Qual foi o melhor ano para os games? A redação escolhe seus favoritos (e você vota no seu!)

A indústria dos jogos tem altos e baixos. Enquanto o ano passado foi bem interessante, com direito a nomes como The Witcher 3: Wild Hunt, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain e Fallout, isso citando apenas alguns exemplos, 2014 foi mais recheado de, bom, jogos que já tínhamos visto.

A equipe da redação do Adrena vai levantar os anos que acharam mais marcantes na indústria dos games, e vocês conferem algumas das épocas que mais fizeram a alegria dos jogadores. Não deixe de escolher qual deles você achou o mais importante, em nossa enquete! 

1998 - O ano das obras-primas
Andrei Longen (@Andrei_Long3n)

Quando lançaram na redação a ideia da pauta, não tive escapatória: logo me vieram as inesquecíveis memórias de 1998, ano que, pra mim, com apenas 12 anos na cara, foi o que mais marcou e que considero o melhor dos games até hoje. Metal Gear Solid (PS1), a obra-prima máxima de Hideo Kojima, consegue sustentar sozinho toda essa responsabilidade, do nível que qualquer elogio é insuficiente pra descrever a grandeza deste jogo. "Snake? Snaake? Snaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaake!?!!"

Segura na cadeira que tem mais. The Legend of Zelda: Ocarina of Time (N64) também chegou naquele mesmo ano. A obra-prima máxima de Shigeru Miyamoto é também considerada o melhor jogo de todos os tempos. Já a Capcom entregou Resident Evil 2, um jogo tão superior ao antecessor que logo se tornou o favorito da maioria dos jogadores da saga de horror, além de também ser considerado uma das experiências mais completas e uma das únicas obras-primas já criadas pela produtora japonesa. Lembram da música da Save Room? *___*

Calma que tem mais. A Rare, especialista em criar obras-primas anuais, soltou uma nova bomba atômica: Banjo-Kazooie (N64), também considerado por muitos um dos melhores e mais criativos jogos de plataforma em mundo aberto já feitos. Naquele mesmo ano, o principal mascote do console da Sony na época voltou na sua melhor forma com Crash Bandicoot 3: Warped, o mais diversificado, mais desafiante e mais completo jogo de plataforma da franquia. A Naughty Dog já fazia história muito antes de Nathan Drake. E que tal essa dancinha marota?

A galera do PC também foi agraciada em sua plenitude máxima. Muito pelo contrário, 1998 marcou o surgimento de franquias que ditariam os padrões na plataforma nas próximas décadas. Segura esses três nomes bombásticos: Half-Life (Valve), StarCraft (Blizzard) e Unreal (Epic Games). Você pode até não gostar ou, como eu, não ter tido o devido contato na época, mas é impossível não considerar o legado cultural como produtos de entretenimento e a importância histórica na indústria dos games. E, a propósito, parece que Half-Life 3 vem aí!

- Continua após a publicidade -

Tá bom pra você? Pra mim não: Thief: The Dark ProjectParasite Eve, Fallout 2Soul Calibur, Rainbow Six, Baldur's Gate, Brave Fencer Musashi, Grim Fandango, Need for Speed III, XenogearsSpyro The Dragon, Legend of Legaia, Star Wars: Rogue Squadron, Street Fighter Alpha 3 e Vigilante 8 também ajudaram a fazer de 1998 um ano sem precedentes e que, usando minha poderosa bola de cristal, prevejo que provavelmente nunca será superado.  


1997 - Clássicos inesquecíveis para todos os gostos

João GAN (@joao_gan)

Quando a gente estava bolando a ideia deste artigo fiquei com receio de ter dificuldades para escolher o ano, mas rapaz foi fácil. 1997 é sem sombra de dúvida, pra mim, o melhor ano da história dos games. E apenas um título bastaria pra isso: Castlevania: Symphony of The Night. Bom, bastaria pra mim, mas talvez não pra vocês. Então que tal Final Fantasy VII? É, pois é.

Opa, você jogava no N64? Tranquilo. Teve "só" Goldeneye 007, Mario Kart e StarFox 64. Enquanto isso a galera do PC teve nada menos que o lançamento do primeiro Age of Empires. Além de Quake II, Shadow Warrior e Carmaggedon, só pra constar. Ultima Online também rolou em 97, só dizendo.

- Continua após a publicidade -

Sem separar plataformas, sente outros lançamentos de indiscutível importância pra indústria:

- GTA
- Tomb Raider II
- Fallout
- Gran Turismo

E pra mim, pessoalmente, 1997 realmente não tem discussão. Fã de Mega Man que sou, no ano teve 3 dos lançamentos mais espetaculares da carreira do mascote da Capcom: Mega Man 8, X4 (meu preferido) e Legends! ♥

E foi nesse ano que todo mundo apelava com o Eddy em Tekken 3.

Outros jogos menores talvez não foram tão icônicos como os que eu já falei, mas fizeram minha cabeça na época, como PaRappa The Rapper, Oddworld: Abe's Oddysee e Vandal Hearts.

Você confere a lista completa do ano invencível e chora de saudade neste link


2004 - Ano em que gêneros foram redefinidos
Diego Kerber (@kerberdiego)

O combo 98-99 realmente não é pra qualquer um, mas tem mais um ano que acho legal destacar: 2004. O ano de 98 tem Half-Life, mas 04 tem o que julgo ainda mais marcante: Half-Life 2, um game que redefiniu o gênero FPS e que ainda hoje nos deixa na saudade por falta de um novo título (tirando os eventuais episódios do próprio 2). Baseado na Source, que também seria utilizado no também de 2004 Counter Strike: Source, essa engine ainda daria "muito pano pra manga" nos anos seguintes, com Left4Dead 2 e Portal 2.

Mas não foi só a engine da Valve que mudou tudo. World of Warcraft foi lançado em 2004, e mudaria totalmente o conceito de multijogador online. Com uma comunidade de milhões de jogadores ativos e engajados por anos a fio, essa relação com seus gamers virou o sonho de consumo de muitas desenvolvedoras até hoje (The Division e Destiny que o digam). 

Outro game que fez a alegria de muita gente foi Gran Theft Auto: San Andreas. Mantendo o gameplay em 3D introduzido em GTA: III, esse game incorporou  novas mecânicas de gangues e elementos de desenvolvimento do personagem, torando esse um dos títulos mais marcantes da franquia.

Vou citar mais um, por um aspecto bem pessoal: Rome Total War, também de 2004, foi o game que me introduziu a série Total War e é até hoje um dos games de estratégia que mais me diverti. Foi um ano tão atípico que até mesmo um jogo de filme costuma ser citado como bom: The Chronicles of Riddick: Escape from Butcher Bay, mostrou que dá para fazer um game baseado em um filme e não ser péssimo.

Principais games do ano:

- Half-Life 2
- World of Warcraft
- Doom 3
- Gran Theft Auto: San Andreas
- Star Wars Knights of Old Republic
- Unreal Tournament 2004
- Rome: Total War
- Metal Gear Solid 3: Snake Eater
- Halo 2
- Fable

2013 - Quando recordes foram quebrados
Carlos Estrella (@carlosfestrella)

Se 2013 tem algum mérito é o de ser o grande ápice financeiro da indústria dos games, simbolizando muito bem toda a expansão da indústria nos últimos 15 anos. Os video games foram mais populares do que nunca nesse ano, e se firmaram como importantes formas de arte e entretenimento na sociedade contemporânea. Prova disso são os 3 principais jogos daquele ano: Grand Theft Auto V, The Last of Us e BioShock Infinite.

GTA V foi o principal ícone da parte financeira. O jogo se tornou o produto de entretenimento com as vendas iniciais mais fortes da história, faturando US$ 800 milhões no dia do lançamento e US$ 1 bilhão em 3 dias. Como base de comparação, o filme que alcançou US$ 1 bilhão mais rápido é Star Wars: O Despertar da Força, e foram necessários 12 dias, ou 4 vezes o tempo. Para fechar, o game da Rockstar recebeu aclamação universal da crítica, inovando na jogabilidade com uma excelente mecânica envolvendo 3 protagonistas, um mundo aberto impecável e fascinante e outros elementos que transformaram o game num exemplo de excelência técnica. Só falhou mesmo na maneira como trata as mulheres.

Já The Last of Us e BioShock Infinite são, daquele ano, os exemplos que mais ajudaram a legitimar o status dos games como "obra de arte". The Last of Us – que é um jogo que, sinceramente, eu joguei muito pouco – também recebeu aclamação universal da crítica, por trazer excelente desenvolvimento de personagens, ótimo roteiro e design visual e de som acertados. Sem contar que ainda teve a decência de tratar melhor personagens femininas e LGBT. O game ganhou mais de 240 prêmios de melhor do ano – o que não é pouco quando se concorre com GTA V – e era o mais premiado da história, até ser passado por The Witcher 3.

O último da grande tríade dos clássicos instantâneos de 2013 foi BioShock Infinite – outro vencedor de prêmios de melhor do ano. O game também agradou muito a público e crítica, especialmente nos aspectos de roteiro, direção de arte e na caracterização da época onde ele se passa. Afinal, não é qualquer jogo que se inspira em eventos como a Exposição Universal de 1893 em Chicago, a mentalidade do Excepcionalismo Americano e movimentos sociais atuais como o Occupy para criar uma realidade alternativa única que, ao mesmo tempo, reflete, satiriza, ironiza e questiona o mundo onde vivemos. E, claro, ainda dou pontos extras para o game por estar na minha lista pessoal de favoritos de todos os tempos.

Claro que o ano não para nesses ícones. A Nintendo fez a sua parte, trazendo excelentes títulos para seus consoles, como Super Mario 3D World (Wii U), Fire Emblem: Awakening (3DS) e The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS), Animal Crossing: New Leaf e Pokémon X e Y, entre outros. O ano também viu outros grandes lançamentos, como Rayman Legends, Dota 2, Brothers: a Tale of Two Sons, Tomb Raider e Assassin's Creed IV: Black Flag. Apesar de não ser muito lembrado, Rocksmith 2014 chegou para reviver o gênero musical, e trouxe inovações o suficiente para isso. No mundo dos indies, Fez, Gone Home, Papers, Please e The Stanley Parable (um favorito meu) inovaram cada um de seu jeitinho próprio. Pessoalmente, considero que talvez este tenha até sido o ano mais forte da história para os games independentes.

Vote no seu favorito! 

Qual dos anos que escolhemos para os games você considera o melhor?

1998
30.09%
2013
27.86%
2004
26.23%
1997
15.82%

Total de 2326 votos

 

Tags
  • Redator: Redação

    Redação

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.