O que é MirrorLink, o mais popular sistema que liga smartphones a automóveis

Desde muito antes da Apple anunciar o CarPlay e da Google apresentar oficialmente o Android Auto, havia uma outra solução que ligava carros e smartphones. Trata-se do MirrorLink, padrão de conectividade considerado "agnóstico" por não aceitar apenas aparelhos de um único sistema – no caso, ele é compatível com Android e Nokias com Symbian (lembra deles?), mas há a possibilidade de ampliação dessa lista. Ele foi lançado em 2011, como a versão comercial de um projeto chamado Terminal Mode, que estava sendo desenvolvido pela Nokia em parceria com o grupo Consumer Electronics for Automotive (CE4A).

Artigo: O que é Android Auto, o sistema da Google feito para automóveis

Artigo: O que é e os principais recursos do Apple CarPlay

Hoje, apesar da chegada de opções de peso como Apple CarPlay e Android Auto, o MirrorLink segue presente em muitos sistemas de infotainment. Afinal, ele é uma oferta mais madura, que está há mais tempo no mercado, e para o qual os desenvolvedores tiveram mais tempo para trabalhar até agora. Além disso, ele é a única esperança dos usuários de Windows Phone (ou smartphones com Windows 10) de, num futuro próximo, conectar seus smartphones em seus carros. Afinal, a Microsoft mostrou uma versão conceito de um conceito chamado Modern e feito para carros em 2014.

Espelhando a tela do smartphone
Como todo os outros sistemas do tipo, o MirrorLink também se propõe a espelhar os aplicativos que estão rodando em um smartphone na tela de multimídia do carro. Para isso, basta conectar o aparelho ao carro utilizando um cabo específico. Mas, apesar da tecnologia estar no mercado há um certo tempo, ela ainda engatinha em termos de aplicativos certificados para operar. O processo é gerenciado pelo Car Connectivity Consortium (CCC), um grupo criado para promover a tecnologia, mas sofre por ser muito lento e custar caro. Clique aqui para conferir a longa lista de diretrizes, que buscam garantir que o app seja seguro para uso com o carro andando.

Para um aplicativo instalado no smartphone ser compatível e rodar na tela do carro, ele precisa ser homologado pelo sistema, sendo que existe uma série de restrições visando a segurança dos passageiros

Com isso, apenas um número limitado de apps está disponível para o sistema. Entre eles temos opções de áudio como Spotify, miRoamer, Voice Infos Â– muitos desses funcionam via o RockScout, app criado para o MirrorLink – navegação e localização como Sygic, Glympse e BringGo e... não muito mais do que isso. Não que Android Auto e Apple CarPlay possuam muitos apps de outras categorias, mas a questão é que eles possuem mais variedades para cada um desses segmentos.

Suporte de fabricantes de carros e smartphones
O CCC é composto por uma série de grandes empresas, tanto da área veicular, quanto da parte de dispositivos móveis. O MirrorLink é apoiado por 75 companhias, que representam 70% do mercado de carros e 60% do mercado de smartphones. Elas incluem as gigantes Samsung, HTC e LG, além da Nokia, que hoje está um tanto afastada desta área, ao menos momentaneamente. Já as fabricantes de carros incluem Toyota, Honda, Volkswagen, General Motors, BMW, Fiat, Hyundai e Volvo, entre outras. No Brasil, a Volkswagen trouxe o sistema no Fox e na Spacefox 2016, assim como no Golf Variant e recentemente no Jetta. Outro carro com MirrorLink é o Toyota Etios 2016. Também é possível encontrar o sistema em determinados veículos importados.

Por essa lista, já dá para perceber a falta de muitas grandes fabricantes de carro no momento, para começo de conversa. Afinal, muitas montadoras acabam apostando em soluções próprias para os sistemas multimídia de seus carros. Isso acaba sendo um grande problema para essa parte da indústria, que fica bastante fragmentada – sem contar para os usuários, que muitas vezes precisam lidar com sistemas cheios de problemas e enfrentar a falta de aplicativos.

Site oficial do MirrorLink

Afinal, é bem complicado para os desenvolvedores ter que criar uma versão do aplicativo para cada aparelho multimídia. Isso acaba, inevitavelmente, reduzindo o público-alvo dos apps e, consequentemente, o lucro de quem os cria. Na parte dos smartphones, para começo de conversa, temos suporte a apenas 3 fabricantes de aparelhos Android. Além disso, não são todos os smartphones dessas empresas que são suportados. No site do Mirrorlink, você pode conferir a lista completa.

Felizmente o futuro promete ser diferente, com uma série de empresas adicionando os novos sistemas em seus carros. 

Impressões da central multimídia do Honda HR-V 2015/2016 com MirrorLink

Soluções de terceiros
Mesmo que um carro não inclua o MirrorLink de fábrica, há algumas centrais multimídia de terceiros que trazem o sistema. A Pioneer, por exemplo, comercializa duas centrais com o sistema, chamadas AVIC F970TV e AVIC F70TV.  A Sony também lançou alguns aparelhos com o sistema, como é o caso do XAV-602BT. A Panasonic também se envolveu com esse mercado, mas é difícil até de achar informações sobre suas centrais.

Elas podem ser instaladas em basicamente qualquer carro, mas é preciso ficar atento a alguns detalhes. Caso a moldura do painel do seu carro não seja no formato 2 din, por exemplo, será necessário trocá-la por uma compatível. Também é necessário ficar atento se seu veículo tiver comandos no volante. Afinal, será necessário trocar uma peça chamada chicote e existe a possibilidade de perda de determinadas funções. Fora isso, eles funcionam exatamente como um sistema que veio de fábrica funcionaria.

Conclusão
Hoje, o MirrorLink é líder do mercado de sistemas para centrais multimídia, de acordo com a consultoria IHS Automotive. Nas estimativas deles, o MirrorLink estará em cerca de 1,1 milhão das unidades vendidas em 2015, enquanto o Apple CarPlay vai estar em 861 mil e o Android Auto em 643 mil. Porém, a expectativa é de que, em 2020, o MirrorLink esteja em 3º nesta lista – e por uma larga margem.

Claro, é difícil disputar com gigantes como Google e Apple, ainda mais quando elas podem centralizar todo o ecossistema em torno de seus sistemas operacionais para smartphones. Além disso, por ser tão descentralizado, o MirrorLink acaba sofrendo por todos os problemas que apontamos neste artigo – como lentidão no processo de certificação de aplicativos, para citar um exemplo. Isso explica a previsão da IHS, que tem o CarPlay como líder com mercado em 2020, inserido em 37 milhões de centrais multimídia. Em segundo, deverá estar o Android Auto, com 31 milhões, enquanto o MirrorLink ficaria em 3º com 17 milhões. Um incrível crescimento de 17 vezes, é verdade, mas longe do necessário para seguir na liderança do mercado.

Testamos o sistema de infotainment da HR-V EXL 2015/2016 que traz suporte ao MirrorLink, o porém é que mesmo utilizando um smartphone compatível e de última geração o resultado não foi tão animador como podem ver abaixo:

 

Tags
lg
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.