Resfriamento líquido supercompacto funciona? Testamos o MasterLiquid Maker 92!

Instalar um watercooler é um jeito legal de obter um sistema de resfriamento eficiente, que produz pouco ruído e que pode fazer a diferença se você quiser overclockar o sistema e não perder o controle do aquecimento. Mas muitas vezes isso significa ter que lidar com passagem de mangueiras e posicionamento de um radiador e ventoinha, ou em sistemas customizados ainda adicionar um reservatório e bomba em algum lugar. Hoje vamos testar um sistema um pouco diferente: o MasterLiquid Maker 92 é um cooler para CPU que traz resfriamento líquido em um formato quase tão compacto quanto o de um cooler.

Site oficial do Cooler Master MasterLiquid Maker 92

Especificações principais:

Soquetes suportados: Intel LGA 2066/2011-v3/2011/1151/1150/1155/1156
Conectores de energia: SATA e conector de 4 pinos
Dimensões: modo vertical (99.9 x 81.6 x 167.5mm) e modo horizontal (99.9 x 142 x 118.8 mm)
Rotações: 250 a 2600 RPM
Fluxo máximo de ar: 49.7 CFM
Pressão de ar: 6.4 mmH2O
Nível máximo de ruído: 30 dBA (fan) e <12dBA (bomba)
Garantia: 5 anos
Peso 875 g 


Um de seus recursos mais interessantes é que além de ser compacto, ele também é versátil: um eixo central possibilita rotacioná-lo, funcionando tanto "deitado" quanto "em pé". Assim fica muito mais fácil colocá-lo em um gabinete com espaço muito restrito já que ele consegue se adaptar à realidade, podendo ficar mais "baixinho" ou liberar espaços na lateral da CPU, evitando bater em outro componente.

Além de compactar tudo em uma estrutura, o MasterLiquid
pode ficar tanto na vertical quanto na horizontal

Apesar de menor, ele traz um custo na casa dos R$ 600, algo próximo ao praticado em sistemas AIO potentes equipados com radiadores dos grandes, com duas fans. Não é difícil encontrar kits com um radiador menor e uma fan que custem entre R$ 200 a R$ 300, então o MasterLiquid não é nem de longe uma solução das mais baratas.

Seu preço é bastante elevado, no mesmo
patamar que solução all-in-one avançadas

- Continua após a publicidade -

Instalação


A CM informa no site oficial que a instalação é simples, realmente complicada não podemos dizer que é... mas 2 dos parafusos são muito, mas muito ruins de apertar devido a posição dos tubos que impossibilitam usar a chave em um ângulo confortável. Para fixar de uma forma mais seguro, o indicado é remover um dos FANs do cooler, para ai sim possibilitar mover os tubos que ficam sobre os parafusos, fixar o cooler e depois recolocar o FAN, caso contrario vai ser bem chato para instalar o Liquid Maker 92, mesmo ele sendo um cooler que não requer necessariamente uma ferramenta para fixar os parafusos.

O Masterliquid apresentou variações consideráveis
de desempenho em diferentes mainboards

Outro detalhe é que instalamos ele em mainboards diferentes, e o mesmo apresentou uma mudança considerável a cada nova instalação, não se mostrou um sistema regular no que se propõe a fazer, isso acaba gerando sempre uma dúvida se ele foi fixado da forma ideal ou não.

Testes


Para dar uma ideia da dimensão desse modelo, colocamos ele lado-a-lado com outros produtos que também farão parte do comparativo de desempenho. Aqui temos uma ideia de como ele é mais próximo a um cooler box básico do que um sistema AIO ou um cooler a ar mais robusto como o Noctua.

Modelos testados:

- Cooler Master MasterLiquid Maker 92 - R$ 630 - Site oficial
- Noctua NH-U12S - R$ 430 - Site oficial
- Cooler Master Seidon 120M - R$ 360 - Site oficial
- Cooler box Intel - vem com alguns processadores

Para nossos testes usamos um sistema baseado no Intel Core i7-8700K, operando em clock padrão e também overclockado a 5.0GHz em todos seus núcleos. Fizemos os testes em modo oscioso, rodando o game Grand Theft Auto V e também rodando o intenso benchmark WPrime.

- Continua após a publicidade -

Nossos testes mostram que o MasterLiquid Maker 92 não consegue fazer frente a soluções maiores com resfriamento líquido ou mesmo um robusto cooler a ar, com diferenças evidentes em desempenho. Usando o o cooler box da Intel como referência (negativa), vemos que apesar de seu tamanho o Maker 92 está mais próximo desses bons sistemas de resfriamento do que o oferecido na caixa pela fabricante de chips.

Em clock padrão de CPU o Maker 92 fica bem próximo dos melhores coolers

Falando da Intel, seu Core i7-8700K rouba as atenções no teste com WPrime com a CPU overclockada. Independente do cooler usado, a ineficiência do interpositor (TIM) que a empresa usa em seus chips faz com que independente do que a gente use para resfriar o processador, o resultado trave nos 100 graus. Aqui não temos um empate real: o 8700K passa a realizar procedimentos "emergenciais" como reduzir frequência e tensão elétrica para evitar que o superaquecimento danifique o chip, e o resultado é que todos acabam empatando já que é entre o die do processador e a proteção metálica acima dele que o calor acaba não sendo dissipado. 

Overclockado e no WPrime o Core i7-8700K rouba a cena
​e aquece em excesso com todas as soluções

Vídeo

Conclusão

O MasterLiquid Maker 92 é um produto que só atende um nicho: PCs muito compactos ou sistemas montados de forma que não há como dedicar uma área maior para os componentes de resfriamento do processador. Caso contrário, ele fica abaixo de coolers a ar ou com liquid cooling com preços semelhantes, especialmente em situações de overclock.

A performance até é interessante, mas só serve se realmente
não dá para por outra solução mais robusta (e muitas vezes bem mais barata) em seu PC

É importante destacar duas características desse cooler em nossos testes, relacionados a experiência de uso desse produto. A primeira é que ele poderia ser mais fácil de ser instalado: apesar de ser possível prender alguns parafusos dispensando o uso de chaves, as mangueiras e alguns ângulos de posicionamento dos parafusos atrapalham bastante a vida, e é preciso usar a chave praticamente em uma diagonal. Outro ponto que nos chamou a atenção foi uma grande variação nos valores que obtivemos entre uma instalação do produto e outra, variando em mais de 10ºC o resultado de alguns testes.

Considerando seu desempenho e custo,
é difícil recomendar esse produto

Se não tem muito espaço em seu gabinete, esse cooler híbrido consegue achar um meio do caminho interessante entre a alta eficiência dos modelos mais robustos e a portabilidade de coolers menores, e especialmente se sai muito melhor que o cooler box da Intel que, apesar do desempenho pífio, tem como vantagem justamente ser compacto. Ele não chega a ser um cooler pequeno, mas a sua capacidade de mudar a orientação e o fato de dispensar o posicionamento do radiador em algum lugar do gabinete pode ser uma saída para PCs muito pequenos, como soluções mini-ITX.

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube