PC Gamer de 8GB chegou ao fim? Batalha de 8GB vs 16GB em single e dual-channel!

Colocamos máquinas potentes com essas duas configurações para ver se o desempenho muda!
Por Diego Kerber 14/12/2019 17:22 | atualizado 14/12/2019 17:25 Comentários Reportar erro

Ano após ano, em nossos vários vídeos de recomendação de PCs para jogar, definira a configuração de memória RAM sempre é uma grande dúvida da equipe. Enquanto os 8GB rodaram boa parte dos títulos que testamos, ao mesmo tempo sempre vemos sinais de que essa configuração pode começar a ser um problema em alguns momentos. Para resolver essa questão, vamos para a nossa segunda batalha! Hora de colocar dois PCs excelentes para rodar os jogos, mas equipar um com 8GB e outro com 16GB, e ver em tempo real as diferenças!

Diego Kerber (@kerberdiego) e Cassiano Presoto (@presotocassiano) encaram um multiplayer com a habilidade característica da equipe do Adrenaline e mostram como as peças se saem.

Configurações PC com 8GB (e depois 16GB em single-channel)

- Intel Core i9-9900K
- Placa-mãe Z390 MSI ACE
- 2x 4GB HyperX DDR4 @2666MHz
- Galax HOF GeForce RTX 2080 Super

PC com 16GB (depois 8GB em single-channel)

- Intel Core i9-9900K
- Placa-mãe Z390 Aorus Xtreme
- 2x8GB DDR4 TeamGroup @2666MHz
- Gainward RTX 2080 Super GHL

Conclusão

Mais uma vez os 8GB seguem na corda bamba, mas não caem. Temos sinais claros ao longo do vídeo que ter 16GB é a melhor opção, algo visível principalmente pela linha muito mais estável do frametime ao longo de todos os testes, especialmente naqueles que temos mais aplicações rodando em segundo plano.

8GB causa perda principalmente na estabilidade dos games, mas não sabota a performance

Mas não dá para enterrar os 8GB. Apesar de uma ou outra engasgada, e uma estabilidade inferior, essa configuração ainda consegue dar conta do recado e rodou os games que experimentamos, com uma experiência com qualidade suficiente para ser viável jogar. É bom destacar que ajudou também a configuração em dual-channel, com os 8GB em um módulo único de memória sendo a situação mais crítica e que sem dúvidas nós não indicamos mais fazer.

- Continua após a publicidade -

Computadores com mais limitações em outras peças podem ter um impacto ainda maior de não possuir RAM em quantidades confortáveis

Quanto aos resultados, é bom destacar que há outros agravantes que podem influenciar no uso. O primeiro são jogos que eventualmente crasham em configurações com 8GB, algo que já experimentamos em nossos testes e uso cotidiano. É o tipo de problema que aparece eventualmente, não é suficiente para invalidar totalmente a configuração de 8GB como algo viável, mas que deve estar em seu radar.

Outro fator relevante é nossa configuração. Por usarmos um PC topo de linha, buscando tirar qualquer eventual gargalo culpa de CPU e GPU, podemos ter contribuído para a configuração de 8GB conseguir dar conta dos testes. Em um PC mais limitado, com processador e placa de vídeo já tendo dificuldades em rodar o game ou os programas, a perda de desempenho e principalmente a queda na estabilidade pode ser ainda maior.

Os 8GB influenciam na performance, mas ainda não está crítico ir para 16GB, apesar de ser recomendável

Por fim, a recomendação não mudou muito do ano passado. Está investindo em uma máquina potente, não economize na RAM e vá com 16GB, garantindo que seja extraído o potencial do restante das peças. Vai montar um PC pra trabalho, também nem cogite outra quantidade. Agora, se a coisa tá apertada, o dinheiro contadinho, e a conta só vai bater se você pegar apenas 8GB, não é isso que vai inviabilizar sua jogatina. Só, dentro do possível, evite o single-channel, e vá para uma configuração com duas memórias (4+4GB) para tentar reduzir um pouco o impacto em desempenho.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube