 2017. O padrão, no geral, é bastante popularizado e conhecido por quem gosta ou precisa conectar componentes na sua televisão ou monitor, mas ficamos "presos" no v2.0 por um longo período.

No entanto, as coisas começam a mudar agora, pois recebemos o primeiro monitor com a certificação HDMI 2.1 do mundo: um Asus ROG de 43 polegadas. Com essa inserção no mercado, os usuários começam a se perguntar se devem trocar seus dispositivos, cabos e afins. A resposta: Talvez não ainda, mas certamente no futuro. Entre os aparelhos de 2019, 2020 e nos próximos anos em geral, esta provavelmente se tornará a conexão mais comum. O motivo disso está bastante ligado também aos games dos novos consoles.

Nesse artigo, abordaremos quais as vantagens e melhorias prometidas pelo padrão de conexão HDMI 2.1, relacionando principalmente com um outro mercado que anda se apoiando bastante em promessas de qualidade gráfica e responsividade: o dos jogos e consoles. Claro, também faremos comparações técnicas com o padrão atual 2.0.


O que é HDMI?

Começando pelo básico, o padrão HDMI, ou High-Definition Multimedia Interface, é uma interface condutiva digital desenvolvida para  transmitir dados não comprimidos. Ele oferece um caminho de comunicação entre qualquer fonte de áudio/vídeo digital - Blu-Ray, leitor de DVD, computador, consoles de videogame, amplificadores - e qualquer dispositivo de som ou vídeo digital, como monitor de computador e TV. 

Mesmo com o surgimento de outras soluções com objetivos semelhantes (DisplayPort, por exemplo), o HDMI suporta  praticamente qualquer formato de vídeo, seja na TV ou PC, através de um único cabo. Isso inclui resoluções de 480p a 10K - nível conquistado pela versão 2.1.

- Continua após a publicidade -

A tecnologia foi projetada inicialmente em dezembro de 2002, para começar a entregar suporte para DVD Audio em maio de 2004.

Período de lançamento das versões HDMI (configurações):

  • Versão 1.1 - Maio de 2004.
  • Versão 1.2 - Agosto de 2005.
  • Versão 1.2a - Dezembro de 2005.
  • Versão 1.3 - Junho de 2006.
  • Versão 1.4 - 2009.
  • Versão 2.0 - 2013.
  • Versão 2.0a - 2015.
  • Versão 2.0b - 2016.
  • Versão 2.1 - 2017.

Existem 5 tipos de conectores HDMI, sendo que um deles não é amplamente utilizado na indústria:
- Tipo A (o padrão e mais comum) - 19 pinos. Plug macho com 13.9 mm × 4.45 mm, e fêmea com 14 mm × 4.55 mm. Suportam modos SDTV, EDTV e HDTV.
- Tipo B - 21.2 mm × 4.45 mm. Suporta até o modo WQUXGA (3.840 × 2.400). Não é amplamente disseminado.
- Tipo C ou Mini-HDMI - 19 pinos (10.42mm × 2.42mm).
- Tipo D ou Micro-HDMI -19 pinos (6.4mm × 2.8mm) arranjados de forma diferente do tipo A e do tipo C.
- Tipo E ou Automotive Connection System - Dedicado a automóveis.

Visualmente, os conectores/cabos HDMI que usamos no cotidiano (A e C, no geral) não mudaram com o passar do tempo, mas não podemos falar o mesmo sobre tecnologias. Um "mantra" desses updates, por exemplo, é o aumento da largura de banda.


HDMI 2.1

Resolução, Qualidade de imagem e áudio e Velocidade de transmissão de dados

Alguns dos termos chave quando falamos de HDMI são resolução, qualidade de imagem e áudio e velocidade de transmissão de dados. Para termos uma comparação inicial, a versão 1.4 desse padrão deu suporte às primeiras imagens em 4K. O HDMI 2.0 (que chegou logo após o 1.4. Não tivemos 1.5, 1.6, etc.) foi o responsável por trazer as jogatinas nessa resolução e nos padrões que temos hoje.

Especificações HDMI 2.1 

- Continua após a publicidade -

Como já comentamos, a "cara" dos cabos HDMI 2.1 continua a mesma de sempre, mas o grande salto está na sua capacidade de transmissão de dados. Enquanto o atual HDMI 2.0 transmite 18Gb de informação por segundo (Gbps), o seu sucessor alavanca isso para até 48Gb por segundo.

São upgrades bonitos de se ler, mas não valem muito se não soubermos onde eles atuam. A largura de banda de 48 Gbps é necessária para passar imagens não comprimidas com 12-bits de cor, em 4K a 120Hz, usando o chroma sampling RGB 4:4:4. Como a profundidade de cor de 12-bits ainda não é uma padrão de mercado, o HDMI 2.1 atende perfeitamente os requisitos atuais e está preparado para as evoluções que virão nos próximos anos. 

Outro ponto bastante importante desse salto é o suporte a resoluções mais altas. O HDMI 2.1 poderá transmitir resoluções 4K (4096×2160) a 120Hz, 8K (7680x 4320) a 60GHz e até 10K (10240 x 4320) em 30Hz, sendo que as resoluções de até 10K também são suportadas para AV comercial e usos industriais.

Como base de comparação, atualmente (com o HDMI 2.0b) você consegue rodar jogos em 4K60fps e 8K30fps, mas para atingir as especificações do HDMI 2.1 você precisará de um cabo HDMI de ultra alta velocidade.

“O conteúdo de 8K terá que seguir, mas hoje em dia não se trata apenas de conteúdo linear – trata-se de VR. O VR está almejando uma resolução muito alta e taxas de quadros muito altas, e um dos alvos que o setor está falando para aplicativos de VR é 8K a 240Hz.” - Jeff Park, diretor de marketing da HDMI Licensing, ao TechRadar na CES 2017.

“O conteúdo de 8K terá que seguir, mas hoje em dia não se trata apenas de conteúdo linear – trata-se de VR. O VR está almejando uma resolução muito alta e taxas de quadros muito altas, e um dos alvos que o setor está falando para aplicativos de VR é 8K a 240Hz.” - Jeff Park, diretor de marketing da HDMI Licensing, ao TechRadar na CES 2017.

Quando falamos que o HDMI suporta até 4K120 e 8K60, é levado em consideração as demais variáveis mencionadas anteriormente, com dados em 12-bits de cor, não comprimidos e usando o chroma sampling RGB 4:4:4. Alterando essas especificações é possível ir além e, de acordo com o próprio HDMI.org, é possível atingir resoluções e taxas de quadros maiores (em teoria):

- 4K50/60
- 4K100/120
- 5K50/60
- 5K100/120
- 8K50/60
- 8K100/120
- 10K50/60
- 10K100/120

Por fim, focando nos gamers, o HDMI 2.1 também apresenta novos recursos que, em teoria, prometem melhorar ainda mais a gameplay e a experiência como um todo.

ALLM (Modo de Baixa Latência automático): também conhecido como Modo Game, o ALLM envia um sinal para a tela e ativa um modo de baixa latência e livre de lag, desativando alguns processos (processamento de imagem) e em conjunto com a tecnologia QFT (Quick Frame Transport) que transporta os frames em taxas mais altas, permite uma comunicação mais rápida entre o impulso elétrico gerado pelo dispositivo de entrada (mouse, teclado, controle do video game etc.) e a sua tela (monitor ou TV), diminuindo muito o input lag, o que torna as respostas na tela muito mais instantâneas. Essa tecnologia ajuda a diminuir a distância que sempre existiu entre monitores e TVs. Recentemente testamos a TV LG 65B9 em texto e vídeo, uma OLED de 2019, que possui apenas 13ms de input lag e 1ms de tempo de resposta, sendo ótima para games - graças sobretudo a presença do HDMI 2.1. 

VRR (Refresh Rate variável) talvez esse seja o embrião, o início do fim de tecnologias proprietárias como FreeSync, da AMD, e G-Sync, da Nvidia, já que assim como as mesmas, permite jogar com taxa de quadros variáveis, nos livrando de anomalias visuais como TearingStuttering. TVs Samsung trazem FreeSync baseado no VRR em alguns modelos QLED de 2019 e 2020; a LG implementou G-Sync baseado em VRR nas suas linhas OLED 2019 e 2020 - dispensando uma placa dedicada da Nvidia dentro da tela. No futuro talvez VRR se torne um padrão único. Será?

Dynamic HDR (HDR dinâmico) o HDMI 2.1 irá suportar HDR dinâmico nativamente, algo que não acontencia do HDMI 2.0. Até funcionava, mas o fato de poder apresentar algumas anomalias, afastava os desenvolvedores do HDR10+ e Dolby Vision. Com o suporte nativo, masi jogos devem começar a trazer esse tipo de HDR, que traz ajustes de brilho, contraste e cores quadro-a-quadro, melhorando muito a qualidade de imagem. É importante frisar que vários jogos já trazem suporte a HDR e mudam drasticamente a qualidade da imagem. Um ótimo exemplo de implementação é o Gears 5, que possui HDR10 (formato estático). 

Nesse sentido, o HDMI 2.1 será o padrão capaz de acompanhar as exigências tecnológicas do contexto atual e futuro - menção honrosa ao Xbox Series X e Playstation 5, que já trazem suporte ao novo padrão e prometem justamente alguns resultados proporcionados por ele: 8k, 120fps, etc. Já nos PCs, a arquitetura Nvidia Ampere bate a porta e deve chegar já nas próximas semanas trazendo suporte ao HDMI 2.1, um prato cheio pra aqueles que pretendem usar uma TV com conexão HDMI 2.1 como monitor.

"Esta é uma ótima notícia para os jogadores, porque o HDMI 2.1 permitirá que um processador de gráficos 3D renderize e exiba imagens em tempo real, o que resultará em uma jogabilidade mais fluida e em mais detalhes." -  Trecho de publicação no  windowsteam / GeekBlog, por Maria Eduarda.

"Esta é uma ótima notícia para os jogadores, porque o HDMI 2.1 permitirá que um processador de gráficos 3D renderize e exiba imagens em tempo real, o que resultará em uma jogabilidade mais fluida e em mais detalhes." -  Trecho de publicação no  windowsteam / GeekBlog, por Maria Eduarda.

 


Como usar?

Muito bem, falamos dos benefícios que o HDMI 2.1 está trazendo ao mercado, mas como usá-los na prática? Aí entra a parte do investimento...

Sim, você vai precisar trocar de cabo

A grande maioria dos dispositivos de hoje suportam o HDMI 2.0 e novos produtos estão chegando com o HDMI 2.1. Ou seja, a primeira exigência é ter uma tela, seja TV ou monitor, com entrada HDMI que traga suporte às nova tecnologias, já que visualmente os conectores continuam iguais. Você também precisará de um dispositivo compatível com HDMI 2.1 que forneça esse conteúdo, o que pode ser um videogame, computador, Blu-ray player etc. Atualmente o Xbox One X já é compatível com HDMI 2.1, mas o pulo do gato nos consoles será as chegadas do Playstation 5 e Xbox Series X e, no PC, da arquitetura Ampere.

No entanto, outra variável nessa equação é que os cabos atuais não suportam a largura de banda e outras exigências do novo padrão. Isso significa, sim, que você vai precisar trocar seus cabos HDMI por modelos com a denominação 48Gb ou UHS, compativeis com o HDMI 2.1.

E por último, mas nem de longe menos importante, a solução não está apenas no hardware. Os recursos otimizados pelo HDMI 2.1 devem ser suportados no conteúdo, seja um jogo ou filme. Por exemplo, é necessário que os desenvolvedores criem seus jogos pensando em usar altas resoluções em paralelo as altas taxas de quadro para que você possa usufruir desses benefícios, ou mesmo preveja a implementação de áudio não comprimido, como o Dolby Atmos via TrueHD, algo que já é possível através da nova porta HDMI eARC.

"O cabo garante que recursos dependentes de largura de banda ultra-alta sejam fornecidos, incluindo vídeo 8K não compactado com HDR. Possui EMI (interferência eletromagnética) excepcionalmente baixa, o que reduz a interferência com dispositivos sem fio próximos. O cabo é compatível com versões anteriores e pode ser usado com a base instalada existente de dispositivos HDMI." - Página oficial HDMI.

"O cabo garante que recursos dependentes de largura de banda ultra-alta sejam fornecidos, incluindo vídeo 8K não compactado com HDR. Possui EMI (interferência eletromagnética) excepcionalmente baixa, o que reduz a interferência com dispositivos sem fio próximos. O cabo é compatível com versões anteriores e pode ser usado com a base instalada existente de dispositivos HDMI." - Página oficial HDMI.


Conclusão

Parafraseando uma publicação do Cnet, podemos concluir que o HDMI 2.1 não é uma obrigatoriedade para 90% dos usuários atuais - ele servirá para versões futuras de nós mesmos que reproduzirão conteúdo que não existem ainda ... A menos que você seja um jogador. Os computadores pessoais e equipamentos de jogos de última geração são a única fonte atual que pode produzir 4K a mais de 60 fps, por exemplo.

Porém, tanto a indústria televisiva quanto de games não para, e, em algum momento, essas resoluções e taxas de quadros mais altos acabarão se tornando um padrão - quando, não temos como dizer. Ou seja, a adesão do HDMI 2.1 não é uma questão para se tratar com "se", mas sim com "quando". Há tempos ele está presente, agora começa a "dar as caras" e muito em breve se tornará padrão de mercado.

Fonte: Eletronics Notes, Wikipedia, Promobit, GeekBlog, HDMI.org, Cnet, DigitalTrends, VideoCardz
Assuntos
Tags
  • Redator: Saori Almeida

    Saori Almeida

    Saori Almeida é natural do Rio Grande do Sul, técnica em administração formada pelo Centro Tecnológico de Caxias do Sul (CETEC) e estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Gosta da cultura asiática e nerd no geral e tem interesse crescente por tecnologia e games desde pequena - gosto que se intensifica diariamente na redação.

  • Redator: Jacson Boeing

    Jacson Boeing

    Apaixonado por tecnologia, gadgets e pelo universo geek em geral, Jacson Boeing é sócio-fundador e Editor do Adrenaline, onde desenvolve um trabalho de bastidores, desenvolvendo parcerias e formas criativas de dominar o universo! Fora os sonhos ambiciosos, também ajuda no desenvolvimento de pautas e escreve esporadicamente sobre tecnologia, além de viajar para cobrir in-loco alguns eventos internacionais considerados importantes dentro da estratégia de expansão do Adrenaline.