7 anos de evolução em placas-mãe e processadores: Intel P45 vs Z170

Com nossos benchmarks a todo vapor para o desenvolvimento do VGA Chart desse ano, algumas relíquias estão saindo das gavetas. Em um mercado onde não raro reclamamos da falta de inovações e um tanto de estagnação, esticando o período de nossas perspectivas para mais (muito mais) que uma geração, vemos avanços bem mais significativos, desde performance a até os mais estéticos.

Nossos dois extremos são duas placas-mãe topo de linha, a Gigabyte GA-EP45-DS4P, baseada no chipset P45 e lançada nos idos de 2008, enquanto a representante do mundo contemporâneo é outra placa da Gigabyte, a GA-Z170X-Gaming G1, analisada recentemente por aqui.

Colocando lado-a-lado, temos duas realidades bem diferentes:



GA-EP45-DS4P



GA-Z170X-Gaming G1


Chipset

Intel P45

Intel Z170

Processadores

- Continua após a publicidade -

Core 2 Extreme/ Intel Core 2 Quad/ Core 2 Duo/ Pentium
Codinome YorkField

6ª Geração de processadores Core
Codinome Skylake

Litografia

45 nanômetros

14 nanômetros

- Continua após a publicidade -

Memórias

até 16GB DDR2 1333+MHz

até 64GB DDR4 3866MHz

Canais de memória

Dual-channel

Dual-channel

Slots de expansão

PCI Express 2.0

PCI Express 3.0

USB

12x USB 2.0

4x USB 3.0
6x USB 2.0
1x USB 3.1 Tipo-C
2x USB 3.1 Tipo-A

Audio

Realtek ALC889A codec

Creative Sound Core 3D chip

LAN

2 x Realtek 8111C chips (10/100/1000 Mbit)

2 x Killer E2400 chips (10/100/1000 Mbit)

Wireless

Não possui

Killer Wireless-AC 1535 802.11 a/b/g/n/ac, 2.4/5 GHz

Bluetooth

Não possui

V4.1

Site oficial

Link

Link

Detalhes em fotos

O socket da placa P45 é o LGA 775, ou como também era conhecido, o soquete T. Ele é um dos que introduziu o LGA em CPUs Intel, ou seja, trocou os pinos do processador para a placa-mãe, formato que continua em uso hoje pela AMD. Na placa Z170 o soquete passa a ser o LGA 1151. Atente para a diferença no número de capacitores em torno do processador.

O chipset já nos mostra a evolução no design das placas. Enquanto a dissipação de calor na P45 é composta por algumas aletas, a placa Z170 traz uma estrutura imponente, com design caprichado e compatibilidade com resfriamento líquido.

Falando em resfriamento, a diferença também é notável em torno do processador, onde o resfriamento líquido é inserido na placa Z170. Também dá para ver por ali a presença massiva de capacitores sólidos por baixo.

Os diferentes chipsets trazem também suporte a tecnologias bem diferentes quando o assunto é memórias, e curiosamente ambos são produtos de transição de tecnologias. O P45 é compatível tanto com memórias DDR2 quanto DDR3, sendo compatível com até 16GB na tecnologia mais antiga e 8GB na mais recente, operando em até dual-channel. O Z170 faz a transição entre o DDR3 e o DDR4, suportando até 32GB do primeiro e 64GB do segundo, também operando em dual-channel. Apesar de já existir o triple e quad-channel, essas tecnologias ficaram restritas a linha Intel Extreme, com chipsets como o X58 e X79, além do mais recente X99.

Memórias DDR4 e DDR2

Mas nem tudo muda. Os conectores de energia do fan do processador e a conexão de 24 pinos que alimenta a placa-mãe continuam os mesmos. Os processadores também possuem um conector de 8 pinos para alimentação, mas com uma diferença: enquanto o TDP do Intel Core 2 Quad Processor Q9550 que utilizamos na placa mais antiga é de 95W, o Skylake Core i7-6700K tem 91W.



As conexões PCI-Express possuem uma aparência semelhante, porém a placa P45 traz a tecnologia 2.0, enquanto a Z170 chega equipada com a 3.0.

As duas placas possuem conexões SATA, sendo 2.0 na P45 com velocidade teórica de até 300MB/s, enquanto a Z170 tem a versão 3.0 do SATA e também o Sata Express, o que representa uma velocidade de transmissão de dados teórica de até 600 MB/s e 1000 MB/s, respectivamente.

O curioso é a presença de conexões adicionais: a Z170 traz dois slots M.2, uma conexão que vem sendo implementada em SSDs portáteis e que possui um limite teórico de até 32 Gb/s (capaz de mover 4GB a cada segundo). Já a placa P45 traz um "pequeno fóssil": uma conexão IDE, padrão que praticamente se "arrasta" para transferir arquivos, com performance teórica de apenas 133MB/s.


A antiga conexão IDE e seus 40 pinos, e o M.2 entre os slots PCIe

Outra tecnologia que evolui é a conexão USB. Enquanto a placa EP45 traz conexões no padrão 2.0, com limite de velocidade de 480 Mbit/s, a Z170 está recheada de USB 3.0, com limite teórico de 5.0 Gbit/s. Também estão presentes duas conexões 3.1 (uma pequena e uma vermelha), que dobram a velocidade (10 Gbit/s) e ainda introduzem um novo formato, o Tipo-C, que é mais compacto e é reversível, tornando (quase) impossível errar a conexão.

Performance
Chega de teoria e comparativos de especificações. Hora de colocar os anos de evolução tecnológica para provar seu valor em benchmarks, sempre destacando que ambos os sistemas estão rodando com uma GeForce GTX 980 Ti modelo referência sobre o Windows 10:

 

Bom pessoal, aqui fica esse "aperitivo" de nosso grande artigo comparativo entre processadores, onde iremos contar com 36 modelos inicialmente (e iremos ampliar esse número cada nova CPU que chegar aqui!). Esse lado-a-lado nos dá uma ideia da diferença de plataformas que teremos "se enfrentando" ao longo dos benchmarks. Fique de olho no site, que me breve vai ao ar!

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube