Dossiê Cougar Point (Intel P67 / H67)

Por Gian, com contribuições de Subzero

Dia 31 de janeiro a Intel divulgou um comunicado informando que a empresa identificou um erro de design no seu novo chipset. Lançado na CES 2011, os processadores com arquitetura Sandy Bridge logo ganharam fama por serem os primeiros a unir o processamento grÁfico (GPU) ao processamento do computador (CPU).


Segundo a própria Intel, os novos processadores são até 42% mais rÁpidos dos que os antigos para a produção de conteúdo e até 50% para games. Eles vinham sendo desenvolvidos desde 2005 pela empresa. Com o problema, a Intel prevê que sua receita anual seja diminuída em US$300 milhões, jÁ que a empresa teve que parar a produção do atual chipset e começar a produção de um novo. Além disso, a empresa vai gastar em torno de US$700 milhões para reparar e substituir as placas-mãe que estão no mercado.

Mas afinal, qual foi o problema com a plataforma Cougar Point da Intel? Na verdade, o problema não acontece com os processadores Sandy Bridge e sim com alguns transistores presentes nas placas mães equipadas com os chipsets da série 6 (H67 e P67), que estão deixando vazar corrente elétrica. Isso faz com que, com o tempo, as portas Serial ATA de 3Gbps (SATA II), percam potência ou até deixem de funcionar.

{break::O Problema}A plataforma Cougar Point, formada pelos chipsets Intel série 6 (como é o caso do H67 e P67) conta com dois conjuntos de portas SATA: um, composto de quatro portas que operam a 3Gbps (SATA II); e um segundo, formado por duas portas de comunicação a 6 Gbps (SATA III). 

De acordo com a Intel, o problema no chipset estÁ em um transistor na Árvore de clock PLL de 3Gbps. É que o referido transistor tem uma camada dielétrica muito fina que separa o terminal de um MOSFET da fonte subjacente (mais conhecida como gate oxide), permitindo o seu funcionamento mesmo com uma corrente elétrica muito pequena.


Diagrama dos chipsets dos processadores Intel Serie 6

- Continua após a publicidade -

Infelizmente, neste caso, a Intel preconcebeu o transistor com uma tensão muito elevada, resultando em fuga de corrente maior que o esperado. Dependendo das características físicas do transistor, a fuga de corrente pode aumentar ao longo do tempo, resultando em perda de performance do sistema de comunicação SATA II, em último caso, em uma falha geral das portas 3Gbps.

O fato dos circuitos de 3Gbps e 6Gbps terem suas próprias Árvores clocking independentes, garante que esse problema estÁ limitado a apenas as portas (2-5) de 3Gbps não atingindo, portanto, os dispositivos SATA III (portas 0-1).

Vale ressaltar que o chipset passou por todos os rigorosos testes de qualificação da Intel, bem como de suas parceiras, como é o caso dos testes de aferição de funcionalidade, confiabilidade e comportamento em diferentes condições (temperaturas elevadas, temperaturas de carga, alta tensão, baixa tensão, dentre outras). 

Contudo, diferentemente de um problema de descuido de engenharia, que acarretaria em problemas funcionais que causariam falhas durante os testes de validação, o bug no chipset série 6 é o do tipo mais "complicado" de ser detectado, pois trata-se de um erro de natureza estatística. Nestes casos, o problema não se manifesta em cada chip em uma situação geral, mas apenas em uma quantidade muito ínfima e apenas em certas condições. É justamente por isso que o bug nas portas SATA II não foi identificado a tempo.

{break::Comunicados Oficiais}A Asus divulgou um comunicado afirmando que darÁ total suporte aos seus clientes para trocar ou devolver os produtos baseados na arquitetura Sandy Bridge. A empresa também afirmou que parou de produzir e distribuir produtos com essa tecnologia. Segunda a companhia, suas placas-mãe também tem portas 6Gb/s, que não são afetadas pelo erro mas, mesmo assim, caso o usuÁrio prefira trocÁ-las, poderÁ fazê-lo. No comunicado, a Asus também informou quais são os modelos de equipamentos da empresa que podem ser afetados.

A Gygabite afirmou em comunicado oficial que os consumidores que compraram as placas com os processadores Sandy Bridge devem contactar o revendedor da placa no final do mês de abril para que a Gygabite promova a troca por outra placa-mãe equivalente. Isso só vai acontecer nesta data, pois é quando estÁ prevista a entrega de novos chipsets corrigidos para a empresa.

A MSI também divulgou comunicado afirmando que todos os consumidores que compraram produtos com o chipset Sandy Bridge poderão devolvê-los para o vendedor e que este, por sua vez, pode devolver para o distribuidor. Assim como as outras empresas, a MSI fica dependente do prazo da Intel para entregar novos chipsets para a troca dos produtos. A MSI também parou de produzir qualquer produto baseado na nova arquitetura.

A Toshiba pediu para que todas as pessoas que comprar um dos notebooks das séries baseadas em Sandy Bridge, que estavam sendo vendidos desde 9 de janeiro, procurassem as respectivas lojas para devolver o computador e serem ressarcidas por isso.

A Dell retirou das vendas todos os produtos que poderiam vir a ter algum problema.

- Continua após a publicidade -

A HP cancelou o encontro com a imprensa marcado para o dia 10 de fevereiro. Nele, provavelmente a companhia iria divulgar seus novos modelos de notebooks baseados na nova arquitetura. A companhia, assim como as outras, afirmou que consumidores e distribuidores serão ressarcidos pelos produtos com defeito.

Mesmo com tudo isso, porém, na Europa ainda existem varejistas que estão vendendo produtos que podem estar danificados, como divulgou o site Fudzilla, nada impede que isso esteja acontecendo aqui no Brasil também.

{break::Conclusão}Estima-se que cerca de 8 milhões de chipsets saíram da fÁbrica da Intel. No Brasil, as próprias empresas afirmam que, de maneira oficial, pouquíssimas placas-mãe com o chipset da Intel Series 6 saíram de fÁbrica, além disso, a maioria deles ainda estava na mão dos revendedores, o que não causarÁ maiores transtornos para o consumidor final. Além disso, a Intel se prontificou a ressarcir todos os prejuízos ocasionados pelo problema, desde a fabricação de novos chipsets até o transporte para o consumidor final.

As empresas com mais problema foram HP e Dell, que chegaram a atrasar a produção de novos computadores devido o caso. Além disso, a Apple, que em breve pretendia lançar a nova linha de MacBooks Pro pode ser afetada pelo ocorrido.

A Intel retomou a produção dos novos chipsets, jÁ com o problema corrigido, ainda no dia 7 de fevereiro, semanas antes do previsto. Isso foi uma boa notícia para o mercado, jÁ que provavelmente o produto chegarÁ antes também às mãos dos fabricantes e, conseqüentemente, dos consumidores. Porém, todas as grandes fabricantes de placas-mãe tem um grande processo de controle de qualidade, então, provavelmente, novos produtos só devem chegar ao mercado por volta do começo de abril.

Não hÁ problemas se você possui um computador com processador Sandy Bridge. O problema com os chipsets não acontece de uma hora para outra e sim é um desgaste que, dependendo das condições de uso, pode levar anos para ocorrer. Assim, provavelmente, você ainda terÁ seu computador funcionando em perfeitas condições até que a troca possa ser efetuada pelo seu revendedor.  

Assuntos
Tags
  • Redator: Gian Kojikovski

    Gian Kojikovski

    Peixe fora d'água, Gian Kojikovski demorou em entrar no mundo da tecnologia. Ganhou seu primeiro computador aos 11 anos mas só foi descobrir como usá-lo aos 13. Desde então, gastou tardes e madrugadas entre os clássicos The Sims e GTA II. É estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina e tem interesse em pesquisas na área de smartphones.

Qual vai ser o melhor game lançado em maio de 2020?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.