Aceleramos um notebook com uma GTX 1080 externa: veja a performance do amplificador gráfico da Alienware!

Já são varias as iniciativas de eGPUs em notebooks, e enfim temos uma dessas opções no país: o Amplificador Gráfico da linha Alienware. O conceito é semelhante ao de outros docks com placas de vídeo externas, como o Razer Core e a iniciativa do Xconnect da AMD: você utiliza a performance de uma placa de vídeo tradicional de computadores de mesa, combinada ao restante do hardware do próprio notebook, para renderizar os games.

Vídeo: Mostramos o Blade Stealth e Razer Core diretamente do estande da Razer na CES 2016

O Amplificador Gráfico está disponível para compra no site da Dell, e é voltado a linha de produtos mais recente da Alienware. O principal limitador é a conexão: a empresa utiliza um cabo proprietário para conectar o Amplificador gráfico ao notebook, logo ele não será compatível com outros modelos. Isso é uma pena, já que muito da indústria tem utilizado padrões abertos como o USB Tipo-C para realizar a conexão do dock com o notebook, o que aumentaria a compatibilidade do acessório com mais modelos, não limitando ao ecossistema da própria linha Alienware. Outro detalhe importante do funcionamento do Amplificador Gráfico é que além de usar um cabo proprietário, sua conexão não traz efeitos instantâneos. Para que a placa de vídeo externa passe a atuar, é preciso reiniciar o notebook.

Em nossos testes de performance utilizamos o Alienware 15 de nossa análise recentemente publicada, que conta com as seguintes especificações técnicas:

Alienware 15

- CPU Intel Core i7-6700HQ
- Display de 15,6 polegadas FullHD
- 16GB de memória RAM
- Chip gráfico Nvidia GeForce GTX 970m

Placas de vídeo utilizadas

- Continua após a publicidade -

- Nvidia GeForce GTX 980 - Análise
- Nvidia GeForce GTX 1080 - Análise

Combinamos duas placas de vídeo com o notebook: a Nvidia GeForce GTX 1080, modelo mais potente disponível em nossa redação no momento, e a Nvidia GeForce GTX 980, uma placa que ainda representa um salto em performance comparada a GTX 970m disponível no próprio Alienware, mas mais discreto que a GTX 1080. No comparativo, incluímos o resultado que obtivemos na análise das placas de vídeo, onde combinamos as VGAs com um computador de altíssimo desempenho e, dessa forma, teoricamente extraímos o máximo de performance que elas podem desempenhar.

Duas coisas ficam evidentes nos benchmarks. A primeira é que o Amplificador Gráfico não trouxe o mesmo nível de performance que alcançamos quando utilizamos nosso sistema de benchmarks, e há diversos fatores que contribuem para essa diferença. Mesmo contando com um notebook de alto desempenho, há uma diferença considerável entre a performance de um sistema high-end desktop com um high-end em notebooks. Outro complicador é a conexão utilizada entre o notebook e o amplificador: ela opera em PCIe Gen 3 x4, algo que limita a largura de banda entre a CPU e a placa de vídeo.

O Amplificador Gráfico não extraiu toda a performance das placas de vídeo. Mas mesmo assim representou um salto e tanto em desempenho

Mesmo com esses entraves, outro fator notável é o salto em desempenho. Praticamente todas as rodadas de testes trouxeram ganhos na casa dos 50 a 60%, com picos de até 160% de melhora. Em termos práticos, conseguimos jogar qualquer jogo dos testes em FullHD em qualidade Ultra com média de quadros próxima ou acima de 60FPS, mesmo em casos como Tom Clancy's The Division, onde o notebook e seus gráficos internos só conseguiram uma média de 33FPS.

- Continua após a publicidade -

A possibilidade de usar uma GPU externa é muito interessante pois resolve um problema sério dos notebooks gamers: a rápida obsolescência. Por chegarem com menos desempenho que as placas de vídeo tradicionais de desktops, os notebooks gamers ficam defasados mais rápido, e o chip gráfico costuma ser o primeiro a "fazer a coisa desandar". Enquanto franquias mais leves não serão problema, GPUs de notebook sempre são desafiadas com novos games AAA, e a possibilidade de contar com uma placa de vídeo externa pode viabilizar gameplays novamente.

Junto com a limitação de só operar dentro do ecossistema da Alienware, outro grande problema do Amplificador Gráfico é seu custo. Ele é vendido por R$ 1.299, valor que não inclui a placa de vídeo, que deve ser comprada separadamente. É um produto que entrega o que promete, colocando uma placa de vídeo externa para acelerar a renderização de seus games no notebook, mas que ainda possui espaço para melhorias, e já existem outros produtos com propostas interessantes. Se você não vê problema no custo e nem em ficar vinculado ao ecossistema da Alienware, essa é uma solução já disponível agora e que irá atender a essa demanda, porém esperar por outros acessórios, especialmente os que utilizem padrões abertos como o USB Tipo-C (que inclusive funcionariam também no Alienware 15) pode ser uma melhor pedida.

  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube