Os melhores de bateria dos Androids: o Xperia Z3 vs o Moto Maxx

Pra quem jÁ acompanhou minha lamúrias em outras colunas e nos Videocasts Tech, jÁ deve ter adivinhado que ao proposta do Moto Maxx me agradou muito: engorda o aparelho um pouquinho para poder socar uma bateria maior. A Motorola jÁ fez isto no passado, mas era no seu período obscuro da era "Moto Blur" com aparelhos como o Razr Maxx, e quando a empresa deu uma melhorada - Razr i - e depois ficou excelente - era Moto - estava faltando trazer a linha Maxx novamente para os que não curtem ficar procurando tomada.

AnÁlise: Moto Maxx - A bateria que você sempre quis, em um smartphone Android excelente
AnÁlise: Xperia Z3 - Ótimo smartphone com uma tela excepcional e resistente à Água, só que mais caro que rivais

A fórmula não tem erro: se tem mais miliamperes, tem maior autonomia. E isto se refletiu em nosso teste de bateria:


O curioso é observar outro aparelho que ficou logo atrÁs, o Xperia Z3. Com expressivos 800 mAh a menos (mais ou menos 20% abaixo), ele raspou no Maxx com um desempenho apenas 5% inferior. Qual o truque?



Xperia Z3

Moto Maxx
Processador
Snapdragon 801,
quad-core, 2.5GHz
Snapdragon 805,
quad-core, 2.7GHz
Chip GrÁfico
Adreno 330 Adreno 420
Armazenamento
16/32GB (interna) +
128GB (microSD)
64GB (interna)
RAM
3GB 3GB
Sistema Operacional
Android 4.4 Android 4.4.4
Câmeras
Traseira 20.7MP /
 Frontal 2.2MP
Traseira 20.7MP /
Frontal 2MP
Tela
LED IPS LCD 5.2''
(1080 x 1920)
AMOLED 5.2''
 (1440 x 2560)
Dimensões
146 x 72 x 7.3 mm 73,3 x 143,3 x 8,3-11,2 mm
Peso
152g 176g
Bateria
Li-Ion 3100 mAh Li-Po 3900 mAh
LTE
TV Digital
Resistência
À prova d'Água e poeira
Resistência à Água
Preço (03/12)
R$1.999,00 R$1.999,00

As especificações podem justificar um pouco. O Maxx tem um hardware mais potente, mas isto não quer dizer necessariamente mais consumo, pelo contrÁrio: com uma maior potência do chip, ele pode reduzir a frequência  e funcionar de forma mais eficiente que um chip mais leve. Na resolução temos um primeiro elemento que pode ter influenciado: enquanto o Z3 estÁ em "apenas" FullHD, o Maxx chega com QuadHD (2560 x 1440). Com mais pixels na tela, o hardware passa mais trabalho para renderizar as imagens. Aumenta o consumo, mas não parece o bastante para explicar a diferença.

O truque do Z3 estÁ no software. A Sony modificou o Android com o "Stamina", uma tecnologia bastante agressiva na hora de economizar bateria. O app é praticamente um sargento, alinhando os demais aplicativos para de quem é a vez de acessar a conexão e se atualizar, e limitar o quanto eles podem ficar operando em segundo plano. A diferença que os software faz fica bem evidente neste benchmark, com um crescimento de mais de 50% no score do Basemark OS II:

- Continua após a publicidade -

Mas nada na vida é de graça, e o estilo mandão do Stamina traz suas consequências. É perceptível um certo atraso em receber notificações, comparado ao que acontece com o Maxx. Em outros momentos, é visível que o smartphone só sincroniza alguns apps na hora que você desbloqueia a tela. Isto estÁ relacionado a forma como opera o Stamina, e ele mesmo te avisa disto ao ativÁ-lo.


Este defeito invalida o que o Stamina ganha de autonomia? Nem um pouco. É possível customizar o funcionamento do "sargento da bateria", e permitir a atualização de apps em segundo plano, ou definir exceções que irão ficar livres deste controle rígido de energia, uma boa pedida para garantir que seus "zaps zaps" sempre cheguem na hora. Quanto mais você afrouxar para os aplicativos, menos eficiente se torna o Stamina, mas é bem possível encontrar um bom balanço entre economia e atualizações periódicas.

Quando vamos rodar games e vídeos, por exemplo, o Stamina não farÁ milagres. Como o bruto do consumo serÁ causado pelo processador e pelo brilho da tela, o software da Sony não conseguirÁ reduzir o gasto destes aplicativos e o Maxx ficarÁ em vantagem.

Na hora de escolher um smartphone com boa bateria, com qual ficar, então? Particularmente, prefiro a solução via software do Xperia Z3, que consegue aumentar sua autonomia mantendo um design fino e leve através de uma solução bastante inteligente, afinal tem muito software consumindo recursos do sistema sem necessidade. Para quem não pretende moderar em nada no uso de seu smartphone, e abusa de games e vídeos, o Maxx serÁ uma solução superior, afinal resolve a questão da duração bateria da forma mais direta possível: com mais bateria.

Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube