PC Baratinho veste seu terno e tenta rodar o problemático Mafia III

Depois de lutar nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, vamos aos poucos voltando ao presente, e chegou a hora de fazer uma escala no final dos anos 60, para encarnarmos o papel de Lincoln Clay na tentativa de sobreviver a... múltiplos bugs e sérios problemas de otimização.

PC Baratinho encara lama e muita trincheira em Battlefield 1

Novamente recrutamos o responsável pela análise do jogo para o Adrena, nesse caso João GAN, para participar dos testes e passar um pouco de seu feedback da qualidade de nosso gameplay no Baratinho. Não que seja difícil: o game chegou travado a 30FPS, inicialmente, e mesmo depois de ser "destravado" muitos gamers tiveram dificuldade de rodá-lo bem em 60FPS.

Análise: Mafia III - Falta de polimento e gameplay ofuscam o brilho de uma excelente história

Para nossos testes, partimos do sistema que venceu Battlefield 1:

- AMD FX-6300 - R$ 350
- Gigabyte AM3+ mATX GA-78LMT-USB3 - R$ 303
- Sapphire RX 460 Nitro 4GB - R$ 635
- HD de 1TB Seagate Barracuda 1TB - R$ 250
- 8GB de memória RAM - 2x R$ 118
- Fonte 350W -  R$ 157
- Tela, mouse e teclado reaproveitados de PCs velhos - R$ 0 

Preço total estimado: R$ 1.931

A Radeon RX 460 de 2GB da PowerColor até foi capaz de lidar com Mafia III, porém jogar na qualidade média foi demais para a placa, que se mantém praticamente o tempo todo abaixo dos 30FPS. Trazer os gráficos para a qualidade baixa em 1080p já deram a margem necessária para que essa placa de vídeo segurasse a performance acima dos 30FPS, muitas vezes se aproximando até dos 40~45FPS. Mesmo tentar uma RX 460 mais robusta, como a Sapphire Nitro que possui 4GB e overclocka o chip RX 460 não basta para um gameplay mais consistente em qualidade média.

É possível jogar com a RX 460 2GB, mas os gráficos precisam ser trazidos para o mínimo em 1080p

- Continua após a publicidade -

Artigo: Batalha das placas baratinhas: RX 460 vs GTX 1050 vs GTX 1050 Ti

Hora de testar outra placa, e seguindo no degrau de preços e performance, é a vez do lado verde da força: a primeira placa é a GeForce GTX 1050 2GB, placa que já foi anunciada, lançada e parece se recusar a aparecer à venda no Brasil. Com custo sugerido de R$ 599, não temos ainda certeza de quais valores serão praticados pelos lojistas, então estamos utilizando o preço que a própria Nvidia anunciou.

O aumento de performance é suficiente para conseguir ficar acima dos 30FPS em qualidade média, mas não muita coisa: a placa rodou muito do tempo na casa dos 35FPS, e travar os quadros resulta em um relativamente constante 28~29FPS (as eventuais quedas normalmente são culpa do processador). Colocar em qualidade mínima jogou os frames para os 45FPS com picos na casa dos 50 quadros por segundo, um ganho de fluidez que ganhou nossa simpatia e foi escolhido por unanimidade entre nós a melhor forma de jogar, mesmo com eventuais quedas para os 35FPS em locais específicos.

A GeForce GTX 1050 segura 30FPS em qualidade média, ou traz mais fluidez (45~50FPS) em qualidade mínima

Essa margem adicional de desempenho é muito bem-vinda, então vamos de GTX 1050 para o PC Baratinho para jogar Mafia III. Ou não, já que o jogo parece meio repetitivo e com muitos bugs.

- AMD FX-6300 - R$ 350
- Gigabyte AM3+ mATX GA-78LMT-USB3 - R$ 303
- Zotac GeForce GTX 1050 - (ainda indisponível, com preço sugerido de R$ 599)
- HD de 1TB Seagate Barracuda 1TB - R$ 250
- 8GB de memória RAM - 2x R$ 118
- Fonte 350W -  R$ 157
- Tela, mouse e teclado reaproveitados de PCs velhos - R$ 0 

Preço total estimado: R$ 1.895

Estamos no embalo, e já começaram os testes com Gears of War 4, que parece ser um episódio que não dará dor de cabeça para o Baratinho. Também estamos de olho em Dishonored 2, ver se depois de um lançamento ruim, os patchs e novos drivers vão melhorar a performance do game. O PC da Crise segue no soro, já que não está com esperança de rodar nenhum dos dois.

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube