O Orkut ainda vive

Julho de 2013. Um email entre a infinidade de não lidos espanta e traz anexa a nostalgia: "Fulano quer ser seu amigo no Orkut". A solicitação vem acompanhada das lembranças do que pode ter sido a primeira rede social de boa parte da geração Y. UsuÁrios interagiam entre si através dos recados e depoimentos no perfil, ou em tópicos de comunidades. Caso o dia não estivesse bom, a sorte diÁria do Orkut poderia ser a salvação.



Criada em 24 de janeiro de 2004 pelo engenheiro turco do Google, Orkut Büyükkökten, a rede social figurou como o principal e maior meio de relacionamento virtual no Brasil até meados de 2011, quando foi batido por outra rede que prometia uma interação maior com seus amigos e a possibilidade de se conectar, facilmente, com pessoas de qualquer lugar do mundo: o Facebook. A nova plataforma, desenvolvida por Mark Zuckerberg, atraiu os usuÁrios do Orkut e a migração foi inevitÁvel. A partir daí, o número de usuÁrios do site do Google diminuiu consideravelmente.

Uma pesquisa feita pelo Experian Hitwise mostra que, antes de ser ultrapassado pelo Facebook, em abril de 2011, o Orkut detinha 50,51% das visitas brasileiras. Esse percentual despencou para 2,20% neste ano. Apesar do baixo número, o site é o terceiro do gênero mais acessado no país. Na frente dele estÁ o Facebook, com 66,54% dos acessos e o site de compartilhamento de vídeos YouTube, com 18,48%. AtrÁs estão o Ask.fm (2,1%), o Yahoo! Repostas (1,8%), o Twitter (1,75%) e outros.

Apesar da queda brusca, o Orkut ainda possui seus usuÁrios fieis. O acesso até pode não ser diÁrio, mas tem certa regularidade: uma vez por semana, a cada duas semanas, a cada mês. Lucas Oliveira, de 21 anos, utiliza a rede social para procurar por links de downloads de filmes e torrents. Ele diz que ainda hÁ grande movimento em algumas comunidades, mas percebe que, mesmo nesses locais, o acesso vem diminuindo. Hoje o estudante possui uma conta ativa no Facebook que foi criada porque todos os seus contatos estavam migrando para lÁ. Entre outros motivos, essa é uma das razões que levou muitos usuÁrios a fazerem o mesmo.

Na era do armazenamento de arquivos em nuvem hÁ quem mantenha a rede social do Google ativa para não perder as inúmeras fotos adicionadas ao perfil ao longo do tempo. É o caso do professor George França, de 27 anos, que possui cerca de 1300 fotos desde que se cadastrou no site, em 2004. Elas são importantes pois retratam as mudanças pelas quais França passou ao longo do tempo. "HÁ fotos de cabelo comprido, bicolor, tingido escuro, mais curto...", diz. JÁ o estudante Luan Martendal, de 20 anos, se arrepende de ter excluído o perfil, pois perdeu todas essas imagens.


Ao contrÁrio de Luan, Helena Stürmer resgatou algumas fotos em uma das últimas vezes que entrou no Orkut. A estudante de 22 anos fez a busca tanto nos seus Álbuns como nos de amigos. Embora muitos dos seus colegas tenham deletado a conta, ela acredita que a maioria ainda possua o perfil, mesmo que logando bem de vez em quando. "É engraçado porque lÁ o tempo parou", diz. "Tem gente que ainda tÁ com o status "namorando", por exemplo, e jÁ terminou o relacionamento hÁ mais de um ano".

Stürmer prefere a rede social do Google ao Facebook e acredita que os dois sites são usados para diferentes fins. Para ela, enquanto o Orkut era mesmo social, para manter contato através dos recados, o Facebook é mais uma rede de compartilhamento, opinião, manifestação. "O passado tÁ lÁ (no Orkut). Eu me prefiro lÁ do que no Facebook".

{break:: Orkut bom é Orkut sem muitos usuÁrios}

Enquanto alguns deixaram o Orkut para trÁs porque o movimento diminuiu e todos os amigos começaram a migrar para o Facebook, alguns preferem a mídia social assim, abandonada. A popularização das redes faz com que cada vez mais pessoas publiquem ou compartilhem conteúdo que desagrada a outros.

- Continua após a publicidade -

Augusto Tremarim, de 21 anos, se refere a essas pessoas como "escória digital". "Pode parecer muito abrangente e impaciente da minha parte, mas me refiro a gente que passa o dia compartilhando mensagem religiosa, correntes e todo o tipo de coisa por ser desprovida de informação. Gente que cai em qualquer tipo de boato virtual, que compartilha fotos para ganhar carros e celulares inexistentes", explica. Com essas pessoas migrando para o Facebook, ele acredita que o Orkut ficarÁ com publicações menos poluídas, principalmente nas comunidades que frequenta. Tremarim considera que essas comunidades estão muito à frente dos Grupos do Facebook quando usadas como fóruns para discussões. A divisão dos tópicos facilita a organização e o acompanhamento dos posts.

O Gerente de Tecnologia da Informação, Rafael Brandão, de 33 anos, concorda com Augusto. Ele desaprova abrir o Facebook e encontrar fotos religiosas, de bichinhos ou imagens que mostram as desgraças do mundo. Prefere uma rede social mais enxuta, na qual possa falar com os amigos e enviar umas fotos. "Se eu quiser ver notícia, vou a algum site que tenha notícias". Ele diz que estÁ na hora de voltar para o Orkut, jÁ que o Facebook estÁ "orkutizado" – expressão difundida entre os usuÁrios quando o site se popularizou e o comportamento de algumas pessoas passou a ser considerado inadequado.



Quem voltar para o Orkut, verÁ o Google utilizando o serviço para direcionar o usuÁrio ao Google+, a nova rede social da empresa lançada em 2011, que ainda engatinha em número de usuÁrios ativos. Quem quiser, pode integrar as duas contas e visualizar as novidades de uma rede na timeline da outra. Quem não quiser, vai acabar sendo submetido ao Google+ de qualquer forma. Algumas alterações no layout do Orkut não deixam você esquecer que a atenção da companhia estÁ voltada para o novo site de relacionamentos.

{break::Alguns sentem saudade}

A R18, uma empresa especializada em anÁlise de dados sociais, acompanhou entre os dias 13/04 e 15/05 o que os usuÁrios do Facebook e do Twitter falam sobre o Orkut. Apesar de sua baixa popularidade, a frase "SDDS Orkut" (abreviação de ‘saudades Orkut') foi citada por 23% dos usuÁrios. Eles também lembraram das comunidades, depoimentos, correntes, scraps e dos constantes bugs.

No infogrÁfico abaixo, produzido pela R18, você confere mais jargões e funções muito utilizadas na rede social. E aí? Saudades do Orkut?


Assuntos
Tags
  • Redator: José Hüntemann

    José Hüntemann

    Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é fascinado por inovações tecnológicas. Gosta de internet, redes sociais, mobiles e futuro dos vestíveis. Mas o que mais lhe impressiona é a tecnologia que busca melhorar a vida das pessoas e não serve apenas como mero acessório. Nos games, é um zero à esquerda, mas está no pódio no campeonato de Just Dance da redação.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.