Ainda vale a pena comprar o iPad Air 2 lançado em 2014?

Veja se o gadget ainda compensa o investimento
Por José Hüntemann 06/06/2016 11:07 | atualizado 25/11/2019 12:57 Comentários Reportar erro

O iPad Air 2 já tem quase dois anos. Ele continua sendo o principal tablet de 9,7 polegadas da Apple, mesmo com a chegada do iPad Pro no mesmo tamanho, que se encaixa em outra categoria. O preço também torna o modelo mais acessível que o seu irmão "Pro". Enquanto a versão mais barata do iPad Air 2 custa R$3.399,00, a do iPad Pro sai por, pelo menos, R$5.499,00. Mas será que mesmo por esse preço o iPad Air 2, que traz um hardware de 2014, ainda é uma opção vantajosa em 2016? Vejamos! Mas antes, um comparativo entre os modelos:

Antes de mais nada, o design. Bem acabado, o iPad Air 2 traz as medidas mais reduzidas em relação aos seus antecessores. O peso não chega a impressionar, como o nome "Air" sugere, mas também não é um incomodo. No entanto, ele é fino. E como as bordas são arredondadas, a ergonomia é muito boa. A pegada do tablet é bem segura e você pode levar por aí sem ocupar muito espaço, guardadas as devidas proporções, na mochila e na bolsa.

A tela é de alta qualidade, com a já tradicional tecnologia retina da empresa. A resolução é de 2048x1536 pixels, com uma grande quantidade de pixels por polegada: 264. Há pouco reflexo e as cores são bem nítidas e fieis. Isso é muito bom pra melhorar a experiência durante um jogo, ao assistir a um filme ou visualizar e editar fotos.

Mas de nada adianta ter tudo isso se o desempenho não acompanhar. O processamento precisa andar lado a lado da qualidade da tela e entregar gráficos altos e não apresentar qualquer travamento ou lentidão durante o uso. E o iPad Air 2 atende às expectativas. Os jogos rodam com fluidez, com uma boa taxa de frames por segundo, e não apresentam problemas durante a execução. O Air 2 vem com processador A8X, que fica atrás dos mais recentes A9 da empresa. A diferença entre eles é percebida ao fazer testes de benchmark e comparar os resultados. Na prática, no entanto, essa diferença não afeta a usabilidade. Além do processador principal, o iPad Air 2 também traz um coprocessador M8 dedicado aos sensores. A memória RAM de 2GB pode não impressionar a princípio, quando já temos smartphones por aí com 4GB, mas no uso você percebe que não é bem assim. Ela consegue auxiliar muito bem na execução dos apps e na multitarefa.

Para os fãs de benchmark, aqui estão os resultados do tablet nos principais apps para testar o desempenho:

- Continua após a publicidade -

A câmera do tablet quebra um galho. E nós nem esperávamos que ela fosse uma super câmera, porque o uso dela é muito raro. Serve mais para quando você não possui outro aparelho pra fotografar ou filmar e quando quer digitalizar um documento ou algo do gênero. Ele não é projetado para, além de tablet, ser sua principal câmera. E a frontal é suficiente para entregar boa qualidade durante uma chamada de vídeo ou em selfies corriqueiras.


O detalhe em branco na traseira do iPad Air 2 identifica que esse é um modelo que aceita o uso de cartão SIM

O Air 2 traz também leitor de digitais para desbloquear o tablet e autorizar compras na App Store. Ele é muito eficiente e, por alguma razão, mostrou ser superior ao do iPhone 6 Plus. Enquanto o do smartphone frequentemente não identificava minha digital, com o tablet não tive problemas. Esse leitor tem se mostrado muito ágil e um recurso que conta muitos pontos para o produto na medida em que os aplicativos de terceiros também vão se adaptando à função. O app do Banco do Brasil, por exemplo, permite usar o leitor biométrico como senha para acessar a sua conta, eliminando a necessidade de digitar os números.

Tudo isso com uma autonomia que não decepciona. A linha iPad sempre se destacou nesse quesito, até porque há bastante espaço para adicionar uma bateria com grande capacidade. No caso do Air 2, ela tem 7.340mAh. O tempo de duração vai depender do uso, claro, mas dá pra utilizar direto por umas 10 horas em redes sociais e jogos mais leves. Se usar com moderação, ele dura dias em stand by.

Veredito

Respondendo à pergunta que dá título a este artigo: se você está disposto a pagar pelo valor, vale sim comprar o iPad Air 2 em 2016. O tablet possui uma boa otimização entre hardware e software (iOS 9, sempre atualizado) que permite lidar tranquilamente mesmo com jogos e aplicativos mais pesados, entregando uma boa qualidade de tela. Além disso, ele traz recursos como leitor de digitais e Siri que tornam a usabilidade mais prática. Fazer ligações e usar a rede de dados através de um chip SIM, com o modelo Wifi + Celular, também é uma possibilidade interessante. Se estiver em dúvida sobre ele ou o iPad Pro, que é bem mais caro, o que você precisa considerar é o uso. O iPad Pro é mais voltado para quem utiliza aplicativos mais pesados de edição, como AutoCad, e outros apps de ilustrações e desenhos, prometendo maior precisão com a Apple Pencil. Se não é isso que você vai fazer na maior parte do tempo e você deseja um tablet de quase 10 polegadas, o Air 2 é o alvo certo dentro da linha de tablets da Apple.

- Continua após a publicidade -

 

 

Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.