Economizamos ainda mais: veja o retorno do PC da Crise!

Depois de um belo tombo no final do ano passado, o PC Baratinho ficou temporariamente fora de combate. Em seu lugar, tivemos dois episódios com uma nova experiência nossa: o PC da Crise. Atendendo a pedidos, reduzimos ainda mais o orçamento, e montamos um computador que serve para jogar, por mais que não seja capaz de atingir alta qualidade ou até mesmo rodar algumas franquias mais recentes.

PC da Crise 2016 para Jogar Adrenaline - o computador que consegue rodar os jogos
PC da Crise 2016 nos esteroides: ligamos uma R7 250

Com o retorno do PC Baratinho no episódio de Rise of the Tomb Raider (ou como preferimos chamar, Rise of the Baratinho), o PC da Crise que usava emprestado o vintage gabinete Maxtron Capricorn II ficou sem "casa".

PC Baratinho enfrenta Rise of the Tomb Raider 

Pois é hora desse PC fazer seu retorno, afinal a crise ainda não foi embora e o orçamento da galera tá apertado!

O PC da Crise retorna com as mesmas especificações, que incluem (pesquisa feita em 06/03):

- AMD A8-7600 - R$ 509
- ASUS A58 A58M-A/BR - R$ 310
- HD de 2,5" 250GB - R$ 100
- 8GB (2x4GB) de memória RAM 1866MHz - R$ 300
- Fonte 300W SFX -  R$ 70
- Tela, mouse e teclado reaproveitados de PCs velhos - R$ 0
- Gabinete que nós mesmos construímos - R$ 10 (gastos com LEDs e botão)

Custo total estimado desse PC: R$ 1.299

Senhoras e senhores, hora de conhecer o nosso PC de mais baixo orçamento:

- Continua após a publicidade -

Qual gabinete pode ser mais barato que gabinete nenhum?

 

Montar o PC dentro da própria caixa da placa-mãe não é algo totalmente novo. Vimos PCs desse estilo no AMD Tech Day, em 2014. Na época o objetivo era mostrar a eficiência da plataforma AM1:

Mas não é preciso ser com a caixa da placa-mãe. Como nos mandou por e-mail o André Ota por e-mail, depois de fazermos um teaser que o PC da Crise voltaria, dá para montar PCs em outros "gabinetes curiosos":

Nosso projeto conta com algumas vantagens, comparado ao daquelas da AMD. Nossa fontes está "integrada" ao gabinete. E por integrada, entendam colada com fita dupla face. Por utilizarmos uma fonte do tipo SFX, mais leve e compacta, a fita é mais que o bastante para manter o PC da Crise em uma única peça.

- Continua após a publicidade -


O nosso baixo orçamento do gabinete não passou impune. Apesar de utilizarmos as estruturas de metal típicas de gabinetes tradicionais para evitar o contato da placa-mãe diretamente com a caixa (alto o suficiente para colocar o HD nessa fresta) o aquecimento se tornou um problema para o da Crise. Isso aparentemente fez com que o A8 reduzisse a frequência da iGPU em vários momentos. Utilizamos o AMD Overdrive para forçar a frequência a não sair dos 720MHz, e assim evitamos perdas de performance. Apesar do maior aquecimento, o sistema não se tornou instável nem alcançou pontos críticos. Utilizarmos uma ventoinha de baixa qualidade também não ajudou nesse processo.

Um detalhe sobre PCs nas caixas da placa-mãe: aquecimento é um problema

Considerando que não gastamos nada no gabinete do PC Baratinho, que foi encontrado em um galpão, abandonado, a montagem desse "gabinete" do PC da Crise tem mais a ver com a diversão da coisa do que a praticidade ou eficiência. Definitivamente, não recomendamos repetir esse experimento, especialmente em computadores que serão mantidos ligados muito tempo ou sob muito estresse. 

Ao longo de nossos gameplays com múltiplos jogos, deu para perceber que não dá para sair jogando qualquer game, e o chip gráfico integrado é o grande gargalo. Quando a demanda na GPU é muito alta, os games simplesmente não alcançam a fluidez ideal independente da configuração usada. Nesse caso se encaixam games como Rise of the Tomb Raider, Assassins Creed Syndicate, Hitman, The Witcher 3: Wild Hunt, Fallout 3, etc.

É preciso pegar leve na carga para cima da GPU integrada, codinome Spectre. Se aliviamos o trabalho dela, com games menos exigentes, sobra muito espaço para diversão. O excelente Rocket League pode ser jogado em 1080p, com qualidade intermediária se você travar em 30FPS, ou mesmo cravar 60FPS em configuração mínima ainda mantendo o FullHD. Games como Mad Max e Metal Gear V: The Phatom Pain, jogos "AAA" e exemplos de otimização, rodam sem problemas em resolução HD e qualidade gráfica intermediária.

Títulos um pouco mais antigos, porém ainda excelentes, também tem boas chances de fazer sucesso na máquina, casos como Tomb Raider (o primeiro do reboot), Bioshock Infinite ou o clássico Counter Strike: Global Offensive. Outros títulos que trouxeram resultados interessantes foram os free-to-play, com boa performance em jogos como DOTA 2.

A experiência foi interessante com vários games free-to-play e games AAA mais antigos, com gameplay fluido em resolução FullHD

 

Com já fizemos em outros vídeos, vamos manter o PC da Crise montado por aqui, e em futuros episódios do PC Baratinho podemos colocar em ação esse hardware, quando houver uma chance dele conseguir encarar algum game. Falando em PC Baratinho, finalizamos os testes e o vídeo já está em edição. Ainda essa semana ele encara Tom Clancy's The Division! 

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube