Periféricos gamers da ostentação: testamos mais de R$ 2,5 mil em acessórios Strix para games

Em maio de 2014 a Asus lançou uma nova linha de produtos, a Strix, com o objetivo de atuar em um segmento intermediário e alto. Além de modelos de placas de vídeo, como a R7 370 e R7 380 Strix analisados recentemente, a empresa também trouxe um conjunto de periféricos voltados aos gamers. Recebemos para testes um kit completo de periféricos da linha, com direito a mouse, headset e teclado.


Nossos testes incluem produtos que acabam de desembarcar no Brasil, e é composto pelo headset Strix 7.1, o mouse Strix Claw e o teclado mecânico Strix Tactic Pro. Todos os periféricos são produtos de alto desempenho focado em jogos. Ficou faltando só o mousepad, que está disponível no mercado brasileiro por R$ 120.

Site oficial Strix 7.1
Site oficial Strix Claw
Site oficial Strix Tactic Pro

Com algumas horas de jogatina acumulada, vamos passar para vocês nossas impressões dos três periféricos que prometem "apurar" os sentidos dos gamers nos momentos críticos de ação em seus jogos. 

Strix Tactic Pro

O teclado da linha Strix vem equipado com switches do tipo mecânico, um diferencial importante para os gamers ao entregar mais responsividade e um feedback bastante perceptível. O teclado chega com teclas Cherry MX nas opções preto, azul, castanho ou vermelho, cada uma dessa variantes com diferentes pressões para acionamento e até variações no ruído produzido. Apesar de na caixa estar indicado o switch Red, curiosamente ao retirar as teclas vimos que o nosso modelo de testes é o Cherry MX Blue, versão com acionamento em apenas 2.2mm de deslocamento e que entra em ação com apenas 60cN de força.

Para ver em detalhes as diferenças entre os switches Cherry MX, acesse esse link 

Por conta do uso de teclas do tipo mecânicas, as respostas são excelentes e o feedback é muito perceptível. A nossa variante utiliza switches um tanto barulhentos, algo comum em teclados desse estilo, mas quem prefere um teclado mais discreto pode escolher modelos com as variantes Cherry MX Black e Red Silent. 

Tactic Pro é um teclado mecânico bastante responsivo e eficiente

Entre as outras tecnologias que equipam esse teclado está a N-Key Rollover, recurso que detecta individualmente cada pressionamento de teclas, conseguindo registrar todos seus comandos, com um total de até 100 teclas sendo registradas ao mesmo tempo. 

São no total 21 teclas macros programáveis, sendo 10 adicionais à esquerda, três mais próximas da base e também é possível modificar o funcionamento das teclas F1 a F12. O botão ALT traz a função de gravação de macros "on-the-fly", e um botão do tipo roda serve para alterar de forma rápida o volume e também traz botões de controle de multimídias. LEDs indicativos no topo de teclado servem para mostrar qual dos 3 perfis programáveis está em operação.

Além de configurações "on-the-fly", que possibilitam criar macros em tempo real, o Tatic Pro conta com um software de configuração, o Strix Software. Esse teclado conta com um total de três perfis programáveis e memória interna para armazenar suas configurações, mantendo seus ajustes mesmo que você mude de computador.

Como outros produtos da linha Strix, o Tactic Pro tem um preço impeditivo

Seu custo no exterior gira na casa dos 160 dólares, o que situa esse periférico no mesmo patamar de outros modelos topo de linha.  No país temos ele à venda por R$ 840, o que coloca ele em um custo superior a diversos de seus concorrentes diretos e uma opção nem um pouco barata.

- O Strix Tactic pro está disponível por R$ 831,24 na Kabum

Strix Claw

O mouse é o Claw, um periférico que apesar do nome não é com pegada do tipo "garra". Temos aqui um mouse para destros com uma pegada no estilo ponta dos dedos, e tem como foco games de tiro. 

Por conta do foco nesse estilo de game, o mouse não abusa na quantidade de botões adicionais e que evita complicar demais as coisas. Temos aqui três botões programáveis ao alcance do polegar e dois botões no topo, utilizados para a troca de DPIs. Um LED indicador no botão esquerdo mostra qual é o nível de sensibilidade em uso, e é possível programar quatro níveis de DPI.

O sensor óptico PixArt PMW3310 permite até 5000 DPI e velocidades de até 3.32 metros por segundo. Esta característica é ajustável com incrementos de 50 DPI, possibilitando ao gamer encontrar uma configuração mais adequada ao seu estilo de jogo. Os switches são os Omron D2F-01F construídos no Japão, e a promessa é de alta durabilidade nesse componente.

O Claw é um mouse ágil e com botões bastante rápidos, uma boa pedida para jogos de FPS

No exterior o mouse é encontrado na faixa dos 100 dólares, enquanto que aqui no país ele chegou recentemente por R$ 499. E um preço bastante alto, o que resulta em uma relação entre custo e benefício bastante ruim, e torna esse mouse em uma opção apenas para quem está disposto a desembolsar todo esse valor. Como se trata de um lançamento, também é possível que nos próximos meses ele apareça por um preço mais interessante.

- O Strix Claw está disponível na Kabum por R$ 424,91

Headset Strix 7.1 

Fechando o nosso combo de periféricos gamers da linha Strix, o headset Strix 7.1 é um fone de ouvido bastante robusto e tem como principal atrativo o áudio 7.1 "real". A diferença desse fone para muitos outros que se dizem com "7.1 surround" é que a sensação de profundidade não é criada via recursos de software: o headset conta com um conjunto de speakers em ambos os lados, distribuídos de uma forma que possibilita ao fone criar uma sensação de profundidade, e principalmente de direção, de forma muito mais eficiente.

No total são 5 ímãs de neodímio, posicionados como som frontal, lateral, traseiro, central e subwoofer. O trabalho em conjunto dessas peças torna o fone capaz de trazer uma noção ao jogador de qual a direção em cada áudio, tornando possível que o gamer identifique de forma clara de onde é a origem de um ruído.

O grande mérito do Strix 7.1 é o excelente sistema surround, capaz de dar claramente a sensação de direção no áudio

O Strix 7.1 é um headset do tipo fechado e com um soundstage pouco amplo, logo você não tem uma sensação de profundidade muito ampla. Outro defeito é os detalhes do áudio: esse fone não possui uma definição clara, e tons agudos e médios se misturam, o que torna esse fone pouco interessante para quem quer ouvir músicas.

No que importa e muito, porém, o Strix 7.1 se sai muito bem: ele cria uma imagem muito clara. É muito perceptível a direção de onde está vindo um ruído, e dá para praticamente fechar os olhos e prestar atenção apenas nos fones para predizer de onde está vindo o inimigo. Em games como Rainbow Six Siege, esse grau de precisão foi um diferencial muito importante, e saber de qual porta está vindo o inimigo é determinante nas brigas pelos corredores estreitos desse game.

A customização do fone e modificação no seu funcionamento é feita totalmente através de uma estação USB. A configuração não é difícil, mas é preciso uma curva de aprendizado para aprender as capacidades desse hub. Com ele é possível encontrar um bom balanço de intensidade de cada canal, um nível de nitidez mais adequado para cada estilo de jogo e até regular a "força" do subwoofer.

R$ 1.4 mil é um preço assustador para um headset

Novamente o grande inimigo desse produto é o preço. Ele chegou ao país com preço na casa dos R$ 1.4 mil, incrivelmente elevado se comparado a outros headsets e caro mesmo dentro de seu segmento de fones 7.1 "reais", que conta com poucas opções como é o caso do também caro Razer Tiamat. É um produto com várias qualidades e bem interessante, mas que fica difícil de recomendar por conta de um custo tão salgado.

- O Headset Strix 7.1 está disponível na Kabum por R$ 1.442,37

Nossa visão geral do kit Strix é bastante positiva. Temos aqui produtos de alta qualidade e com as principais características que os gamers que desejam alto desempenho buscam. A grande barreira de todos esses acessórios é seu custo: em vários momentos encontramos produtos de rivais que possuem características relativamente semelhantes, mas por um preço menos elevado. Isso impressiona ainda mais se considerarmos o quanto os periféricos caracterizados como "gamers" já costumam ter seu preço inflacionado.

Os periféricos da linha Strix chegam ao Brasil com ótima qualidade, mas preços nem um pouco amistosos

Como se trata de um lançamento, é plausível esperar por preços mais amistosos no futuro. No momento, podemos concluir que os periféricos da linha Strix são um conjunto de acessórios excelentes para games. Só não espere um preço muito amistoso na hora de adquirí-los.

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube